Revista Tipográfica (1888-1890): identidade profissional e condições técnicas nas oficinas tipográficas do Rio de Janeiro.

Palavras-chave: Revista Tipográfica, Luiz da França e Silva, identidade, ser tipógrafo, A Ilustração

Resumo

Os tipógrafos, pela própria natureza da sua atividade, que pressupunha o domínio da leitura, escrita e do processo de produção de impressos, estiveram entre as categorias mais ativas no lançamento de títulos destinados a tratar de questões específicas do seu ofício, além de participarem, fosse como responsáveis e/ou colaboradores, de periódicos que extrapolavam o âmbito das oficinas gráficas e abordavam questões relativas à condição do trabalhador assalariado. Assim, em diferentes latitudes, essa categoria esteve entre as primeiras a organizar-se em associações e a valer-se da imprensa para publicizar suas demandas e leituras de mundo. Nesse artigo, o foco recai sobre a Revista Tipográfica, que circulou no Rio de Janeiro entre 1888 e 1890. Além de inserir a publicação em perspectiva histórica e fornecer um panorama de suas características, trajetória e responsáveis, objetiva-se evidenciar a percepção que os tipógrafos tinham de sua profissão, de que forma se autorrepresentavam e como avaliavam o estágio da arte tipográfica no Brasil, isso num momento em que publicações mais sofisticadas, do ponto de vista da impressão e das imagens, como A Ilustração (Paris, 1884-1892), tinham que ser produzidas além das fronteiras nacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tania Regina de Luca, Universidade Estadual Paulista (Unesp), Assis, SP.

Livre-Docente em História do Brasil pela Universidade Estadual Paulista (Unesp, Assis, SP, Brasil), professora da mesma universidade. Pesquisadora Produtividade do CNPq. Desenvolve pesquisas na área de História da Imprensa, tema sobre o qual publicou vários livros e artigos em revistas especializadas.

Referências

CARVALHO, Alfredo de; TORRES, João Nepomuceno. Anais da imprensa da Bahia. 1º Centenário, 1811-1911. Salvador: Instituto Histórico e Geográfico da Bahia, 2007.

CLAYE, Jules. Manual do aprendiz compositor. 2ª ed. São Paulo: Com-Arte, 2017. Tradução de João Henriques de Lima Barreto.

COSTA, Rafael Maul de Carvalho. Escravizados na liberdade: abolição, classe e cidadania na Corte imperial. Rio de Janeiro: Prefeitura do RJ : Casa Civil : Arquivo Geral da Cidade, 2014.

FONSECA, Vitor Manoel Marques. No gozo dos direitos civis. Associativismo no Rio de Janeiro (1903-1916). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2008.

FREITAS, Afonso Antônio de. A imprensa periódica de São Paulo, desde os seus primórdios em 1823 até 1914. Separata da Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, v. 19, p. 321-1136, 1914.

GONÇALVES, Adelaide; BRUNO, Allyson (org). O trabalhador gráfico. Edição fac-símile. Fortaleza, Editora da UFC, 2002.

GUIMARÃES, Joaquim da Silva Mello. Instituições de Previdência fundadas no Rio de Janeiro. Apontamentos históricos e dados estatísticos. Coligidos e coordenados para serem presentes à primeira sessão quinquenal do Congresso Cientifico Internacional das Instituições de Previdência efetuada em Paris em Julho de 1878. Rio de Janeiro: Tipografia Nacional, 1883.

HAHNER, June E. Pobreza e política: os pobres urbanos no Brasil, 1870-1970. Brasília: UnB, 1993.

MAC CORD, Marcelo; BATALHA, Cláudio. Organizar e proteger. Trabalhadores, associações e mutualismo no Brasil, séculos XIX e XX. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

PANSARDI, Marcos Vinícius. O movimento operário e a república. Estudos de sociologia, Araraquara, SP, v. 5, p. 87-99, 1998

PORTA, Frederico. Dicionário de artes gráficas. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1958.

VITORINO, Artur José Renda. Escravismo, proletários e a greve dos compositores tipógrafos de 1858 no Rio de Janeiro. Cadernos AEL, Campinas-SP, v. 6, n. 10-11, p. 71-106, 1999.

VITORINO, Artur José Renda. Máquinas e operários. Mudança técnica e sindicalismo gráfico. São Paulo e Rio de Janeiro, 1858-1922. São Paulo: Annablume: Fapesp, 2000.

VITORINO, Artur José Renda. Os sonhos dos tipógrafos na corte imperial. BATALHA, Cláudio; SILVA, Fernando Teixeira da; FORTES, Alexandre (org.). Culturas de classe: identidade e diversidade do operariado. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2004, p. 167-203.

Publicado
2020-08-10
Como Citar
Luca, T. R. de. (2020). Revista Tipográfica (1888-1890): identidade profissional e condições técnicas nas oficinas tipográficas do Rio de Janeiro. Estudos Ibero-Americanos, 46(2), e34342. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2020.2.34342
Seção
Imprensa, cultura e circulação de ideias