O paradoxo da liberdade em Santo Agostinho e o estatuto ontológico da vontade frente à presciência divina

  • Matheus Jeske Vahl Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Condição humana, vontade livre e presciência.

Resumo

Santo Agostinho é um dos primeiros autores a apresentar uma reflexão filosófica mais sistematizada sobre a liberdade. Esta se insere no contexto da resolução de diversos problemas, oriundos do choque cultural entre a filosofia greco-romana da antiguidade tardia e o cristianismo, o mais evidente diz respeito à compatibilidade do mal e do pecado na ordem dos seres criados por um Deus sumamente bom e onisciente. Um conceito chave é o de vontade, cunhado em De Libero Arbítrio e desenvolvido também em obras posteriores. A vontade livre consiste no modo próprio de ser do homem na ordem dos seres criados, o pecado não a altera substancialmente, mas acidentalmente, a partir de seu próprio movimento voluntário. O mesmo é previsto por Deus que é presciente, o que na visão do bispo de Hipona não só não interfere no desenvolvimento da liberdade, como por sua Graça, consuma sua efetivação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Jeske Vahl, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Graduado em Filosofia, o autor possui graduação incompleta de teologia, tendo se dedicada a pesquisa em filosofia contemporânea, mais precisamente ao pensamento de Martin Heidegger, há dois anos pesquisa o pensamento de Santo Agostinho, buscando uma relação entre ontologia, ética e antropologia. Possui Mestrado em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas

Referências

AGOSTINHO. O Livre Arbítrio. 3ºed. São Paulo: Paulus, 2008.

______________. Exposición de la Epístola a los Romanos. In: Obras completas de San Agustín. Madrid: BAC, 1983, v. 18.

______________. Retractaciones apud Exposición de la Epístola a los Romanos. In: Obras completas de San Agustín. Madrid: BAC, 1983.

___________. Confissões. In: Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 2004.

____________. A Trindade. 4º ed. São Paulo: Paulus, 2008.

____________. A Cidade de Deus. Petrópolis: Vozes, 2012. v.1 e v.2.

___________. A Vida Feliz. São Paulo: Paulus, 2010.

___________. Solilóquios. São Paulo: Paulus, 2010.

___________. Comentário ao Gênesis. São Paulo: Paulus, 2005.

AYOUB, C. Iluminação trinitária em Santo Agostinho. São Paulo: Paulus, 2011.

BÍBLIA SAGRADA. Edição de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2008.

COSTA, M. Maniqueísmo: História, Filosofia e Religião. Petrópolis: Vozes, 2003.

DUFFY, S. Antropología. In: Diccionario San Agustín: San Agustín a través del tiempo. Alan Fritzgerad (org.). Burgos, Monte Castello, 2001.

DJUTH, M. Voluntad. In: Diccionario San Agustín: San Agustín a través del tiempo. Alan Fritzgerad (org.). Burgos, Monte Castello, 2001.

ERIÚGENA, S. Treatise on Divine Predestinacion. Notre Dame: University of Notre Dame, 2002.

FLACH, K. Introduzione alla Filosofia Medievale. Torino: Einaudi, 1995.

GILSON, E. Introdução ao pensamento de Santo Agostinho. 2º ed. São Paulo: Paulus, 2010.

HEIDEGGER, M. Fenomenologia da vida religiosa. Petrópolis: Vozes, 2010.

LAMBERIGTS, M. Predestinación. In: Diccionario San Agustín: San Agustín a través del tiempo. Alan Fritzgerard (org.). Burgos, Monte Castello, 2001

LETTIERI, G. Agostino D’ Ippona. Torino: San Paolo, 1999.

MENDONÇA, M. e MORAES BARBOSA, D. É possível conciliar presciência divina e liberdade humana: A resposta de Agostinho no De Libero Arbítrio. In: Revista Civitas Agostiniana. Porto, v.1, nº1, p. 59-78, 2012.

MONTAGNA, L. A. A ética como elemento de harmonia social em Santo Agostinho. 2ª ed. Sarandi: Humanitas Vivens, 2009.

MORESCHINI, C. História da Filosofia Patrística. São Paulo: Loyola, 2008.

OLIVEIRA E SILVA. P. Ordem e Mediação: a ontologia relacional de Agostinho de Hipona. Porto Alegre: Letra e Vida, 2012.

Publicado
2015-07-31
Como Citar
Jeske Vahl, M. (2015). O paradoxo da liberdade em Santo Agostinho e o estatuto ontológico da vontade frente à presciência divina. Intuitio, 8(1), 32-45. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2015.1.17324
Seção
Artigos