A Igreja tinha razão?

A irracionalidade de Galileu na visão de Paul Feyerabend

Palavras-chave: Irracionalidade, Igreja, Feyerabend, Galileu

Resumo

O presente artigo tem por objetivo investigar o caso Galileu sob a perspectiva feyerabendiana. O julgamento de Galileu recebe um lugar de destaque na história da ciência, principalmente, tratando-se de seus desdobramentos políticos. Com efeito, a comunidade científica e a academia caracterizam um Galileu injustiçado, enquanto a Igreja é representada como a inimiga da ciência na história. Este trabalho visa a perscrutar alguns pontos importantes da filosofia feyerabendiana. Em primeiro lugar, será discutido o problema da racionalidade em face ao progresso da ciência. Nessa parte, Feyerabend faz uma defesa dos procedimentos irracionais para o escopo científico. Em seguida, será examinado a relação entre ciência e ideologia, uma vez que a ciência possui certa predominância sobre as demais áreas. Por fim, nossa discussão é direcionada ao caso de Galileu, pois Feyerabend, ao analisar a história da ciência e o julgamento de Galileu, percebe que a Igreja estava mais próxima da razão do que Galileu. Para Feyerabend, a teoria galileana estava fora do alcance da experiência e da observação, assim a justificativa do físico era insuficiente para corroborar suas teses. Além disso, os agentes inquisitoriais alertaram sobre as possíveis implicações de Galileu em divulgar sua teoria. O físico cumpre duas partes importante na filosofia feyerabendiana: a complexidade das narrativas históricas e a defesa de procedimentos irracionais no desenvolvimento da ciência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeferson Scaccheti Prado, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil

Graduado em Publicidade e Propaganda pela Faculdade Metropolitana de Maringá (UNIFAMMA), em Maringá, PR, Brasil. Discente e mestrando em Filosofia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil.

Referências

BRUNO, G. Sobre o infinito, o universo e os mundos. Tradução de Helda Barraco e Nestor Deola. SP: Editora Abril Cultural, 1973.

CHALMERS. A. Galileo’s Telescopic Observations of Venus and Mars. British Journal for the Philosophy of Science, Chicago, v. 36, p. 175-183, 1985.

CHALMERS, A. The Galileo that Feyerabend Missed: An Improved Case Against Method. In: SCHUSTER, J; YEO, R. R. (ed.). The Politics and Rhetoric of Scientific Method. Dordrecht: D. Reidel, 1986. p. 1-31.

FEYERABEND, P. K. Adeus à razão. Tradução de Vera Joscelyne. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

FEYERABEND, P. K. Contra o método. Tradução de Cezar Augusto Mortari. 2. ed. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

FEYERABEND, P. K. A Ciência em uma sociedade livre. Tradução de Vera Joscelyne. São Paulo: Editora UNESP, 2011.

FEYERABEND, P. K. Ciência, um Monstro: lições trentinas. Tradução de Rogério Bettoni; Edição, revisão técnica e notas de Luiz Henrique de Lacerda Abrahão. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

HAUGHT, J. A. Holy Horrors: An illustrated history of religious murder and madness. New York: Prometheus, 1990.

LAKATOS, I. The Methodology of Scientific Research Programmes: Philosophical Papers. Edited by John Worrall and Gregory Currie. Cambridge: Cambridge University Press, 1978.

MARICONDA, P. R. O Diálogo de Galileu e a condenação. Cadernos de História e Filosofia da Ciência, Campinas, v. 10, n. 1, p. 77-160, 2000.

OBERHEIM E; HOYNINGEN-HUENE P. Feyerabend’s Early Philosophy. Essay Review of John Preston’s Feyerabend: Philosophy, Science and Society (Cambridge Polity, 1997). Studies in History and Philosophy of Science, [S. I.], v. 31, p. 363-375, 2000.

OBERHEIM, E. Feyerabend’s Philosophy. Quellen Und Studien Zur Philosophie. Berlin: Walter De Gruyte, 2006.

PRESTON, J. Feyerabend: Philosophy, science and society. Cambridge: Polity Press, 1997.

POPPER, K. R. A lógica da pesquisa científica. Tradução de Leonidas Hegenberg, Octanny Silveira da Mota. 2. ed. São Paulo: Cultrix, 2013.

REGNER, A. C. K. P. Feyerabend/Lakatos: “adeus à razão” ou construção de uma nova racionalidade? In: PORTOCARRERO, V. (org.). Filosofia, história e sociologia das ciências I: abordagens contemporâneas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 1994. p. 103-132.

ROSENBERG, A. Philosophy of science: a contemporary introduction. 3rd ed. New York: Routledge, 2012.

ROSSI, P. O nascimento da ciência moderna na Europa. Tradução de Antonio Angonese. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

THOMASON, N. The Power of ARCHED Hypotheses: Feyerabend’s Galileo as a Closet Rationalist. British Journal for the Philosophy of Science, Chicago, v. 45, p. 255-264, 1994.

Publicado
2021-09-02
Como Citar
Prado, J. S. . (2021). A Igreja tinha razão? A irracionalidade de Galileu na visão de Paul Feyerabend. Intuitio, 14(1), e39283. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2021.1.39283
Seção
Artigos