Circulação da escrita de mulheres hispano-americanas no Brasil: uma crítica a partir da história da tradução

Palavras-chave: Literatura de mulheres. Crítica decolonial. História da tradução no Brasil. Literatura hispano-americana em tradução. Circulação de literatura traduzida.

Resumo

Apesar da boa recepção da escrita (literária e não literária) de mulheres (décadas de 1930-1940) e também da literatura hispano-americana (especialmente nos e a partir dos anos 1970) no sistema brasileiro, é ainda proporcionalmente pequeno o número de livros de autoria única de mulheres hispano-americanas em tradução publicados e circulantes na história do livro no Brasil. Para demonstrar esse fenômeno e propor algumas possíveis explicações a ele, este artigo busca postulados da crítica decolonial, centrando-se na história colonial do Brasil e nos seus impactos na história das mulheres e, também, da leitura, do livro e da tradução no Brasil. Por fim, e defendendo que as literaturas traduzidas desempenham um importante papel na transformação de repertórios conservadores, esse artigo relaciona algumas traduções recentes de autoras hispano-americanas e aponta alguns “vazios tradutórios”, ou seja, elenca escritoras e obras que, não obstante tenham adquirido fama em seus sistemas literários de origem, não foram postas em circulação pela via da tradução no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Cristiane Kahmann, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS

Professora do Bacharelado em Letras – Tradução Espanhol / Português e do Programa de Pós-Graduação em Letras (Linha de Literatura, Cultura e Tradução) da Universidade Federal de Pelotas (https://wp.ufpel.edu.br/ppgl/).

Referências

AIXELÁ, Javier Franco. Itens culturais-específicos em tradução. Tradução de Mayara Matsu Marinho e Roseni Silva. In-Traduções, Florianópolis, v. 5, n. 8, p. 185-218, jan./jun., 2013. Disponível em: http://incubadora. periodicos.ufsc.br/index.php/intraducoes/article/viewFile/2119/2996. Acesso em: 26 jul. 2019. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2019v39n2p116

ALVES, Laura Paola Ramos. As duas partidas (Clorinda Matto de Turner). Cadernos de Tradução (do Instituto de Letras da UFRGS), Porto Alegre, n. 42, p. 62–67, jan./jul. 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/cadernosdetraducao/article/view/83002. Acesso em: 29 jul. 2019. https://doi.org/10.22456/2236-6385.22837

ANDRADE, Andreza Aparecida Gomes de. Tradução comentada de Peregrinaciones de una alma triste de Juana Manuela Gorriti. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Ciências e Letras de Assis – Universidade Estadual Paulista, 2013. 287f. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/113798/000796912.pdf. Acesso em: 29 jul. 2019. https://doi.org/10.33582/2637-4900/1011

ANDRETA, Bárbara Loureiro. Visões da escravatura na América Latina: Sab e Úrsula. Dissertação (mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação em Letras, 2016. 150f. Disponível em: https://repositorio.ufsm.br/handle/1/12081. Acesso em: 15 out. 2019. https://doi.org/10.18226/610001/mostraxvi.2016.45

ASEFF, Marlova. Poesia Traduzida no Brasil. Brasília, 2016. Disponível em: https://poesiatraduzida.com.br. Acesso em: 29 jul. 2019.

ÁVILA, Eliana de Souza. Pode o tradutor ouvir? In: BLUME, Rosvitha Friesen; PETERLE, Patricia (org). Tradução e relações de poder. Tubarão: Ed. Copiart; Florianópolis: PGET: UFSC, 2013. p. 21-68.

BASSNETT, Susan. Estudos de tradução: fundamentos Tradução de Vivina de Campos Figueiredo. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

BASSNETT, Susan. Reflections on Comparative Literature in the Twenty-First Century. Discurso para a Associação Britânica de Literatura Comparada. Comparative Critical Studies, [S. l.], v. 3, n. 3, p. 3-11, 2006. Disponível em: http://muse.jhu.edu/journals/comparative_critical_studies/v003/3.1bassnett.html. Acesso em: 28 set. 2015. https://doi.org/10.1353/ccs.2006.0002

BASTOS, Maria Helena Camara. Da educação das meninas por Fénelon (1852). Revista História da Educação, Porto Alegre, v. 16, n. 36, p. 147-188, jan./abr. 2012. https://doi.org/10.29388/978-85-53111-25-1-0-f.97-108

BENJAMIN, Walter. A tarefa do tradutor. Tradução de Fernando Camacho. In: BRANCO, Lúcia Castello (org.). A tarefa do tradutor, de Walter Benjamin: quatro traduções ao português. Belo Horizonte: FALE: UFMG, 2008. p. 25-49. https://doi.org/10.17851/2317-2096.25.2.209-224

