O Conciliador do Maranhão (1821-1823): um periódico no mundo ibero-americano

Palavras-chave: Imprensa, Política, Independências, Ibero-América, Maranhão

Resumo

O artigo apresenta aspectos relacionados à criação e à consolidação do jornal O Conciliador do Maranhão (1821-1823), um dos mais regulares e longevos do mundo luso-brasileiro. Em seguida identifica, a partir de cartas, extratos de outros periódicos e de sessões das Cortes portuguesas, os espaços que mereceram especial atenção do jornal, com destaque para Pernambuco e a região do Prata, que permitiram ao jornal articular a dinâmica política da capitania/província do Maranhão às experiências políticas diversas, quase sempre tomadas como contraponto para a defesa da monarquia constitucional portuguesa e dos grupos que viabilizavam a existência do jornal. Para explorar tais articulações, prioriza o final do ano de 1821 e início de 1822, tempo de regulamentação das juntas de governo e de eleição na província do Maranhão; e os primeiros meses de 1823, momento de avanço político e militar do projeto de independência concebido a partir do Rio de Janeiro, e que teve como um dos desdobramentos a incorporação da província do Maranhão ao Império do Brasil, em julho de 1823.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Cheche Galves, Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), São Luís, MA

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF, Niterói, RJ, Brasil), professor da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), em São Luís, MA, Brasil.

Referências

ATA da Câmara Geral de 15 de setembro de 1823. Arquivo Nacional (AN). Diversos, cx. 741 A, pct. 24,49.

AVULSOS. Arquivo Público do Estado do Maranhão (APEM). Secretaria do Governo, cx. Diferentes Comissões. Presidente da Província do Maranhão (1821-1888). [S.l.: s.n.], 1888.

BARBOSA, Maria do Socorro Ferraz. Liberais constitucionalistas entre dois centros de poder: Rio de Janeiro e Lisboa. Tempo, Niterói, RJ, v. 12, n. 24, p. 98-125, jan. 2008. https://doi.org/10.1590/S1413-77042008000100006.

BERBEL, Márcia Regina. A Nação como Artefato: deputados do Brasil nas Cortes Portuguesas, 1821-1822. São Paulo: Hucitec: Fapesp, 1999.

BERBEL, Márcia Regina. Pátria e patriotas em Pernambuco (1817-1822): nação, identidade e vocabulário político. In: JANCSÓ, István (org.). Brasil: formação do Estado e da Nação (1780-1850). São Paulo: Hucitec, 2003. p. 345-363.

BERNARDES, Denis Antônio de Mendonça. O patriotismo constitucional: Pernambuco, 1820-1822. São Paulo: FAPESP; Recife: UFPE, 2006.

CARVALHO, Marcus Joaquim Maciel de. Os negros armados pelos brancos e suas Independências no Nordeste (1817-1848). In: JANCSÓ, István (org.). Independência: história e historiografia. São Paulo: Hucitec, FAPESP, 2005, p. 881-914.

CONCESSÃO de 25% de desconto para imprimir o Conciliador (23/12/1821). José Leandro da Silva Sousa. Biblioteca Pública Benedito Leite (BPBL). Manuscrito (Ms.) 239 (245) M1 G2 E9.

(O) CONCILIADOR do Maranhão. São Luís-MA: [s. n.], 1821-1823.

CORREIO Braziliense. Londres. 1822.

COSTA, Yuri; GALVES, Marcelo Cheche. O Epaminondas Americano: trajetórias de um advogado português na Província do Maranhão. São Luís: Café & Lápis; Editora UEMA, 2011.

EDITAL da Junta de Governo autorizando que cidadãos maranhenses prendessem pessoas sem documentos, suspeitas de serem emissárias dos facciosos do Ceará e Piauí, 8/4/1823. Biblioteca Pública Benedito Leite (BPBL). Manuscrito (Ms.) 268 (274) M1 G2 E11.

FONSECA, Bernardo da Silveira Pinto da. Singela e verdadeira narração do começo, progresso e conclusão da Regeneração Política do Maranhão, no glorioso dia 6 de abril de 1821. Sem data e local de impressão. Biblioteca Nacional (BN), Seção de Obras Raras, Col. Benedito Ottoni.

FRANÇA, Wanderson Édipo de. Gente do povo Pernambuco: da Revolução de 1817 à Confederação de 1824. Clio – Revista de Pesquisa Histórica, Recife, n. 33, n. 1, p. 23-44, 2015.

FREGA, Ana. Alianzas y proyectos independentistas em los inicios del “Estado Cisplatino”. In: FREGA, Ana (coord.). Historia Regional e Independencia do Uruguay. Proceso histórico y revisión crítica de sus relatos. Montevideo: Ediciones de la Banda Oriental S.R.L., 2011. p. 19-63.

FREIRE, Manuel Ferreira. Versos dedicados à Memória do Ilmo. e Exmo. Senhor Bernardo da Silveira Pinto [da Fonseca], ex-governador provisório da província do Maranhão, partindo desta cidade para a de Lisboa no 1º de março de 1822. Lisboa: Typografia de Bulhões, 1822. Biblioteca Nacional de Portugal (BNP).

GALVES, Marcelo Cheche. “Ao público sincero e imparcial”: Imprensa e independência na província do Maranhão (1821-1826). São Luís: Editora UEMA: Café e Lápis, 2015.

GALVES, Marcelo Cheche. Entre a transferência da Corte e a Revolução do Porto: a capitania do Maranhão em tempos de transformações políticas no Império português. In: FALCON, Francisco José Calazans; CARVALHO, Marieta Pinheiro de; SARMIENTO, Érica (org.). Relações de poder no mundo ibero-americano: séculos XVIII-XIX. Rio de Janeiro: Autografia, 2019. p. 229-258.

