Liberdade e justiça em Marx: uma argumentação ética contra o individualismo possessivo

  • Ricardo Rojas Fabres (UFPel)
Palavras-chave: Marxismo, Teoria Crítica, Justiça

Resumo

Em contraste com acusações liberais e interpretações ortodoxas do marxismo, este trabalho pretende refutar a ideia de que a relação entre Marx e a Justiça resume-se à tese de que os princípios normativos expressam apenas interesses de classe (Callinicos, 2003). Pretendemos sugerir que tanto a crítica à exploração capitalista quanto o desenho de um novo modelo de organização social expostos por Marx estão baseados em princípios de justiça (Roemer, 2008; Geras, 1984; Elster, 1994). Assim, levando em conta, entre outros aspectos, o perceptível declínio da política de classes (Fraser, 2002), rejeitamos a inevitabilidade histórica do socialismo e passamos a situar o marxismo no centro de um debate sobre diferentes orientações normativas (Cohen, 2008; 2001). Por fim, trabalhamos o conceito de emancipação humana do jovem Marx (1986; 2010), buscando debater a autonomia não como uma compreensão individualista, mas como condição para o livre desenvolvimento coletivo, a partir do múltiplo desenvolvimento das possibilidades humanas (Bottomore, 1983; Marx, 2010). 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-06-13
Como Citar
Rojas Fabres (UFPel), R. (2014). Liberdade e justiça em Marx: uma argumentação ética contra o individualismo possessivo. Intuitio, 7(1), 169-181. https://doi.org/10.15448/1983-4012.2014.1.17294
Seção
Artigos