Pensamento político e imprensa brasileira no pós-guerra: democracia e participação popular na visão do Correio da Manhã no Segundo Governo Vargas

Palavras-chave: História, Imprensa, pensamento político

Resumo

O presente artigo irá abordar um tema ainda pouco explorado pela historiografia: o pensamento político da grande imprensa brasileira no “período democrático” do pós-guerra (1946 a 1964). Análises acerca do posicionamento político dos principais jornais do país são bastante frequentes. Todavia, tais trabalhos dedicam-se majoritariamente a procurar identificar a filiação político-partidária dos períodos e as possíveis estratégias de “manipulação de informações”. Em alguns casos, encontramos pesquisas que se dedicam às preferências ideológicas dos impressos, mas, mesmo aqui, prepondera o princípio segundo o qual os jornais seriam apenas reprodutores dos interesses dos grupos e/ou classes sociais que os controlariam. Contrariando esta tendência geral, nosso artigo pretende explorar a visão do jornal Correio da Manhã sobre a democracia política brasileira durante o Segundo Governo Vargas (1951-1954). Nossa intenção não está em identificar o posicionamento do referido periódico sobre a gestão de Getúlio, já bastante explorada pela historiografia. Pretendemos, ao contrário, a partir dos argumentos empregados para avaliar o regime democrático, apresentar o diagnóstico negativo que este importante impresso carioca faz deste regime, indicando, ainda nos anos 50, seu frágil comprometimento com as instituições democráticas vigentes. Como chave de leitura sobre este posicionamento, iremos relacionar a visão do jornal em seus espaços de opinião com as ideias do pensador Azevedo Amaral sobre a política brasileira nos anos 20-30. Recorde-se que Amaral foi importante articulista e editor do Correio e teve grande influência sobre seus principais jornalistas, notadamente Pedro Costa Rêgo, editor do jornal no período estudado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Carlos dos Passos Martins, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre, RS.

Pós-doutor em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil), professor adjunto e coordenador do Curso de Graduação em História e professor do quadro permanente do Programa de Pós-graduação em História da PUCRS.

Referências

AMARAL, Antônio José de Azevedo. O Estado Autoritário e a Realidade Nacional. Rio de Janeiro: José Olympio, 1938.

AMARAL, Antônio José de Azevedo. Getúlio Vargas Estadista. Rio de Janeiro: Irmãos Pongetti Editores, 1941.

AMARAL, Antônio José de Azevedo. O Brasil na Crise Actual. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1934.

AMARAL, Antônio José de Azevedo. Ensaios Brasileiros. Rio de Janeiro: Omena & Barreto, 1930.

Amaral, Azevedo. Renovação Nacional. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1936.

Bobbio, Norberto. Teoria geral da política: a filosofia política e as lições dos clássicos. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

CHAMPAGNE, Patrick. Faire l’opinion. Le nouveau jeu politique. Paris: Minuit, 1990. (Coleção Le Sens Commun).

Constant, Benjamin. Da liberdade dos antigos comparada à liberdade dos modernos. In: Constant, Benjamin et al. Filosofia Política. Porto Alegre: L&PM Editores, 1985. v. 2.

HABERMAS, Jürgen. Mudança Estrutural na Esfera Pública: Investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. n. 76. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984. (Biblioteca Tempo Universitário, Série Estudos Alemães).

HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Martins Fontes, 2003 [1651].

MILL, John Stuart. Ensaio sobre a Liberdade. São Paulo: Editora Escala, 2007.

Mossé, Claude. As instituições gregas. Lisboa: [s. n.], 1985.

ORTEGA Y GASSET, José. A Rebelião das massas. Martins Fontes: São Paulo, 1987.

OSTRENSKY, Eunice. Soberania e representação: Hobbes, parlamentaristas e levellers. Lua Nova, São Paulo, n. 80, p. 151-179, 2010. https://doi.org/10.1590/S0102-64452010000200007.

PITKIN, Hanna Fenichel. Representação: Palavras, Instituições e Ideias. Lua Nova, São Paulo, n. 67, p. 263-269, 2006. https://doi.org/10.1590/S0102-64452006000200003.

ROSANVALLON, Pierre. Le sacre du citoyen Histoire intellectuelle du suffrage universel en France. Paris: Gallimard, 1992.

TOCQUEVILLE, Alexis de. A democracia na América: sentimentos e opiniões: de uma profusão de sentimentos e opiniões que o estado social democrático fez nascer entre os americanos. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Fontes Primárias

A CRISE do Legislativo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 26, jan. 1952. Primeiro Caderno.

A CRISE do PTB. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 23 maio 1952. Primeiro Caderno.

A SEGUNDA fase. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 5 out. 1952. Primeiro Caderno.

ÀS VÉSPERAS da anarquia. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 28 set. 1952. Primeiro Caderno.

AS INSTITUIÇÕES e o governo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 15 jan. 1953. Primeiro Caderno.

COMBATE ao Comunismo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 12 fev. 1953. Primeiro Caderno.

CONTINUE nesse rumo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 09 set. 1953. Primeiro Caderno.

CREPÚSCULO dos Partidos. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 20 fev. 1951. Primeiro Caderno, p. 4

CRISE dos Partidos. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 28 ago. 1953. Primeiro Caderno.

ELITES. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 03 fev. 1953. Primeiro Caderno.

GOVERNO e desgoverno. Correio da Manhã, p. 4, Rio de Janeiro, 18 mar. 1953. Primeiro Caderno.

IMAGINAÇÃO criadora. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 28 ago. 1952. Primeiro Caderno.

INÉPCIA política. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 21 jun. 1952. Primeiro Caderno.

MENSAGEM de Ninguém. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 17 mar. 1953. Primeiro Caderno.

O NOVO Ministério. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 01 jan. 1951. Primeiro Caderno.

O VOTO. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 10 out. 1952. Primeiro Caderno.

PERSONALISMO, Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 09 mar. 1952. Primeiro Caderno.

SATISFEITO, Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 08 ago. 1951. Primeiro Caderno.

SIGNIFICADO das Eleições. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 4, 24 out. 1951. Primeiro Caderno.

Publicado
2020-08-11
Como Citar
Martins, L. C. dos P. (2020). Pensamento político e imprensa brasileira no pós-guerra: democracia e participação popular na visão do Correio da Manhã no Segundo Governo Vargas. Estudos Ibero-Americanos, 46(2), e35228. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2020.2.35228
Seção
Imprensa, cultura e circulação de ideias