Culturas negras, memórias e consciência histórica

experiências de história pública

Palavras-chave: Culturas negras, Memórias, Consciência histórica, História pública, Mídias digitais

Resumo

O artigo aborda as experiências do Laboratório de Imagem e Som, vinculado ao Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de São João del-Rei, com base em suas conexões com a História Pública, tendo como destaque dois de seus projetos nucleares: o Memorial Clara Nunes e a Revolta dos escravos de Carrancas. As dimensões teórica e metodológica das narrativas de memórias e culturas negras são então matizadas, abordando as experiências dos projetos com as comunidades em questão. Nessa direção, é destacada a centralidade do compartilhamento e do desenvolvimento da consciência histórica no processo de interação com o público, seja no espaço de memória, seja junto das novas mídias digitais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Ferreira de Andrade, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), São João del-Rei, MG, Brasil.

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF, Niterói, RJ, Brasil), professor da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) em São João del-Rei, MG, Brasil.

Silvia Maria Jardim Brügger, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), São João del-Rei, MG, Brasil.

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF, Niterói, RJ, Brasil), professora da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) em São João del-Rei, MG, Brasil.

Cássia Rita Louro Palha, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), São João del-Rei, MG, Brasil.

Doutora em Comunicação e História pela Universidade Federal Fluminense (UFF, Niterói, RJ, Brasil), professora da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) em São João del-Rei, MG, Brasil.

Referências

ABREU, Martha; MATTOS, Hebe Maria. Jongo: registros de uma história. In: LARA, Silvia Hunold; PACHECO, Gustavo. (Orgs.) Memórias do jongo: As gravações históricas de Stanley Stein, Vassouras, 1949. Rio de Janeiro: Folhas Secas, 2008.

________. Festas e lutas políticas: das festas do 13 de maio às festas do Quilombo de São José da Serra, RJ, 1888-2011. In: ABREU, Martha; XAVIER, Giovana; MONTEIRO, Lívia; BRASIL, Eric. (Orgs.) Cultura Negra: festas, carnavais e patrimônios negros. Niterói: EDUFF, 2018.

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007.

ALBIERI, Sara. História pública e consciência histórica. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira. (Orgs.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011, p.19-28.

ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira. (Orgs.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

ANDRADE, Marcos Ferreira de. Rebelião escrava na Comarca do Rio das Mortes, Minas Gerais: o caso Carrancas. Afro-Ásia, Salvador, n. 21-22, p. 45-82, 1998-1999.

_______. Elites regionais e a formação do estado Imperial brasileiro: Minas Gerais Campanha da Princesa (1799-1850). 2ª Ed. Revista e atualizada. Belo Horizonte: Fino Traço, 2014.

_______. A pena de morte e a revolta dos escravos de Carrancas: a origem da “lei nefanda” (10 de junho de 1835). Tempo, v. 23, n. 2, p. 264-289, Niterói, Mai 2017.

CARVALHO, José Murilo de. O Brasil de Noel a Gabriel. In: CAVALCANTE, Berenice; STARLING, Heloisa; EISENBERG, José. (Orgs.). Decantando a República – Inventário Histórico e Político da Canção Popular Moderna Brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; SP: Fundação Perseu Abramo, 2004.

BRÜGGER, Silvia Maria Jardim. Brasil Mestiço pede a bênção, Mãe África. In: _______. (Org.) O canto mestiço de Clara Nunes. São João del Rei: UFSJ, 2008.

_______. Clara Nunes e as Religiões Afro-brasileiras. In: DAIBERT JÚNIOR, Robert;PEREIRA, Edmilson de Almeida. (Orgs.). No Berço da Noite: Religião e arte em encenações de subjetividades afrodescendentes. Juiz de Fora: Museu de Arte Murilo Mendes, 2012.

FERREIRA, Marieta de Moraes e AMADO, Janaína. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998.

FREIRE. Paulo. Pedagogia do oprimido. 12ª Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GOMES, Angela de Castro. História oral e historiografia: questões sensíveis. São Paulo: Letra e voz, 2020.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

MAYNARD, Dilton Cândido Santos. Sobre tempos digitais: tempo presente, história e internet. In: GONÇALVES, Janice. (Org.) História do tempo presente: oralidade, memória, mídia. Itajaí, SC: Casa Aberta, 2016, p. 77-100.

MEHY, Jose Carlos Sebe Bom; HOLANDA, Fabíola. História oral: como fazer, como pensar. São Paulo: Contexto, 2007.