GUERRA, François-Xavier. Modernidad e independencias: ensayos sobre las revoluciones hispánicas. 3 ed. México: FCE, MAPFRE, 2000. 1992.

HERRERO, Fabián. “Un gobierno federal”, “liberal y de princípios”: La experiencia del gobierno de Manuel Sarratea durante el crítico año de 1820. Andes, Salta, v. 21, n. 2, p. 261-293, dez. 2010.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

LAGO, Antônio Bernardino Pereira do. Estatística histórico- geográfica da Província do Maranhão. 2 ed. São Paulo: Siciliano, 2001. 1822.

LESCANO, Mariana Paula. La prensa durante el período rivadaviano: El Argos de Buenos Aires (1821-1825). Almanack [online], Guarulhos, SP n. 9, p.136-152, 2015. https://doi.org/10.1590/2236-463320150910.

LEVATI, Edú Trota. Os periódicos da Independência e suas geografias políticas: estudo do surgimento do Brasil independente e de sua inserção no contexto mundial (1808-1822). 2015. Dissertação (mestrado) - Programa de Pós-Graduação em História Social, Universidade de São Paulo, 2015.

LUSTOSA, Isabel. Insultos impressos: a guerra dos jornalistas na independência (1821-23). São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MOREL, Marco. Pátrias polissêmicas: República das Letras e imprensa na crise do Império português na América. In: KURY, Lorelay (org.). Iluminismo e Império no Brasil: o Patriota (1813-1814). Rio de Janeiro: Fiocruz, 2007. p.15-39. https://doi.org/10.7476/9788575416037.002.

NOTÍCIA do Conciliador do Maranhão. Lisboa: Tipografia de Bulhões, 1822. Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin.

PIMENTA, João Paulo Garrido. Tempos e espaços das independências. A inserção do Brasil no mundo ocidental (1780-1830). São Paulo: Intermeios: USP Programa de Pós-Graduação em História Social, 2017.

PIZARRO, Rodrigo Pinto. Carta de um português emigrado acerca do ex-imperador do Brasil e do seu chamado manifesto. Lisboa: 1832 (Paris, 20/2/1832). Biblioteca Nacional (BN), Seção de Obras Raras.

PROTESTO de lealdade e reconhecimento do povo ao Rei. Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), Col. Instituto Histórico, lata 400, pasta 10, doc. 2.

RIBEIRO, Alexandre Vieira. O comércio de escravos e a elite baiana no período colonial. In: FRAGOSO, João Luís Ribeiro; ALMEIDA, Carla Maria Carvalho; SAMPAIO, Antonio Carlos Jucá de (org.). Conquistadores e negociantes: histórias de elites no Antigo Regime nos trópicos. América lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007. p. 311-335.

SÁ, Maria Elisa Noronha de Sá. Por uma nova ordem de coisas: as reformas rivadavianas na década de 1820 na província de Buenos Aires. Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, v. 7, n. 1, p. 43-60, jan./jun. 2014. https://doi.org/10.22228/rt-f.v7i1.309.

SANTOS, Cristiane Alves Camacho dos. Escrevendo a história do futuro: A leitura do passado no processo de Independência do Brasil. São Paulo: Alameda, 2017.

SCHIAVINATTO, Iara Lis; FERREIRA, Paula Botafogo Caricchio. As rememorações da “bonifácia”: entre a devassa de 1822 e o Processo dos cidadãos de 1824. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 175, n. 462. p. 201-238, jan.-mar. 2014.

SEBASTIÁN, Javier (dir.). Diccionario político y social del mundo ibero-americano. Madrid: Fundación Carolina/ Sociedad Estatal de Conmemoraciones Culturales/Centro de Estudios Políticos y Constitucionales, 2009.

SILVA, Luiz Geraldo; PIMENTA, João Paulo Garrido. Pernambuco, Rio da Prata e a crise do Antigo Regime na América ibérica: o “caso” de Felix José Tavares Lira. Estudos ibero-americanos, Porto Alegre, v. 36, n. 2, p. 312-342, jul./dez. 2010. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2010.2.8766.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. A primeira Gazeta da Bahia: Idade d’Ouro do Brasil. São Paulo: Cultrix, 1978.

SILVA, Maria Beatriz Nizza da. Semanário Cívico. Bahia, 1821-1823. Salvador: EDUFBA, 2008.

TAVARES, Francisco Muniz. Pronunciamento na sessão n. 173 das Cortes Gerais e Extraordinárias da Nação Portuguesa, em 11 de setembro de 1821. DIÁRIO das Cortes Geraes e Extraordinárias da Nação Portugueza. Lisboa: Assembleia da República, 1821, p. 2.219. Disponível em: http://debates.parlamento.pt/?pid=mc. Acesso em: 15 abr.2020.

VIEIRA DA SILVA, Luís Antonio. História da independência da província do Maranhão (1822-1828). 2 ed. Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana, 1972 (Col. São Luís, v. 4). 1862.

ZACHEO, Manoel Paixão dos Santos. Ao Soberano Congresso Nacional, nas Cortes Gerais Extraordinárias e Constituintes da Nação Portuguesa. O Epaminondas Americano sobre a Revolução do Maranhão. Lisboa: J. B. Miranda, 1822. Biblioteca do Itamaraty.

Publicado
2020-08-10
Como Citar
Cheche Galves, M. (2020). O Conciliador do Maranhão (1821-1823): um periódico no mundo ibero-americano. Estudos Ibero-Americanos, 46(2), e34076. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2020.2.34076
Seção
Imprensa, cultura e circulação de ideias