Do rio Magdalena ao rio de la Plata

Dois casos de circulação e recepção de ideias da esquerda nas primeiras décadas do século XX

Palavras-chave: Circulação, Ideias da Esquerda, Apropriação, Intelectual-Popular

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever as diferentes maneiras pelas quais a recepção e circulação das ideias de esquerda (liberdade, igualdade, união e
resistência) ocorreram, no marco da mobilidade de dois intelectuais populares
de Brasil e da Colômbia, durante as primeiras décadas do século XX. A partir
de uma perspectiva comparativa, localizarei as formas de circulação através da implantação de escalas espaciais e temporais, estabelecendo ritmos, continuidades e rupturas como elementos constitutivos dos processos de circulação. No caso brasileiro, voltarei à figura de Abilio de Nequete (Fiha, Líbano, 1888 - Porto Alegre, 7 de agosto de 1960). Na Colômbia, identificarei a trajetória de Raúl Eduardo Mahecha (El Guamo, 13 de outubro de 1884 - Bogotá, 17 de julho de 1940). A partir dessa comparação, sustentarei, em termos de hipóteses, que a circulação de ideias no nível individual possibilitou a criação de redes de circulação que possibilitaram sua apropriação dentro dos setores populares. Processo que não foi dado apenas pela força intrínseca das ideias em si, mas pelo carisma dos sujeitos e sua imagem como intelectual-popular. Deste modo, um duplo processo de constituição intelectual e popular foi organizado no âmbito da circulação de ideias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduard Esteban Moreno, Pontifícia Universidade Javeriana (PUJ), Bogotá, Colômbia.

Doctor en História por la Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS, Porto Alegre, RS, Brasil), investigador en Pontificia Universidad Javeriana.

Referências

ARANGO, Carlos. Sobrevivientes de las bananeras. Bogotá: Ecoe, 1985.

ARCHILA, Mauricio. Cultura e identidad Obrera en Colombia. Bogotá: Cinep. 1991.

BADIOU, Alain, et. al. ¿Qué es un pueblo? Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2014.

BARTZ, Frederico Duarte. Solidariedades impressas (1917-1920): o jornalismo operário como forma de ligação entre o movimento operário gaúcho e os trabalhadores organizados do centro do país no período das grandes greves. 2008. Trabajo presentado em el IX Encontro Estadual de História Associação Nacional de História seção Rio Grande do Sul. ANPUH-RS. Julio 2008

BOURDIEU, Pierre. Campo intelectual y Proyecto creador [1976]. In: BOURDIEU, Pierre. Campo de Poder, campo intelectual. Buenos Aires: Montressor, 2002.

BOURDIEU, Pierre. ¿Dijo usted “popular”? In: BADIOU, Alain, et, al. ¿Qué es un pueblo? Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2014, pp: 21-46.

BRANDÃO, Octavio. Combates y batalhas: memorias. Vol: 1, São Paulo: Alfa-Omega, 1978.

CARONE, Edgar. O Marxismo no Brasil (das origens a 1964). Rio de Janeiro: Dois Pontos. 1986.

ESTADO do Rio Grande do Sul. Processo-Crime n.º 1.016. Arquivo Público do Estado. Porto Alegre, 1918.

EVIDENTE, Maximo. A luta. Porto Alegre, 1918. Seudónimo de Abílio de Nequete.

HOBSBAWM, Eric. Bandidos. Barcelona: Critica, 2003.

JAUSS, Hans Robert. Experiencia estética y hermenéutica literaria: ensayos en el campo de la experiencia estética. Madrid: Taurus, 1986.

KOHAN, Néstor. De Ingenieros al Che: ensayos sobre el marxismo argentino y latinoamericano. Buenos Aires: Editorial Biblos, 2000.

MAHECHA, Raúl. El Obrerismo en Girardot. El baluarte. p.1, Sep.1918.

MAHECHA, Raúl. La imprenta del pueblo. El luchador. Nov. 1919.

MAHECHA, Raúl. A la Huelga. Vanguardia obrera. Feb. 1926.

NEQUETE, Abílio. Manifesto da União Maximalista aos operários: do canhão a peste - até que os operários tenham consciência de si próprios... Porto Alegre, 1918.

NEQUETE, Edison. Herança da Luta de Abílio de Nequete. Porto Alegre: Martins Livreiro Editor, 2008.

PETERSEN, Silvia. “O estado e a Revolução de Lênin foi seu livro de cabeceira”. Entrevista realizada a Lenin de Nequete, hijo de Abilio, el 30 de enero de 1997.

PETERSEN, Silvia Regina Ferraz. “Que a união operária seja nossa patria!” História das lutas dos operários gaúchos para construir suas organizações. Santa Maria: UFSM, 2001.

RICOEUR, Paul. Teoría de la interpretación: discurso y excedente de sentido. México: Siglo XXI Editores, 2006.

RICOEUR, Paul. Tiempo y narración. México: Siglo XXI Editores, 2004.

ROSITO, Renata I. H. O pensamento político de Abílio de Nequete. Porto Alegre: PUCRS, Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Ciências Sociais), 1972.

SALLES, Iza. Um cadáver al sol: A História do operário brasileiro que desafiou Moscou e o PCB. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

TORRES, Giraldo Ignacio. María Cano: mujer rebelde. Bogotá: La Rosca. 1972.

TROTSKI, León. Historia de la Revolución Rusa. Buenos Aires: Ediciones RyR, 2012.

VEGA, Renán. Gente muy rebelde: socialismo, cultura y protesta popular. Bogotá: Editorial Pensamiento Crítico. 2002.

YUNIS, José; HERNANDEZ, Carlos. Barrancabermeja: nacimiento de la Clase Obrera. Bogotá: Tres culturas editores, 1986.

Publicado
2021-03-23
Como Citar
Esteban Moreno, E. (2021). Do rio Magdalena ao rio de la Plata: Dois casos de circulação e recepção de ideias da esquerda nas primeiras décadas do século XX. Estudos Ibero-Americanos, 47(1), e35173. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2021.1.35173
Seção
Seção Livre