Sexualidade subversiva e performatização dos gêneros a partir dos processos inquisitoriais de Violante Carneiro e Margarida Carneiro

Palavras-chave: Inquisição portuguesa, Gênero, Sexualidade, Práticas mágico-religiosas

Resumo

Em conjunturas desfavoráveis, marcadas pela vigência de um sistema patriarcal e misógino, o interesse em contar com o sobrenatural representou para algumas mulheres uma importante ferramenta de resposta a esse contexto normativo. O universo das relações sociais, o interesse em controlar as vontades de outrem para a realização de enlaces amorosos, incluindo casamentos ou mesmo a salvação das vidas conjugais, foram registrados na documentação inquisitorial, ainda mais quando estiveram associados ao protagonismo almejado pelas mulheres. Este trabalho busca, portanto, investigar, à luz das relações de gênero, as trajetórias de Violante Carneiro e Margarida Carneiro, processadas pelas autoridades da visitação inquisitorial realizada na América portuguesa (1591-1595). Pretende-se, assim, investigar como a sexualidade serviu para essas mulheres como ferramenta de subversão, em que práticas mágico-religiosas foram utilizadas como meio para alcançar autonomia em suas vidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Vinícius Reis, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), Marabá, PA, Brasil

Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil. Professor de História Medieval e Moderna na Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA), em Marabá, PA, Brasil. Doutorado sanduíche na Universidade de Lisboa, em Lisboa, Portugal. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ/FFP), em São Gonçalo, RJ, Brasil. Graduado (Licenciatura e Bacharelado) em História pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Viçosa, MG, Brasil.

Referências

DGA/TT. Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, Processo no 10751. Processo de Margarida Carneiro Magalhães, 1591-1592.

DGA/TT. Tribunal do Santo Ofício, Inquisição de Lisboa, Processo no 12925. Processo de Violante Carneiro, 1591-1594.

BARSTOW, Anne. On Studying Witchcraft as Women’s Story. Historiography of the European Witch Persecutions. Journal of Feminist Studies in Religion, v. 4, n. 2, p. 7-19, 1988.

BARSTOW, Anne. La caza de brujas: história de um holocausto. Málaga: Tikal, 1999.

BELLINI, Lígia. A coisa obscura: mulher, sodomia e Inquisição no Brasil colonial. Salvador: EdUFBA, 1989.

BENNASSAR, Bartolomé. Modelos de la mentalidade inquisitorial: métodos de su “pedagogia del miedo”. In: ALCALÁ, Ángel et al. Inquisición Espanola y mentalidad inquisitorial. Barcelona: Ariel, 1984.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Trad. de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

COSME, João. Tratado de paz entre Portugal e o reino de Fez, Arzila, 8 de maio de 1538. Arquipélago: História, [S. l.], 2ª série, n. XIV - XV, p. 11-29, 2010.

FREYRE, Gilberto. Casa-Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 51. ed. São Paulo: Global, 2006.

FURTADO, Júnia Ferreira. Chica da Silva e o contratador dos diamantes: o outro lado do mito. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

LAQUEUR, Thomas. Inventando o sexo: corpo e gênero dos gregos a Freud. Trad. de Vera Whately. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

MARCOCCI, Giuseppe; PAIVA, José Pedro. História da Inquisição portuguesa: 1536-1821. Lisboa: A esfera dos livros, 2013.

MELLO E SOUZA, Laura de. O Diabo e a Terra de Santa Cruz: feitiçaria e religiosidade popular no Brasil colonial. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MOTT, Luiz. O sexo proibido: virgens, gays e escravos nas garras da Inquisição, Campinas: Papirus, 1988.

MOTT, Luiz. Bahia: Inquisição e Sociedade. Salvador: EdUFBA, 2010.

NORONHA, Tito de; CABRAL, António. Espelho de Casados pelo Doctor João de Barros. 2. ed. conforme a de 1540. Porto: Imprensa Portuguesa, 1624.

PAIVA, José Pedro. Bruxaria e superstição num país sem “caça às bruxas”: 1600-1774. Lisboa: Editorial Notícias, 1997

PINTO, Frei Heitor. Imagem da vida cristã (1563-1572). 2. ed. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1958.

RICH, Adrienne. Heterossexualidade compulsória e existência lésbica. Bagoas - Estudos gays: gêneros e sexualidades, [S. l.], v. 4, n. 05, p. 17-44, nov. 2012.

ROCHA, Cássio Bruno de Araújo. Masculinidades e Inquisição: gênero e sexualidade na América portuguesa. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

VAINFAS, Ronaldo. Casamento, Amor e Desejo no Ocidente cristão. São Paulo: Editora Ática, 1986.

VAINFAS, Ronaldo. Trópico dos pecados: moral, sexualidade e Inquisição no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

Publicado
2020-12-16
Como Citar
Reis, M. V. (2020). Sexualidade subversiva e performatização dos gêneros a partir dos processos inquisitoriais de Violante Carneiro e Margarida Carneiro. Estudos Ibero-Americanos, 46(3), e33775. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2020.3.33775
Seção
Seção Livre