Nunca fomos pós-humanos

Tecendo cartografias da cosmovisão andina na era do Antropoceno

Palavras-chave: Humanos, Não humanos, Pós-humanismo, Decolonialidade, Cosmovisão andina

Resumo

O contexto do Antropoceno tem despertado diversos debates no meio acadêmico, dentre eles os diálogos sobre o pensamento pós-humanista. O fato de a atividade humana no planeta ter desencadeado consequências catastróficas nos leva a propor com urgência outras formas de intersecções entre outras culturas, que talvez não estejam vivenciando com tanta intensidade, os frutos de um pensamento totalizante e universalista. Nesse contexto, este artigo se propõe a criar um quadro que conecte a cosmovisão andina do cosmos e as relações humanas e não humanas propostas tanto pela decolonialidade quanto pelo pós-humanismo e discutir as relações entre elas. Não pretendemos discutir diferenças ou vulnerabilidades de cada pensamento, mas identificar posições éticas que nos levem a reconhecer outros saberes há muito silenciados pela hegemonia europeia. Através da revisão bibliográfica embasada nas Teorias Decoloniais concluímos que o diálogo intercultural pode trilhar caminhos para que possamos construir relações amorosas entre os seres que habitam o universo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carla Barros Sobreira, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, Brasil.

Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Uberlândia, MG, Brasil; especialista em Ensino de Línguas Mediado por Computador pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Uberlândia MG, Brasil. Graduada em Letras-Inglês pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Campus II, Campina Grande, PB, Brasil. Doutoranda em Linguística Aplicada na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), em Campinas, SP, Brasil.

Referências

BRAIDOTTI, Rosi. The Posthuman. Cambridge: Policy Press, 2013.

BRAIDOTTI, Rosi. Lo posthumano. Barcelona: Editorial Gedisa, S.A., Sep. 2015.

BARAD, Karen. Posthumanist performativity: toward an understanding of how matter comes to matter. Signs: Journal of Women and culture in society, [S. I.], v. 28, n. 3, p. 801-831, 2003.

BUZATO, Marcelo El Khouri. O pós-humano é agora: uma apresentação. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, n. 58-2, p. 478-495, maio/ago. 2019.

CANAGARAJAH, Suresh. Translingual practice as spatial repertoires: expanding the paradigm beyond structuralist orientations. Applied Linguistics, [S. I.], v. 39, n. 1, p. 31-54, 2017.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. O chocalho do xamã é um acelerador de partículas. Revista Sexta-feira, [S. I.], n. 4, p. 26-36, 1999.

CASTRO, Eduardo Viveiros. Metafisicas Canibais. Elementos para uma Antropologia pós-estrutural. São Paulo, SP: Cosac Naify: N-1 Edições, 2009.

COOLE, Diana. FROST, Samantha. Introducing new materialism. In: COOLE, Diana; FROST, Samantha (org.). New materialisms: ontology, agency, and politics. London: Duke University Press, 2010. p. 1-43.

CRUTZEN, Paul. The Anthropocene. Nature Communications, [S. l.], v. 415, n. 23, 2002. Disponível em: https://www.nature.com/articles/415023a . Acesso em: jun. 2022.

DE FREITAS, Elizabeth. CURINGA, Matthew. Materialist approaches to the study of language identity: assembling the posthuman subject. Curriculum Inquiry, Toronto, v. 45, n. 3, p. 249-265, 2015.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidad y eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (org.). La colonialidade del saber: eurocentrismo y ciencias sociales, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO. 2000. p. 1-23.

ESTERMANN, Josef. Filosofía andina. 2. ed. La Paz: Instituto Ecuménico Andino de Teologia, 2009.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pos-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Critica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 80, p. 115-147. 2010. https://doi.org/10.4000/rccs.697.

HARAWAY, Donna. Staying with the trouble: making kin in the Chthulucene. Durham, NC: Duke University Press, 2016.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. Tradução de Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

MIGNOLO, Walter. Historias locales/diseños globales: colonialidad, conocimientos subalternos y pensamiento fronterizo. Madrid: Akal, 2003.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidade del ser: contribuiciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-Gómez, Santiago; GROSFOGUEL, Ramon (coord.). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editores: Universidad Central. Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos: Pontificia Universidad Javeriana: Instituto Pensar, 2007.

MARIÁTEGUI, José Carlos. 7 Ensayos de interpretación de la realidad peruana. Lima: Empresa Editora Amauta, 1952.

NASCIMENTO, André Marques do. Pesquisas decoloniais na educação e na análise do discurso critica. In: JORNADA INTERNACIONAL DE LINGUÍSTICA APLICADA CRITICA, 2., 2017, Brasília. Anais [...]. Brasília: Universidade de Brasília, jul. 2017. p. 23-25.

PATEL, Leigh. Decolonizing educational research: from ownership to answerability. New York: Routledge, 2016.

PENNYCOOK, Alastair. Posthumanism applied linguistics. Oxford: Routledge, 2018.

PENNYCOOK, Alastair. Posthuman applied linguistics. Presented at V Jornada de Educacao, Linguagem e Tecnologia (V JELT). Universidade Estadual de Campinas. Campinas: UNICAMP, Maio 30-31, 2019.

PORTO-GONÇALVES, Walter. Abya Yala. Enciclopedia Latino-americana. São Paulo: Boitempo, [2021?]. Disponible at: http://latinoamericana.wiki.br/verbetes/a/abya-yala. Accessed on: Jan. 30, 2022.

QUIJANO, Aníbal. The Coloniality of power and social classification. Journal of world-systems research, Nepantla, v. 6, n. 1, p. 12-30, 2000.

QUIJANO, Aníbal; DUSSEL, Enrique. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO), 2000.

REVISTA CAHIER LA SER. Paris: Descartes & Cie, 2003. n .3.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Descoloniazar el saber, reinventar el poder. Montevidéu: Ediciones Trilce, 2010.

SOUZA, Laryssa Paulino de Queiroz; PESSOA, Rosane Rocha. Humans, nonhuman others, matter and language: a discussion from posthumanist and decolonial perspectives. Trabalhos em Linguística Aplicada, [S. l.], v. 58, n. 2, May/Aug. 2019. https://doi.org/10.1590/010318135373715822019.

TOOHEY, Kelleen. The onto-epistemologies of new materialism: implications for applied linguistics pedagogies and research. Applied Linguistics, v. 40, n. 6, p. 937-956, Dec. 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1093/applin/amy046 Acesso em: 1 fev. 2022.

TORRES, Sonia. O antropoceno e a antropo-cena pós-humana: narrativas de catástrofes e contaminação. Ilha do desterro..A journal of English Language, Literatures in English and Cultural Studies, Rio de Janeiro, v. 70, n. 2, 5 jun. 2017.

WALSH, Catherine; MIGNOLA Walter. Introduction. In: WALSH, Catherine; Mignolo, Walter. On decoloniality: concepts, analytics, praxis. London: Duke University Press, 2018. p. 1-12.

Publicado
2022-06-29
Como Citar
Sobreira, A. C. B. (2022). Nunca fomos pós-humanos: Tecendo cartografias da cosmovisão andina na era do Antropoceno. Intuitio, 15(1), e43134. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2022.1.43134