Livros, gravuras e pinturas na Igreja da Ordem Terceira Carmelita do Recife

apropriações e usos das imagens sacras na América portuguesa

Palavras-chave: Pintura, Gravura, América portuguesa, Carmelitas, Decor

Resumo

É ponto pacífico na historiografia de que as imagens circulavam nos territórios da monarquia pluricontinental portuguesa. Muito se escreveu sobre os usos e as apropriações das gravuras, todavia, poucos explicaram as razões que levaram os pintores na América portuguesa a adotar como tipos iconográficos as gravuras que circulavam no reino de Portugal e seus domínios. O presente artigo busca aprofundar a discussão sobre a circularidade dessas imagens na América portuguesa setecentista tendo como ponto de partida o acervo iconográfico da Igreja da Ordem Terceira Carmelita do Recife, Capitania de Pernambuco, com especial atenção para as obras de João de Deus e Sepúlveda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Cabral Honor, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil.

Doutor em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil; professor adjunto do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil; e orientador de mestrado e doutorado do Programa de Pós-Graduação em História da UnB.

Referências

REIS. In: BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2006.

ACIOLI, Vera Lúcia Costa. A identidade da beleza: dicionário de artistas e artífices do século XIX em Pernambuco.

Recife: Joaquim Nabuco, 2008.

ALMADA, Márcia. Das artes da pena e do pincel: caligrafia e pintura em manuscritos no século XVII. Belo Horizonte: Fino Traço, 2012.

BARTHES, Roland. Essais critique. Paris: Editións du soleil, 2002.

BASTOS, Rodrigo. A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais (1711-1822). São Paulo: EDUSP, 2013.

BAZIN, Germain. Arquitetura religiosa barroca no Brasil. Tradução de Glória Lúcia Nunes. Rio de Janeiro: Record, 1956. v. 1.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulario portuguez & latino: aulico, anatomico, architectonico... Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712-1728. 8 v.

BONNET, Márcia. Entre o artifício e a arte: pintores e entalhadores no Rio de Janeiro setecentista. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 2009.

BRUNAND, Claudine. La Vie de Ia séraphique Mère sainte Thérèse de Jesus, fondatrice dês Carmes Déchaussez & dês Carmelites Déchaussées, en figures & en vers François & Latins. Paris: Gilbert, 1678.

CONCILIUM Constantinopolitanum IV (869-870). In: Documenta Catholica Omnia. Disponível em: http://www.documentacatholicaomnia.eu/03d/0869-0869,_concilium_constantinopolitanum_iv,_documenta_omnia,_en.pdf. Acesso em: 30 jan. 2019.

D’ÁVILA, Santa Teresa. Livro da vida. Tradução de. Marcelo Musa Cavallari. São Paulo: Penguin Classics, 2010.

DEZINGER, Heinrich. Compêndios dos símbolos, definições e declarações de fé e moral. São Paulo: Paulinas, 2007.

FEITLER, Bruno; SOUZA, Evergton Sales (org.). A Igreja no Brasil: normas e práticas durante a vigência das Constituições Primeiras do Arcebispado da Bahia. São Paulo: Unifesp, 2011.

GOMBRICH, Ernest. Los usos de las imagenes: estudios sobre la function social del arte y la comunicación visual. México: Fondo de cultura económica, 2003.

HONOR, André Cabral. A pinacoteca dos irmãos terceiros carmelitas do Recife na Capitania de Pernambuco: revisitando a pintura de Manoel Cláudio Francisco da Encarnação (Séc. XIX). Revista Territórios e Fronteiras, [S. I.], v. 10, n. 1, p. 179-200, jan./jul. 2017.

LEVY, Hannah. A pintura colonial no Rio de Janeiro. Revista do SPHAN, Rio de Janeiro, v. 6, p. 7-80, 1942.

MACHADO, José Alberto Gomes. Novos Enfoques sobre a Arte Luso-Brasileira de Setecentos. In: COLÓQUIO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE, VI, Rio de Janeiro, 2003.

MAHÍQUES, Rafale García. Iconografía e iconología: cuestiones de método. Madrid: Encuentro, 2009. v. 2.