BERMAN, Antoine. A prova do estrangeiro: cultura e tradução na Alemanha romântica: Herder, Goethe, Schlegel, Novalis, Humboldt, Schleiermacher, Hölderlin. Tradução de Maria Emília Pereira Chanut. Bauru: EDUSC, 2002. https://doi.org/10.11606/issn.2317-9511.tradterm.2003.49099

BEZERRA, Mara Gonzalez. Tradução comentada da peça teatral Amor es más laberinto de Sor Juana Inés de La Cruz: o emaranhado jogo das antíteses. 2016. 281 f. Tese (doutorado) - Programa de Pós-Graduação em Estudos de Tradução, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/172543. Acesso em: 30 jul. 2019. https://doi.org/10.5007/2177-5230.2010v26n50p215

BORBA, Cecília de Souza. A luva negra de Juana Manuela Gorriti. Mafuá, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, n. 20, p. 1-24, 2013. Disponível em: https://mafua.ufsc.br/2013/a-luva-negra-de-juana-manuela-gorriti/. Acesso em: 29 jul. 2019. https://doi.org/10.11606/issn.2596-3147.v1i2p238-239

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 43 ed. São Paulo: Cultrix, 2006.

BOTTMANN, Denise. katherine mansfield no brasil. Postagem datada de 5 jun. 2016. Disponível em: http://naogostodeplagio.blogspot.com/2016/06/katherine-mansfield-no-brasil.html. Acesso em: 25 jul. 2019.

BRAVO, Víctor. Libros clave de la narrativa venezolana (XI): Memorias de Mamá Blanca. Rinconete (Centro Virtual Cervantes), [S. l.], Jueves, 16 out. 2008. Disponível em: https://cvc.cervantes.es/el_rinconete/anteriores/octubre_08/16102008_01.htm. Acesso em: 16 jul. 2019. https://doi.org/10.11606/d.8.2010.tde-26042010-164035

BURKE, Peter. Culturas da tradução nos primórdios da Europa Moderna. In: BURKE, Peter; R. PO-CHIA, Hisia (org.). A tradução cultural nos primórdios da Europa Moderna. Tradução de Roger Maioli dos Santos. São Paulo: Editora da Unesp, 2009. p. 13-46. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2009v2n24p258

CANDIDO, Antonio. A revolução de 1930 e a cultura. In: CANDIDO, Antonio. A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática, 1989. p. 181-198.

CARVALHAL, Tania Franco. O próprio e o alheio: ensaios de literatura comparada. São Leopoldo: Editora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2003. 264p. https://doi.org/10.21041/conpat2019/v1cc306

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

CARVALHO, José Murilo de. Fundamentos da política e da sociedade brasileiras. In: AVELAR, Lúcia; CINTRA, Antônio Octávio. Sistema político brasileiro: uma introdução. 2. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: Konrad-Adenauer-Stifung; São Paulo: Editora Unesp, 2007. p. 19-34.

CUNHA, Roseli Barros. Aves sin nido, de Clorinda Matto de Turner - Tradução do IV capítulo do romance. Transversal – Revista em Tradução,

Fortaleza, v. 3, n. 6, p. 27-29, 2017. Disponível em: http://periodicos.ufc.br/transversal/article/view/31632. Acesso em: 29 jul. 2019. https://doi.org/10.24824/978854443697.4

DALCASTAGNÉ, Regina. Um território contestado: literatura brasileira contemporânea e as novas vozes sociais., [email protected], Paris, n. 2, p. 13 – 18, 2012. Disponível em: http://iberical.paris-sorbonne.fr/wp-content/uploads/2012/03/002-02.pdf. Acesso em: 26 jul. 2019. https://doi.org/10.18411/a-2017-023

DUARTE, Constância Lima. Feminismo e literatura no Brasil. São Paulo, Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 151-172, 2003. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/9950. Acesso em: 15 out. 2019. https://doi.org/10.1590/s0103-40142003000300010

EVEN-ZOHAR, Itamar. A posição da literatura traduzida dentro do polissistema literário. Tradução de Leandro de Ávila Braga. Revista Translatio, Porto Alegre, n. 3, p. 3–10, 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/translatio/article/view/34674/22321. Acesso em: 26 jul. 2019. https://doi.org/10.34019/1982-0836.2018.v22.25640

EVEN-ZOHAR, Itamar. Teoria dos polissistemas. Tradução de Luis Fernando Marozo, Carlos Rizzon e Yanna Karlla Cunha. Revista Translatio, Porto Alegre, n. 4, p. 02- 21, 2013. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/translatio/article/view/42899/27134. Acesso em: 29 jul. 2019.

