Nietzsche como parte da história da metafísica

Palavras-chave: Metafísica, Nietzsche, Heidegger, Valor

Resumo

É notório que a leitura que Heidegger fez da filosofia nietzschiana foi uma das mais polêmicas. Sobretudo porque ele insistiu em enquadrar Nietzsche na linha que mais era alvo de seu pensamento, isto é, a metafísica. Este trabalho objetiva explicitar de que modo Nietzsche é compreendido como parte da história da metafísica sob a perspectiva filosófica de Martin Heidegger. Para tanto, será necessário dar dois passos gerais. Primeiro, apontar o que Heidegger entende por metafísica, a saber, a história da filosofia como o esquecimento do Ser. Segundo, fazer uma leitura pormenorizada do ensaio “a sentença nietzschiana ‘Deus está morto’” reconstruindo o argumento de Heidegger. É nesse ensaio em que ele localiza a filosofia de Nietzsche dentro da metafísica, mais exatamente, como a parte que a esgota.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Barbara Smolniakof, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.

Graduada em Filosofia pela Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO), em Guarapuava, PR, Brasil; mestrado em andamento em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

BATISTA, João Bosco. A Crítica heideggeriana da Modernidade. In: DONATELLI, M.; MENEZES, E. (org.) Modernidade e a ideia de História. Ilhéus: Editora da Universidade Estadual de Santa Catarina, 2003. p. 234 247.

FERREIRA JUNIOR, Wanderley J. Heidegger leitor de Nietzsche: a metafísica da vontade de potência como consumação da metafísica ocidental. Transformação, Marília, v. 36, n. 1, p. 101-116, jan./jun. 2013.

HEIDEGGER, Martin. A Sentença nietzschiana “Deus está morto”. Natureza Humana, v. 5, n. 2, p. 471-526, jul./dez. 2003.

HEIDEGGER, Martin. Nietzsche I. Tradução de Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

HEIDEGGER, Martin. Nietzsche II. Tradução de Marco Antonio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

MARTON, Scarlett (ed.). Dicionário Nietzsche. São Paulo: Edições Loyola, 2016. (Sendas & Veredas).

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A Gaia Ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Assim Falou Zaratustra. Um livro para todos e para ninguém. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Fragmentos Póstumos. Volumen IV (1885-1889). Edición realizada bajo los auspícios de la Sociedad Española de Estudios sobre Nietzsche (SEDEN). Traducción, introducción y notas de Diego Sánchez Meca y Jesús Conill. 2. ed. Madrid: Editorial Tecnos, 2008.

NUNES, Benedito. Passagem para o poético: filosofia e poesia em Heidegger. São Paulo: Loyola, 2012.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da Filosofia: de Nietzsche à Escola de Frankfurt. São Paulo: Paulus, 2006. v. 6. (Coleção história da filosofia).

SILVA, José Roberto da. Nietzsche como decisão: a interpretação de Heidegger da sentença nietzschiana “Deus está Morto”. Especiaria – Cadernos de Ciências Humanas, Ilhéus, v. 18, n. 32, p. 159-173, jan./jun. 2018.

Publicado
2021-09-02
Como Citar
Smolniakof, B. (2021). Nietzsche como parte da história da metafísica. Intuitio, 14(1), e39325. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2021.1.39325
Seção
Artigos