Isabel Allende e Marcela Serrano: vozes chilenas na literatura latino-americana

Palavras-chave: Duas palavras. Nossa Senhora da Solidão. Leitura e escritura. Emancipação.

Resumo

Este artigo tem como objetivo examinar elaborações de gênero, como categorias do feminino, no conto “Duas palavras”, de Isabel Allende, e no romance Nossa Senhora da Solidão, de Marcela Serrano. Procedeu-se a uma revisão de conceitos de crítica feminista aplicados aos textos, enfatizando a questão da linguagem como eixo norteador. Verificou-se a pertinência do exame da especificidade da escritura e da leitura como modalidades de permanência da história da comunidade, no caso do conto, e a chave para decifrar o enigma, no caso do romance. Também é importante constatar a relevância dessas atividades, na medida em que operam tanto na constituição da identidade quanto na emancipação do sujeito feminino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cecil Jeanine Albert Zinani, Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul

Cecil Jeanine Albert Zinani é Doutora em Letras – Literatura Comparada (UFRGS); Mestra em Letras – Teoria da Literatura (PUCRS); Estágio Pós-Doutoral em Letras – Memória e História (PUCRS). Professora e pesquisadora nos Programas de Pós-Graduação em Letras e no Curso de Letras (UCS). Tanto a tese quanto o relatório do estágio transformaram-se em livros que versam sobre literatura e história da América Latina na perspectiva feminina: Literatura e gênero: a construção da identidade feminina e História da literatura: questões contemporâneas. Coordena o grupo de pesquisa Mulher e Literatura, vinculado ao Diretório do CNPq como “Literatura: perspectivas e transformações”.

Referências

ALLENDE, Isabel. Eva Luna. 3. ed. Tradução de Luísa Ibañez. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

ALLENDE, Isabel. Contos de Eva Luna. 7. ed. Tradução de Rosemary Moraes. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

ALLENDE, Isabel. De amor e de sombra. Tradução de Suely Bastos. São Paulo: Difel, 1986

ALVAREZ, Julia. No tempo das borboletas. Tradução de Lea Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Rocco, 2001.

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo: 1. Fatos e mitos. 4. ed. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

CULLER, Jonathan. Sobre a desconstrução. Tradução de Patrícia Burrowes. São Paulo: Record: Rosa dos Tempos, 1997.

NAVARRO, Márcia. Por uma voz autônoma: o papel da mulher na história e na ficção latino-americana contemporânea. In: NAVARRO, Márcia (org). Rompendo o silêncio: gênero e literatura na América Latina. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS. p. 11-55.

OSORIO, Elsa. Há vinte anos, Luz. Tradução de Rubia Prates, colaboração de Sérgio Molina. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999.

PIGLIA, Ricardo. Teses sobre o conto. In: PIGLIA, Ricardo. O laboratório do escritor. Tradução de Josely Vianna Baptista. São Paulo: Iluminuras, 1994.

SERRANO, Marcela. Nossa Senhora da Solidão. Tradução de Paulina Wacht e Ari Roitman. Rio de Janeiro; São Paulo: Record. 2003.

SERRANO, Marcela. Nós que nos amávamos tanto. Tradução de Luís Carlos Cabral. Rio de Janeiro: Record, 2005.

TODOROV, Tzvetan. Tipologia do romance policial. In: TODOROV, Tzvetan. As estruturas narrativas. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva, 1979. p. 93-104.

VALENZUELA, Luisa. Romance negro com argentinos. Tradução de Paloma Vidal. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

Publicado
2020-04-08
Como Citar
Zinani, C. J. A. (2020). Isabel Allende e Marcela Serrano: vozes chilenas na literatura latino-americana. Letrônica, 13(1), e34966. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.1.34966