FERREIRA, Luzilá Gonçalves. Historia de las mujeres brasileñas en el siglo XIX: una lucha por visibilidad. In: GUARDIA, Sara Beatriz (ed.). Historia de las mujeres en América Latina. Lima: CEMHAL, 2003. p. 125-130. Disponível em: https://www.um.es/estructura/unidades/u-igualdad/intranet/docs/historia-de-las-mujeres-en-america-latina.pdf. Acesso em: 15 out. 2019. https://doi.org/10.30827/arenal.vol25.num1.259-260

FERREIRA, Rocío. Clorinda Matto de Turner, novelista, y los aportes de Antonio Cornejo Polar al estudio de la novela peruana del siglo XIX. In: ENCUENTRO INTERNACIONAL MUJER E INDEPENDENCIAS, 2010., 1, [s/l]. Actas […]. [S. l.]: CEMHAL, 2008. p. [1-13]. Disponível em: https://cvc.cervantes.es/literatura/mujer_independencias/ ferreira01.htm. Acesso em: 25 jul. 2019. https://doi.org/10.2307/25070292

GOMES, Nathaly Silva Nalerio. Sonetos de Sor Juana Inés de la Cruz em português: dificuldades e soluções tradutórias. In: SANTOS, Amanda Basilio, MACHADO, Juliana Porto (org.) Fenômenos culturais no amálgama social: reunião de artigos do I CIPCS. Jaguarão: CLAEC, 2018. p. 1745-1759. Disponível em: https://claec.org/editora/?page_id=292. Acesso em: 30 jul. 2019. https://doi.org/10.2307/j.ctvhn08rt.14

GUARDIA, Sara Beatriz. Literatura e escrita feminina na América Latina. Anuário de Literatura, Florianópolis, v. 18, n. esp. 1, p. 15-44, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/literatura/article/view/28217. Acesso em: 28 jul. 2019. https://doi.org/10.5007/2175-7917.2013v18nesp1p15

HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil: sua história. Tradução de Maria da Penha Villalobos, Lólio Lourenço de Oliveira e Geraldo Gerson de Souza. 3. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2012. https://doi.org/10.1590/1980-436920170000000010

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX (1914 – 1991). Tradução de Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Eletrônico Houaiss da língua portuguesa versão 3.0. rev., ampl. atual., São Paulo: Objetiva, 2009 [cd-rom]. https://doi.org/10.17979/rlex.2003.9.0.5582

IBGE. PNAD Contínua: 10% da população concentravam quase metade da massa de rendimentos do país em 2017. Agência de Notícias IBJE, Rio de Janeiro, 11 abr. 2018. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/20843-pnad-continua-10-da-populacao-concentravam-quase-metade-da-massa-de-rendimentos-do-pais-em-2017. Acesso em: 26 jul. 2019. https://doi.org/10.21528/cbic2011-06.3

IBGE. Anuário Estatístico do Brasil. v. 78. Rio de Janeiro: IBGE, 2018. (Tabela 2.1.1.1 - População nos Censos Demográficos, segundo o sexo, os grupos de idade, o estado conjugal, a religião, a nacionalidade e a alfabetização - 1872/2010). Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/20/aeb_2018.pdf. Acesso em 27 jul. 2019. https://doi.org/10.5151/9cidi-congic-1.0393

JUANA INÉS. Criada por Patricia Arriaga-Jordán. Série original Netflix, 2016. 7 episódios. Disponível em: https://www.netflix.com/br/title/80123792. Acesso em: 11 jul. 2019.

KAHMANN, Andrea Cristiane. O norte de Sur e as condicionantes para manter-se ao centro: o caso de María Luisa Bombal. Pelotas, Caderno de Letras, Pelotas, n. 30, p. 29 - 47, 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/cadernodeletras/article/view/13757. Acesso em: 29 jul. 2019. https://doi.org/10.15210/cdl.v0i30.13757

KARAM, Sergio Bandeira. A tradução de literatura hispano- americana no Brasil: um capítulo da história da literatura brasileira. 2016. 268 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Instituto de Letras, Universidade do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/172902. Acesso em: 29 jul. 2019. https://doi.org/10.29381/0103-8559/2019290128-33 L&PM. Coleção L&PM Pocket [Catálogo]. Disponível em: https://www.lpm.com.br/site/default.asp?-

TroncoID=805134&SecaoID=836333&SubsecaoID=0. Acesso em: 7 jan. 2014.

LEFEVERE, André. Tradução, reescritura e manipulação da fama literária. Tradução de Claudia Matos Seligmann. Bauru: Edusc, 2007. https://doi.org/10.5007/2175-7968.2011v1n27p321

Lentz, Gleiton; Agustini, Delmira. Alguns cálices d’Os Cálices Vazios. Cadernos de Literatura em Tradução, São Paulo, n. 8, p. 179-201. 2007. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/clt/article/view/49436. Acesso em: 30 jul. 2019.

