O Congresso Internacional da Imprensa de Lisboa: a alvorada do jornalismo profissional

Palavras-chave: Historia de la Prensa, Historia cultural, Periodismo, Periodistas, Asociaciones de Prensa, Conferencias Internacionales de Prensa, Democracia, Siglo XX

Resumo

Este é um estudo da história cultural que pretende analisar a importância dos encontros internacionais para a história da imprensa e do jornalismo. Os congressos internacionais e o seu trabalho teórico deram um importante contributo para a exposição e o aprofundamento das questões que, no Congresso de Lisboa, levaram à aprovação de uma diretiva através da qual cada associação nacional deveria promover jornalismo dentro do ensino superior. Centrado nesse evento demonstra-se como, sem perder completamente o sentido de missão, o jornalismo se tornou numa profissão regulamentada, e o jornalista um profissional com direitos e deveres inerentes a essa condição. Em conexão, os primórdios da imprensa como mega-indústria e a posição do jornalista como colaborador no contexto cultural e político global, com todas as associações de classes, as alianças e clivagens sociais que este crescimento provocou ao longo do dia 20 século, foram patenteadas no debate de Lisboa que fundamenta um período particularmente decisivo na evolução da sociedade democrática. Como sintoma de crescimento e adaptação, o debate durante o Congresso cruzou várias posições importantes em relação à evolução do jornalismo, como ideia e conceito, tal como profissão. Para além de ser um contributo para a investigação da história da imprensa e dos seus agentes principais, num capítulo pouco estudado das relações internacionais da imprensa, a relevância deste estudo reside no fato de abrir para os debates e a reflexão atuais ajudando na compreensão das falhas e realizações da contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adelaide Maria Muralha Vieira Machado, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP.

Pós-Doutoranda FAPESP na Universidade de São Paulo.

Referências

BESSA, Alberto. O Jornalismo, Lisboa: Viúva Tavares Cardoso, 1904.

BRAMÃO, Alberto. O Jornalismo, Conferência na AJL. Lisbon: 1899.

BARRERA, Carlos. Transatlantic views on journalism education before and after world war two: two separate worlds? Journalism Studies, Routledge, v. 13, n. 4, p. 534-549. 2012. https://doi.org/10.1080/1461670X.2011.637722.

BJORK, Ulf Jonas. Scrupulous integrity and moderation: the first international organization for journalists and the promotion of professional behavior, 1894-1914. American Journalism, Athens, v. 22, n. 1, p. 95-112, 2005. https://doi.org/10.1080/08821127.2005.10677625.

BUREAU Central des Associations de Presse. Liste des Journalistes inscrits au «Bureau des correspondants», Milan: Impr. del Corriere della Sera, 1898.

CONGRÈS International de la Presse. Compte rendu des travaux du 5éme Congrès International de la Presse. Lisbonne, Bordeaux: Imprimerie G. Gounouilhou, 1899.

CUNHA, Alfredo. Diário de Notícias. A sua fundação e os seus fundadores. Lisboa: Tipografia universal, 1925.

DELPORTE, Christian. Les journalistes en France (1880-1950): naissance et construction d’une profession. Paris: Seuil, 1999.

DEWEY, John. Democracy and education: an introduction to the philosophy of education, The original classic edition. Queensland: Emereo Publishing, 2008.

FEYEL, Gilles. Aux origines de l’identité professionnelle des journalistes : les congrès internationaux des associations de la presse (1894-1914), in L’Identité professionnelle des journalistes, dir. Michel Mathien et Rémy Rieffel, Strasbourg CUEJ, 1995. p. 139-162.

FORDE, Kathy Roberts; FOSS, Katherine. The facts – The color! – The facts. Book History, [s. l.], v. 15, p. 123/151. 2012. https://doi.org/10.1353/bh.2012.0003.

FREIRE, João Paulo (Mário). Escolas de Jornalismo. Porto: Editora Educação Nacional, 1935. p. 51.

FRÖHLICH, Romy; HOLTZ-BACHA, Christina, ed., Journalism educations in Europe and North America: an international comparison, Hampton Press, 2003. Part II, p. 93-135.

HAMELINK, Cee. The politics of the world communications. New Jersey: Wiley-Blackwell, 2011.

KAPLAN, Richard. The rise of objectivity, 1865-1920. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

KUBKA, Jiri; NORDENSTHENG, Kaarle. Useful Recollections: excursion into the history of the International Movement of Journalists. Prague: International Organization of Journalists, 1986.

LIMA, Marcus António Assis; CARDOSO FILHO, Jorge. Jornalismo, Democracia e Educação, Intercom RBCC, São Paulo, v. 35, n. 2, jul./dez. p. 39-60, 2012. https://doi.org/10.1590/S1809-58442012000200003.

LIPPMANN, Walter, Liberty and the news. New York: Dover Publications, 2010.

MIRANDA, Paula Cristina Galvão Mateus. O Jornalismo em Portugal: elementos para uma arqueologia de uma profissão (1865-1925). 2005. 2 v. Tese (Doutorado) - Curso de História, Universidade de Évora, Évora, 2005.

MIRANDA, Paula Cristina Galvão Mateus. De politicos e escritores a jornalistas: jogos de identidade (1865-1925). Lisbon: Chiado Editora, 2014.

SCHUDSON, Michael. Discovery the News: a social history of American newspapers. New York: Basic Books, 1978.

SINDICATO Nazionale fascista dei giornalisti; FEDERAZIONE nazionale della stampa italiana. Statuto dell’ufficio Centrale delle Associazoni di Stampa, Annuario della Stampa Italiana. Roma: Bureau Central des Associations de Presse Federazione Internazionale 1897. p. 500/50.

SOUSA, Jorge Pedro. A discussão sobre a introdução do ensino superior do jornalismo em Portugal. Verso e Reverso, [s. l.], ano XXIII, n. 54, 2009/3. https://doi.org/10.4013/ver.2009.23.54.02.

SOUSA, Jorge Pedro. Eduardo Coelho, um inovador no jornalismo português oitocentista – o caso do Diário de Notícias. In: CABRERA, A. (org.). Jornais, Jornalismo e Jornalistas (séculos XIX-XX), Lisboa: livros horizontes, 2008. p. 53-83.

Publicado
2020-08-11
Como Citar
Machado, A. M. M. V. (2020). O Congresso Internacional da Imprensa de Lisboa: a alvorada do jornalismo profissional . Estudos Ibero-Americanos, 46(2), e34753. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2020.2.34753
Seção
Imprensa, cultura e circulação de ideias