MARIA, Daniellem a Virgine. Speculum Carmelitanum sive historia eliani ordinis fratrum beatissimae virginis mariae de monte carmelo. 2 Tomos. Antuérpia: Michaelis Knobbari, 1680. 2 t.

MARIA, José de Jesus Maria. Thesouro Carmelitano manifesto, e offerecido aos Irmãos, e Irmans da Veneravel Ordem Terceira da Rainha dos anjos, mãi de Deos, Senhora do Carmo, pelo padre apresentado Fr. José de Jesus Maria, Comissario da Mesma Terceira Ordem do Convento do Carmo de Lisboa. Lisboa: Miguel manascal, 1705.

MARTÍN, María José Pinilla. Iconografía de Santa Teresa de Jesus. Tese (Doutorado em História) – Universidad de Vallidolid, Vallidolid, s.d.

MAYAYO, Patricia. Historia das mujeres, historia del arte. 8. ed. Madrid: Cátedra, 2018.

MONTILLA, María Jesús López. El libro de horas: um libro selecto de devoción privada. Madrid: La Ergastula, 2012.

MUÑOZ, Jenny Gonzalez. El império de los Incas: uma canción que retumba entre las altas montañas. Caracas: Fundación Editorial el Perro y la Rana, 2008.

NOCHLIN, Linda. “Why have there been no great women artists?”. In: Artnews. [S. I.], 2015. Disponível em:

https://www.artnews.com/art-news/retrospective/why-have-there-been-no-great-women-artists-4201. Acesso em: 16 abr. 2020.

OLIVEIRA, Andrade Ribeiro de; SANTOS FILHO, Olindo Rodrigues dos; SANTOS, Antonio Fernando Batista dos. O aleijadinho e sua oficina: catálogo das esculturas devocionais. São Paulo: Capivara, 2002.

OLIVEIRA, Carla Mary S. Circulação de artífices no Nordeste colonial: indícios da autoria do forro da igreja do convento de Santo Antônio da Paraíba. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais, [S. I.], ano VI, v. 6, n. 4, p.1-20, out./nov./dez. 2009.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2008.

RIBEIRO, Marília de Azambuja. Livros defesos e bibliotecas privadas no Brasil em finais do século XVI. In: MONTENEGRO, Antonio Torres et al. (org.). História: cultura e sentimento. Outras histórias. Recife: UFPE, 2008.

SÁNCHEZ, Carlos Alberto González. El espíritu de la imagen: arte y religión em el mundo hispánico de la Contrarreforma. Madrid: Cátedra, 2017.

SANTA ANNA, Joseph Pereira de. Chronica dos Carmelitas da Antiga e regular Observância nestes reynos de Portugal, Algarves e, seus domínios. Lisboa: Officina dos herdeiros de Antonio Pedrozo Galram, 1745.

SANTIAGO, Camila Fernanda Guimarães. Usos e impactos de impressos europeus na configuração do universo pictórico mineiro (1777-1830). 2009. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em História, Belo Horizonte, 2009. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/cp114563.pdf. Acesso em: 1 fev. 2011.

SERRÃO, Vitor (coord.). Josefa de Óbidos e o tempo barroco. Lisboa: TLP, 2003.

VIDE, Sebastião monteiro da. Constituições primeiras do arcebispado da Bahia. São Paulo: Typographia de Antonio Louzada Antunes, 1853.

VILLATA, Luiz Carlos. Os clérigos e os livros na segunda metade do século XVIII. Acervo, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1-2, p. 30-42, jan./dez. 1995.

WESTERHOUT, Arnold van. Vita Effigiata dela seráfica virgine S. Teresa di Gesu fondatrice dell’ordine carmelitano scalzo. [S. l.: s. n.], 1716.

ZANINI, Walter. História geral da arte no Brasil. São Paulo: Caminho Editorial, 1983.

Publicado
2021-08-31
Como Citar
Honor, A. C. (2021). Livros, gravuras e pinturas na Igreja da Ordem Terceira Carmelita do Recife: apropriações e usos das imagens sacras na América portuguesa. Estudos Ibero-Americanos, 47(2), e35297. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.2.35297
Seção
Seção Livre