MERCOSUL. Comissão Permanente de Gênero e Direito das Mulheres da Reunião de Altas Autoridades em Direitos Humanos e Chancelaria do MERCOSUL (RAADH). Manual pedagógico sobre el uso del lenguaje inclusivo y no sexista. Buenos Aires, IPPDH, 2018. Disponível em: http://www.ippdh.mercosur.int/pt-br/publicaciones/manual-pedagogico-sobre-o-uso-da-linguagem-inclusiva-nao-sexista. Acesso em: 15 out. 2019. https://doi.org/10.12818/p.0304-2340.2018v72p329

NAVARRO, Márcia Hoppe. O discurso crítico feminista na América Hispânica. In: SCHMIDT, Rita Terezinha (org.). Mulheres e literatura: (trans)formando identidades. Porto Alegre: Palloti, 1997. p. 39-49.

OLIVEIRA, Maria Clara Castellões de. Tradução & gênero: tradutoras brasileiras nas décadas de 1930 e 1940. In: AMORIM, Lauro Maia; RODRIGUES, Cristina Carneiro; STUPIELLO, Érika Nogueira de Andrade. Tradução & perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: Editora Unesp Digital, 2015. (p. 123-153.). https://doi.org/10.7476/9788568334614

ORTEGA Y GASSET, José. Miseria y esplendor de la traducción: traduções sinóticas. Scientia Traductionis, Florianópolis, n. 13, p. 5-50, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/scientia/article/view/30232/25187. Acesso em 26 jul. 2019. https://doi.org/10.5007/1980-4237.2013n13p5

PAES, José Paulo. Tradução: a ponte necessária. São Paulo: Ática, 1990.

QUIJANO, Anibal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y America Latina. In: QUIJANO, Anibal. Cuestiones y horizonte: de la dependencia histórico- estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires: CLACSO, 2014. (Colección Antologías). Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/ 20140507042402/eje3-8.pdf. Acesso em: 25 jul. 2019. https://doi.org/10.22201/cela.24484946e.2010.25.49411

REAL ACADEMIA ESPAÑOLA. Diccionario de la Real Academia Española. Disponível em: https://dle.rae.e. Acesso em: 29 jul. 2019. https://doi.org/10.5944/epos.17.2001.10203

RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Políticas para as mulheres. Grupo de Trabalho (Dec.Est. nº 49.995/2012).

TOLEDO, Leslie Campaner de et al (org.). Manual para uso não sexista da linguagem. Porto Alegre: Secretaria de Comunicação e Inclusão Digital, 2014.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, B. S; MENESES, M. P. (org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 31- 83. https://doi.org/10.2307/j.ctvt6rkt3.18

SARLO, Beatriz. Modernidade periférica: Buenos Aires 1920 e 1930. Tradução de Júlio Pimentel Pinto. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

SILVA, Barbara Zocal da; BEZERRA, Wilson Alves. Aquém das fronteiras: a produção e a tradução literária de autoras latino-americanas. Cadernos de Literatura em Tradução, São Paulo, n. 21, p. 7-12, 2019. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/clt/article/view/160383. Acesso em: 15 out. 2019. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5388

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Tradução como cultura. Tradução de Eliana Ávila e Liane Schneider. Ilha do Desterro, Florianópolis, n. 48, p. 41-64, jan./jun. 2005. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/desterro/article/download/9833/9064 Acesso em: 29 jul. 2019. https://doi.org/10.5007/2175-8026.2019v72n2p9

TORRES, Marie Helene Catherine. Best-sellers em tradução: o substrato cultural internacional. Alea, Rio de Janeiro, n. 2, v. 11, n. 2, p. 278-283, dez. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-106X2009000200006. Acesso em: 27 jul. 2019. https://doi.org/10.1590/s1517-106x2009000200006

VALDERÓN, Roberto A. Translation and the Spanish Empire in the Americas. Amsterdam: Benjamins Translation Library, 2014.

VALLERIUS, Denise Mallmann. Borges em nova tradução: regionalismo para além das fronteiras. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2010.

VAZ, Artur Emilio Alarcon, PILETTI, Daniele Corbetta, NOAL, Joselma Noal (org.). Contos de Juana Manuela Gorriti. Tradução de Daniela Corbetta Piletti et. al. São Paulo: LiberArs, 2017. https://doi.org/10.5935/1980-6914/letras.v19n3p155-167

WYLER, Lia. Língua, poetas e bacharéis: uma crônica da tradução no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 2003. https://doi.org/10.7202/011616ar

Publicado
2020-04-08
Como Citar
Kahmann, A. C. (2020). Circulação da escrita de mulheres hispano-americanas no Brasil: uma crítica a partir da história da tradução. Letrônica, 13(1), e35145. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.1.35145