MELO, Karine Melo. Brasil teve mais de mil pessoas resgatadas do trabalho escravo em 2019. Agência Brasil – Empresa Brasileira de Comunicação, Brasília. 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2020-01/brasil-teve-mais-de-mil-pessoas-resgatadas-do-trabalho-escravo-em#. Acesso em: 23 ago. 2020.

MARTINS, Roberto B. Minas Gerais, século XIX: tráfico e o apego à escravidão numa economia não-exportadora, Estudos Econômicos, São Paulo, v. 13, n 1, p. 181-209. 1983.

MENEZES, Ulpiano T. Bezerra de. A história, cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das ciências sociais. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, v. n. 34, p. 9-24, São Paulo, 1992.

MONTEIRO, Lívia N. A congada é do mundo e da raça negra: memórias da escravidão e da liberdade nas festas de congada e moçambique de Piedade do Rio Grande – MG (1873 – tempo presente). 2016. 265 f. Tese (Doutorado em História). – Departamento de História, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016.

NETO, Oswaldo. O claro canto do Brasil Mestiço. Revista Grande Hotel, ano XXXIV, n. 1715, p. 10, 1981.

NORA, Pierre. Memória colectiva. In: LE GOFF, Jacques; CHARTIER, Roger; REVEL, Jacques. A nova história. Coimbra: Edições Almedina, 1990, p. 451-454.

______. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, 1993.

PRANDI, Reginaldo. Segredos guardados: orixás na alma brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

______. Referências Sociais das Religiões Afro-Brasileiras: sincretismo, branqueamento, africanização. In: CAROSO, Carlos; BACELAR, Jeferson. (Orgs.). Faces da tradição afro-Brasileira: religiosidade, sincretismo, anti-Sincretismo, reafricanização, práticas terapêuticas, etnobotânica e comida. Rio de Janeiro/Salvador: Pallas / CEAO, 2006.

POLLAK, Michael. Memória e identidade social. Estudos Históricos, v. 5, p. 200-212, Rio de Janeiro, 1992.

RICOUER, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alan François et al. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.

RIOS, Ana Lugão; MATTOS, Hebe Maria. Memória do cativeiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

RIBEIRO, João Luiz. No meio das galinhas as baratas não têm razão: a lei de 10 de junho de 1835. Os escravos e a pena de morte no Império do Brasil. 1822-1889. Rio de Janeiro: Renovar, 2005.

RODRIGUES, João Lucas. “Serra dos Pretos”: trajetórias de famílias entre o cativeiro e a liberdade no Sul de Minas (1811–1960). 2013. 242 f. Dissertação (Mestrado em História). – Departamento de Ciências Sociais, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2013.

RÜSEN, Jörn. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Editora UFPR, 2015.

SCHMIDT, Benito Bisso. O historiador-curador: A experiência de realizar uma exposição histórica voltada a públicos diversos In: MAUAD, Ana Maria; ALMEIDA, Juniele Rabelo de; SANTHIAGO, Ricardo. (Orgs.). História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra e Voz, 2016.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel; MARTINS, Estevão de Rezende. (Orgs.). Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: Editora UFPR, 2010.

SLENES, Robert W. Lares negros, olhares brancos: histórias da família escrava no século XIX. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 8, n. 16, p.189-203, 1988.

______. “Malungu, Ngoma vem”!: África coberta e descoberta no Brasil”. In: Redescobrir os Descobrimentos: as descobertas do Brasil. Revista USP, SEd. 12, 1991-1992.

______. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1999.

SOUSA, Kátia Maria de. Jaguara e Palmital: formação e transmissão do patrimônio rural às comunidades remanescentes quilombolas na comarca do Rio das Mortes. 2020. 121 f. Dissertação (Mestrado em História). – Departamento de Ciências Sociais, Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2020.

WEIMER, Rodrigo de Azevedo. “O meu avô me contava”: dinâmicas de circulação da memória do cativeiro entre descendentes de escravos. Osório, século XX. História Oral, v. 13, n. 2, p. 65-87, 2010. https://doi.org/10.51880/ho.v13i2.140

ZAHAVI, Gerald. Ensinando história pública no século XXI. In: ALMEIDA, Juniele Rabêlo de; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (Orgs.). Introdução à história pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011. p. 53-63.

Publicado
2021-08-31
Como Citar
Andrade, M. F. de, Brügger, S. M. J., & Palha, C. R. L. (2021). Culturas negras, memórias e consciência histórica: experiências de história pública. Estudos Ibero-Americanos, 47(2), e38998. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.2.38998
Seção
História Pública na América Latina: mediações do passado, demandas sociais e tempo presente