A importância da técnica dentro da psicanálise e as críticas de Heidegger deste tecnicismo reducionista do Dasein

Palavras-chave: Heidegger, Freud, Dasein, Inconsciente

Resumo

Mostraremos que as críticas de Heidegger acerca das teorias freudianas e até mesmo da metodologia psicanalítica, partem de um certo desconhecimento do filósofo de que Freud está lidando com o fenômeno do setting analítico e este se impõe como o elemento fundamental da psicanálise. O aprimoramento e o refinamento da técnica é o objetivo máximo da psicanálise. O reducionismo mecânico dos fenômenos psíquicos se sustenta no fato da psicanálise ser, necessariamente, uma práxis. Discorremos que o constructo heideggeriano Dasein incorpora uma nova maneira de pensar o homem e seu mundo. O conceito de ser-no-mundo retrabalha a posição do ser humano, consequentemente, modificando os conceitos de psique, psicologia e consciência. Isso dará substrato maior ao trabalho importante de Freud de questionar os limites dos conceitos da lógica pura e soberana. Mas, ao mesmo tempo, abre o campo da possível desconstrução da objetivação da psique. A desconstrução também atinge a possibilidade do repensar toda a mitologia metafísica presente na metapsicologia freudiana. Propomos que haverá um encontro de ambos os autores que vagam por vias diferentes. Freud questiona a primazia da lógica e suas limitações ao propor o funcionamento da lógica do inconsciente. Heidegger questiona também essa lógica vigente, chegando a reformular os próprios paradigmas que sustentam tanto a metafísica quando a cientificidade. A conclusão aqui apresentada seria que ambos os autores pensam de forma crítica a psique humana e a consciência. Freud parte de seu trabalho clínico, da necessidade de lidar com o fenômeno do inconsciente e de teorizar conceitos e um método para lidar com ele. Heidegger, de outro extremo, parte para uma reformulação crítica de todo o campo dos fenômenos psicológicos: a consciência, a cura, a doença etc. Evita, no entanto, cair em um reducionismo desses fenômenos, como acontece quando eles são objetos manipuláveis na mecânica da técnica psicanalítica. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Jacques dos Santos, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo-RS, Brasil.

Especialista em Psicanálise: técnica e teoria pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Psicólogo pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), em São Leopoldo, RS, Brasil. Mestrando do Programa de Pós-graduação em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), em São Leopoldo, RS, Brasil.

Referências

ARAUJO, Marcos Vinícius Gomes de. Uma breve compreensão sobre o Dasein de Heidegger. Revista Lampejo, Fortaleza, n. 6, p. 200-206, 2. sem. 2014. ISSN 2238-5274. Disponível em: http://revistalampejo.apoenafilosofia.org/?page_id=637. Acesso em: 22 maio. 2022.

FERREIRA, Vitor Duarte; RIBEIRO, Caroline Vasconcelos. A metapsicologia freudiana: uma leitura heideggeriana. APRENDER – Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, Vitória da Conquista, n. 18, ano XI, p. 116-141, jul./dez. 2017. ISSN 2359-246X. https://doi.org/10.22481/aprender.v0i18.3651.

FREUD, Sigmund. Recordar, repetir e elaborar: novas recomendações sobre a técnica da psicanálise II (1914). In: STRACHEY, James (ed.). Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. XII, p. 107-120. [Erinnern, wiederholen und durcharbeiten].

FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer (1920). In: STRACHEY, James (ed.). Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. XVIII. p. 3-42. [Jenseits des lustprinzips].

FREUD, Sigmund. Análise terminável e interminável (1937). Editor inglês James Strachey. In: Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1996. v. XXIII, p. 135-164. [Die endliche und die unendliche analyse].

HEIDEGGER, Martin. Ser e Tempo (1927). Tradução de Fausto Castilho. Petrópolis: Editora Unicamp: Vozes, 2012. [Sein und Zeit].

HEIDEGGER, Martin. Seminários de Zollikon (1987). Editado por Medard Boss. Traduzido por Gabriela Arnhold e Maria de Fátima de Almeida Prado. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. [Zollikoner Seminare: Protokolle - Gersprache – Briefe. Herausgegeben von Medard Boss].

HEIDEGGER, Martin. Sobre o problema do ser (1955) /O caminho do campo (1949). Tradução de Ernildo Stein. São Paulo: Duas Cidades, 1969. [“Über die Linie”, Freundschaftliche Begenungen: Festchrift für Ernest Jünger zum 60. Geburtstag; Zur Seinsfrage em Wegmarken] [Der Feldweg].

LOPARIC, Zeljko. Psicanálise: uma leitura heideggeriana. Veritas, Porto Alegre, v. 43, n. 1, p. 25-41, mar. 1988. https://doi.org/10.15448/1984-6746.1998.1.35392.

STEIN, Ernildo. Anamnese: a filosofia e o retorno do reprimido. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1997.

STEIN, Ernildo. Analítica existencial e psicanálise: Freud, Binswanger, Lacan, Boss-conferências. Ijuí: Ed. Unijuí, 2012.

STEIN, Ernildo. Seis estudos sobre “Ser e tempo”. Petrópolis: Vozes, 2005.

Publicado
2022-09-14
Como Citar
Santos, J. J. dos. (2022). A importância da técnica dentro da psicanálise e as críticas de Heidegger deste tecnicismo reducionista do Dasein. Intuitio, 15(1), e43157. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2022.1.43157