ENTRE FOUCAULT E AGAMBEN

NOTAS SOBRE SEMELHANÇAS E DESCONTINUIDADES

Palavras-chave: Biopolítica, estado de exceção, cuidado de si, uso de si.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar algumas das diferenças teóricas entre Michel Foucault e Giorgio Agamben, primeiramente em plano geral e, posteriormente, a partir de dois pontos chave: o conceito de biopolítica e a ideia de resistência em articulação com a criação da subjetividade para Foucault e a ideia de forma-de-vida em Agamben. Parte-se da ideia de que, embora Agamben denomine-se um continuar da obra de Foucault, apropriando-se, na série Homo sacer, de muitos pontos deixados em aberto pelo autor francês, a originalidade dos desdobramentos efetuados e do uso de outras heranças teóricas fazem com que, aos poucos, Agamben se distancie da obra foucaultiana, rompendo completamente com as teorizações de Foucault, principalmente no último livro da série Homo Sacer, O Uso dos Corpos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karoline Coelho de Andrade e Souza, Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), Ponta Grossa, PR, Brasil.

Mestre em Ciências Sociais Aplicadas pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG/PPGCSA).

Referências

AGAMBEN, G. Altíssima pobreza: regras monásticas e formas de vida. Tradução de Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2014a.

AGAMBEN, G. Bartleby, ou da contingência. Tradução de Vinicius Honesko. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

AGAMBEN, G. Elogio da profanação. In: AGAMBEN, G. Profanações. Tradução de Selvino J. Assman. São Paulo: Boitempo, 2007. p. 65-79.

AGAMBEN, G. Estado de exceção. (Homo sacer II, 1). São Paulo: Boitempo, 2004.

AGAMBEN, G. Homo sacer I: o poder soberano e a vida nua. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

AGAMBEN, G. Ideia da prosa. Tradução de João Barrento. Lisboa: Cotovia, 1999.

AGAMBEN, G. La comunità che viene. Torino: Giulio Einaudi, 1990.

AGAMBEN, G. L’aperto, l’uomo e l’animale. Torino: Bollati Boringhieri, 2002.

AGAMBEN, G. La potenza del pensiero: saggi e conferenze. Vicenza: Neri Pozza Editora, 2005.

AGAMBEN, G. Mezzi senza fine: notte sulla politica. Torino: Bollati Boringhieri, 1996.

AGAMBEN, G. O Homem sem conteúdo. Tradução de Claudio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2a. ed., 2013.

AGAMBEN, G. O Reino e a glória: uma genealogia teológica da economia e do governo (Homo sacer II, 2). Tradução de Selvino J. Assman. Boitempo: 2011.

AGAMBEN, G. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Tradução de Vinicius Nicastro Honesko. Chapecó/SC: Argós, 2009.

AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha (Homo sacer III). Tradução de Selvino J. Assman. São Paulo: Boitempo, 2008a.

AGAMBEN, G. O Uso dos corpos (Homo Sacer IV, 2). Tradução de Selvino J. Assman. São Paulo: Boitempo, 2017.

AGAMBEN, G. Signatura rerum: sur la méthode. Tradução do italiano de Joël Gayraud. Paris: Vrin, 2008b.

ANTELO, R. A negatividade em Giorgio Agamben. Revista Diálogos Mediterrâneos, Curitiba/PR, n. 14, jul. 2018. Disponível em: http://www.dialogosmediterranicos.com.br/index.php/RevistaDM/article/view/312/320. Acesso em: 18 set. 2019.

BRASIL. Lei n. 13.260/2016. Regulamenta o disposto no inciso XLIII do art. 5o da Constituição Federal, disciplinando o terrorismo, tratando de disposições investigatórias e processuais e reformulando o conceito de organização terrorista; e altera as Leis nos 7.960, de 21 de dezembro de 1989, e 12.850, de 2 de agosto de 2013. Diário oficial da União, Brasília, 17 mar. 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13260.htm. Acesso em: 02 mar. 2018.

BENJAMIN, W. Crítica do poder – crítica da violência. In: BENJAMIN, W. Documentos de cultura, documentos de barbárie: escritos escolhidos. Tradução de Seleste H. M. Ribeiro de Souza et al. São Paulo: Cultrix/USP, 1986. p. 160-175.

CASTRO, E. Introdução à Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência. Tradução de Beatriz de Almeida Magalhães. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

CAVA, B.; MENDES, A. A vida dos direitos: violência e modernidade em Foucault e Agamben. Rio de Janeiro: NEPL/AGON Grupo de Estudos, 2008, v. 2 (Revista Filosofia Política do Direito AGON).

COCCO, G. MundoBraz: o devir-mundo do Brasil e o devir-Brasil do mundo. Rio de Janeiro: Record, 2009.

COCCO, G. Exceção e pacificação nas favelas cariocas. In: PILATTI, A.; MATOS, A. S. M. C.; CORRÊA, M. D. C. O estado de exceção e as formas jurídicas. Ponta Grossa/PR: Ed. UEPG, 2017. p. 77-102.

CORRÊA, M. D. C. A vida nua como conceito ético-político: uma genealogia. Captura críptica: direito política, atualidade. Florianópolis/SC, p. 377-381, n.2., v.2, jan/jun. 2010. Disponível em: http://capturacriptica.ccj.ufsc.br/wp-content/uploads/captura_criptica_-_n2v2_completo.pdf. Acesso em: 17 set. 2018.

