Ironia como Destruição da Objetividade em Macbeth: A Tragédia Shakespeariana à Luz da Teoria Estética de Hegel

  • Rodrygo Rocha Macedo Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Ironia, Hegel, Macbeth.

Resumo

O presente trabalho propõe demonstrar a aplicabilidade do conceito de Ironia apresentada por Hegel em seus Cursos de Estética dentro de uma produção artística. Para o artigo em questão, selecionou-se a peça Macbeth, escrita pelo dramaturgo inglês William Shakespeare. A partir do objetivo principal do trabalho ora apresentado, mostrar-se-á que os aspectos violentos e fantasmagóricos da aludida peça são manifestações da ironia no autor. Para auxiliar a execução do tema proposto, far-se-á uso de comentários vertidos da pena do teórico da Literatura Harold Bloom. De igual modo, perceber-se-á que a noção do irônico (das Ironische) em Hegel não se restringe apenas a suas exposições sobre estética, mas guarda semelhanças estruturais com elementos importantes do seu método, como é o caso da noção de “consciência infeliz” presente na Fenomenologia do Espírito.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrygo Rocha Macedo, Universidade Federal do Ceará
Mestrado no Programa de Pós-Graduação de Filosofia da Universidade Federal do Ceará

Referências

BATES, Jennifer Ann. Hegel and Shakespeare on Moral Imagination. New York: State University of New York Press, 2010, 402 pgs.

BLOOM, Harold. The anxiety of influence. New York: Oxford University Press, 1997.

_____________. Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

_____________. Shakespeare: a invenção do humano. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

EGGINTON, William. “Cervantes, Irony and making of reality”. MLN, Volume 117, Number 5, December 2002 (Comparative Literature Issue), pp. 1040-1068 (Article) Johns Hopkins University Press.

FREUD, Sigmund. “Arruinados pelo êxito”. In: Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud – Volume XIV. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1986.

HEGEL, G. W. F. Cursos de estética – Volume I. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

_____________. On Tragedy. Westport (USA): Greenwood Press, 1962.

MONTENEGRO, Maria Aparecida de Paiva. Pulsão de morte e racionalidade no pensamento freudiano. Fortaleza: Editora UFC, 2002.

SAFATLE, Vladimir. Muito longe, muito perto: dialética, ironia e cinismo a partir da leitura hegeliana de O sobrinho de Rameau. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 2, p. 36-55, jan. 2007.

SHAKESPEARE, William. Macbeth. São Paulo: Agir, 2008.

_____________. Macbeth. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.

_____________. Macbeth. Hertfordshire (Great Britain): Wordsworth Editions, 1996.

Publicado
2016-03-28
Como Citar
Macedo, R. R. (2016). Ironia como Destruição da Objetividade em Macbeth: A Tragédia Shakespeariana à Luz da Teoria Estética de Hegel. Intuitio, 9(1), 98-110. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2016.1.20464
Seção
Varia