Disputas epistemológicas e ecologia dos saberes em dois romances de autoria de mulheres no Brasil

Palavras-chave: Literatura brasileira. Ana Miranda. Conceição Evaristo. Disputas epistemológicas. Ecologia dos saberes.

Resumo

Sob uma perspectiva decolonial, este artigo visita dois romances escritos por autoras brasileiras cujas protagonistas são também mulheres: Amrik, da cearense Ana Miranda, e Ponciá Vicêncio, da mineira Conceição Evaristo. As noções de disputas epistemológicas e ecologia dos saberes de Boaventura de Sousa Santos servem de impulso para identificar quais conhecimentos estão em jogo nas narrativas e compreender de que maneira se relacionam, se mesclam ou se contrapõem aos conhecimentos ocidentais hegemônicos. Esta análise política e literária nos mostra que a diversidade do mundo, em seu caráter inesgotável, não admite uma única epistemologia adequada, mas demanda uma ecologia dos saberes que abranja a também inesgotável diversidade de experiências não canônicas de conhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline Veingartner Fagundes, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC

Mestranda em Literatura no Programa de Pós-graduação em Literatura, na linha de pesquisa Crítica Feminista e Estudos de Gênero pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil, com bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

Referências

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. 3. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2018.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/93, p. 69-82, jan./jun. 1988.

MACHADO, Bárbara Araújo. “Recordar é preciso”: Conceição Evaristo e a intelectualidade negra no contexto do movimento negro brasileiro contemporâneo (1982-2008). 2014. 130 f. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2014.

MACIEL, Nahima. Conceição Evaristo: ‘A literatura está nas mãos de homens brancos’. Correio Braziliense, Brasília, DF, 15 jul. 2018. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/diversao-e-arte/2018/07/15/interna_diversao_arte,694873/entrevista-conceicao-evaristo.shtml. Acesso em: 5 jul. 2019.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, R. (org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2018. p. 44-93. (Coleção Cultura Negra e Identidades).

MARTINS, Leda. Performances da oralitura: corpo, lugar da memória. Letras, Santa Maria, n. 26, jun. 2003. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/11881/7308. Acesso em: 12 jul. 2019.

MIRANDA, Ana. Amrik. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MIRANDA, Ana. ‘A sensação é que todos os meus livros são resultado de sonhos’.[Entrevista cedida a] Maurício Meireles. O Globo, Rio de Janeiro, 21 fev. 2014. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/ana-miranda-sensacao-que-todos-os-meus--livros-sao-resultado-de-sonhos-11668799. Acesso em: 5 jul. 2019.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais: perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula. (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009.

Publicado
2020-04-08
Como Citar
Fagundes, A. V. (2020). Disputas epistemológicas e ecologia dos saberes em dois romances de autoria de mulheres no Brasil. Letrônica, 13(1), e35133. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.1.35133