DELEUZE, G. A Imanência: uma vida.... Educação e Realidade. Tradução de Thomaz Tadeu. Rio Grande do Sul, v. 27, n. 2, p. 10-18, jul./dez. 2002. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/31079. Acesso em: 25 ago. 2018.

DELEUZE, G. Foucault. Tradução de Claudia Sant’Anna Martins. São Paulo: Brasiliense, 1988.

FOUCAULT, M. A coragem da verdade: curso no Collège de France (1983-1984). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

FOUCAULT, M. As malhas do poder (conferência). 1981. In: FOUCAULT, M. Ditos e escritos VIII: segurança, penalidade e prisão. Tradução de Vera Lucia Avellar Pinheiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012. p. 168-188.

FOUCAULT, M. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes. 1a. ed., 4a. tir., 2005.

FOUCAULT, M. Hermenêutica do sujeito: curso no Collège de France (1981-1982). Tradução de Maria Alves da Fonseca e Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 2015a.

FOUCAULT, M. História da sexualidade II: o uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

FOUCAULT, M. História da sexualidade III: o cuidado de si. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 2014a.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica: curso no Collège de France (1978-1979). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS. H. L.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Tradução de Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-250.

FOUCAULT, M. Segurança, território e população: curso no Collège de France (1977-1978). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. Subjetividade verdade: curso no Collège de France (1980-1981). Tradução de Rosemery Costhek Abílio. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2015b.

FOUCAULT, M. Une esthétique de l’existence (entretien avec A. Fontana). Le monde, 15-16 juillet 1984, p. XI. In: FOUCAULT, M. Dits et écrits IV (1980 1988). Paris: Gallimard, 1994.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Tradução de Raquel Ramalhete. 35. ed. Petrópolis/RJ: Vozes, 2008c.

MATOS, A. S. M. C. Esplendor e exceção: entre o golpe de estado permanente e a polícia que vem. Prefácio ao livro de COTTA, F. A. Matrizes do sistema policial brasileiro. Belo Horizonte: Crisálida, 2012.

MATOS, A. S. M. C. Filosofia radical e utopias da inapropriabilidade: uma aposta anárquica na multidão. Belo Horizonte: Fino Traço, 2015.

NASCIMENTO, D. A. Do conceito de inoperosidade no recente vulto de Giorgio Agamben. Cadernos de ética e filosofia política. São Paulo, vol. 2, n. 17, p. 79-101. 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/cefp/article/view/55708. Acesso em: 10 dez. 2019.

NEGRI, A. La fábrica de porcelana: una nueva gramática de la política. Traducción de Susana Lauro. Barcelona: Paidós, 2008.

NEGRI, A. O Copérnico do pensamento. IHU On-line, São Leopoldo/SC, p. 10-12, 27 out. 2013. Disponível em: http://www.ihuonline.unisinos.br/media/pdf/IHUOnlineEdicao81.pdf. Acesso em: 29 ago. 2018.

NEGRI, A. HARDT, M. Empire. Cambridge: Harvard University Press, 2000.

NETO, M. P. Entre a hipérbole e o eufemismo: o debate sobre o estado de exceção no Brasil. In: PILATTI, A.; MATOS, A. S. M. C.; CORRÊA, M. D. C. O estado de exceção e as formas jurídicas. Ponta Grossa/PR: Ed. UEPG, 2017, p. 23-41.

PELBART, P. P. Foucault versus Agamben? Ecopolítica, São Paulo, p. 50-64, n. 5, jan./abr. 2013. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/index.php/ecopolitica/article/view/14983. Acesso em: 24 de ago. 2018.

ROCHA, D. B. Agamben leitor de Foucault: ponderações sobre a biopolítica. Revista Lampejo, Fortaleza/CE, v. 8, n. 1, p. 95-113, jan.-jul. 2019. Disponível em: http://revistalampejo.org/edicoes/edicao-15-vol_8_n_1/08-AGAMBEN_LEITOR_DE_FOUCAULT.pdf. Acesso em: 14 set. 2019.

SCHMITT, C. Teología política. Traducciones do alemão de Francisco Javier Conde y Jorge Navarro Pérez. Madrid: Editorial Trota, 2009.

SOUZA, J. E.; OLIVEIRA, M. S. C S. Oliveira. Considerações sobre o conceito de “Estado de Exceção” em Giorgio Agamben. Revista Intuito. Porto Alegre/RS, vol. 9., n. 1, p. 131-147, jul. 2016. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/intuitio/article/view/22746/14776. Acesso em: 18 jan. 2019. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2016.1.22746

SOUZA, K. C. A.; CORREA, M. D. C. Direitos Humanos que vêm. Lugar comum. Rio de Janeiro, p. 25-45, n. 48 v. 2016.2, ago-dez. 2016. Disponível em: http://uninomade.net/wp-content/files_mf/147096484000Os%20direitos%20humanos%20que%20vêm%20%20Murilo%20Duarte%20Correa%20e%20Karoline%20de%20Andrade%20e%20Souza.pdf. Acesso em: 20 fev. 2018.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
Coelho de Andrade e Souza, K. (2020). ENTRE FOUCAULT E AGAMBEN: NOTAS SOBRE SEMELHANÇAS E DESCONTINUIDADES. Intuitio, 13(2), e37394. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2020.2.37394
Seção
Artigos