Lucía Miranda, Eduarda Mansilla e Rosa Guerra: três mulheres, uma personagem e dois desejos/projetos

  • Brenda Carlos de Andrade Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE http://orcid.org/0000-0001-8228-725X
Palavras-chave: iteratura argentina. Século XIX. Eduarda Mansilla. Rosa Guerra. Lucía Miranda.

Resumo

Lucía Miranda é uma personagem identificada com a formação da região do Rio da Prata, que protagonizará, no séc. XIX, dois romances de carácter histórico escritos por Rosa Guerra e Eduarda Mansilla. As histórias apresentadas pelas duas autoras distam no tratamento do tema e parecem propor maneiras diferentes de ver a história e as possibilidades de construção de signos de identidade nacional. Nesse trabalho, analiso comparativamente as duas obras e as formas como convertem em ficção um evento considerado histórico. Em um primeiro momento, o trabalho apresenta algumas considerações sobre romance histórico e seus usos no século XIX. Em um segundo momento, é apresentada uma breve revisão sobre o mito/história de Lucía Miranda e sobre a vida das autoras Rosa Guerra e Eduarda Mansilla. Em seguida, é apresentada uma análise comparativa dos dois romances para estabelecer os pontos de convergência e divergência entre os dois trabalhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Brenda Carlos de Andrade, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife, PE

Doutora pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE, Recife, PE, Brasil), com período sanduíche na UNAM/México, professora de Literatura de Língua Espanhola no Departamento de Letras da Universidade Federal Rural de Pernambuco e de Literatura nos Programas de Pós-graduação em Letras (PPGL/ UFPE) e de Estudos da Linguagem (PROGEL/UFRPE). Atualmente se dedica ao projeto de pesquisa “Espaços construídos, cartografias imaginadas: traçados e imagens das cidades na literatura latino-americana”. Publicou, em 2018, o livro Traçado de uma história: ficção e realidade nas narrativas hispano-americanas do século XIX.

Referências

ALTAMIRANO, Carlos; SARLO, Beatriz. Ensayos argentinos: de Sarmiento a la vanguardía. Buenos Aires: Ariel, 1997.

ELGUE, Carlos Alfredo Rossi. Lucía Miranda, mito de la cautiva blanca en el Río de la Plata, desde el siglo XVI hasta el siglo XX. Mitologías hoy: revista de pensamiento, crítica y estudios literarios latinoamericanos. Barcelona, v.16, p. 39-51, dic. 2017. https://doi.org/10.5565/rev/mitologias.486

GUERRA, Rosa. Lucía Miranda: novela histórica. Buenos Aires: Imprenta Americana, 1860.

LOJO, María Rosa et al. Introducción. In: MANSILLA, Eduarda. Lucía Miranda: 1860. Madrid: Iberoamericana Vervuert, 2007. p. 11-87. https://doi.org/10.31819/9783964564009-002

LUKÁCS, György. O romance histórico. São Paulo: Boitempo, 2011. https://doi.org/10.20396/ideias.v4i2.8649386

LUNA, Cláudia. La Cautiva. In: CÁRCAMO, Silvia Inés. Mitos españoles: imaginación y cultura. Rio de Janeiro: APEERJ, 2000.

MANSILLA, Eduarda. Lucía Miranda: novela histórica. Buenos Aires: Imprenta Juan A. Alsina, 1882.

MENTON, Seymour. La nueva novela histórica de la América Latina, 1979-1992. México, D.F.: Fondo de Cultura Económica, 1993.

MOLINA, Hebe B. Como crecen los hongos: la novela argentina entre 1838 y 1872. Buenos Aires: Teseo, 2011.

MORETTI, Julia. Rosa Guerra y el desafío a los roles de género en el siglo XIX. Actas de periodismo y comunicación, La Plata, v. 3, n. 1, p. 1-7, dic. 2017.

PARDO, Alejandro Araujo. Usos de la novela histórica en el siglo XIX mexicano. 2006. 339 f. Tese (Doutorado em Humanidades) – Universidad Autónoma Metropolitana Iztapalapa, México D.F., 2006.

SOMMER, Doris. Foundational Fictions: the national romances of Latin America. Berkeley: University of California, 1993. https://doi.org/10.2307/1007149

Publicado
2020-04-08
Como Citar
de Andrade, B. C. (2020). Lucía Miranda, Eduarda Mansilla e Rosa Guerra: três mulheres, uma personagem e dois desejos/projetos. Letrônica, 13(1), e34939. https://doi.org/10.15448/1984-4301.2020.1.34939