Discursos memoriais lusitanos: representação e instrução das elites (século XVII)

Palavras-chave: Discurso, Nobreza, Elite, Poder

Resumo

O presente artigo analisa um conjunto de discursos de caráter memorial, como sermões fúnebres, panegíricos, tratados, crônicas e epítomes – escritos ao longo do século XVII em Portugal e algumas de suas conquistas. Com base nesses documentos, pretendeu-se interpretar a maneira como as elites do reino e das conquistas compreendiam-se a partir das representações retórico poéticas da ordem política, interpretando suas disposições hierárquicas e espaciais com base em concepções aristotélico-tomistas que, em larga medida, forneciam os fundamentos dos ideais de nobreza e poder régio, adotados tanto pelas elites

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Cristóvão de. Oraçam fúnebre nas exequias annuaes do Serenissimo Rey de Portugal Dom Manoel. Disse-a na Santa Casa da Misericordia desta cidade de Lisboa em 13 de Dezembro de 1655 o P. M. Fr. Christovam de Almeyda, Lisboa, na officina de Antonio Craesbeeck de Mello, 1665. Biblioteca Nacional de Portugal, livro não paginado.

ANDRADE, Francisco Eduardo de. A invenção das Minas Gerais: empresas, descobrimentos e entradas nos sertões do ouro da América portuguesa. Belo Horizonte: Autêntica Editora/Editora PUC Minas, 2008.

BÍBLIA. N. T. Evangelho de São João. In: BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada: contendo o antigo e o novo testamento. Tradução de João Ferreira de Almeida. Rio de Janeiro: Sociedade Bíblica do Brasil, 1966.

BICALHO, Maria Fernanda Baptista. Conquista, mercês e poder local: a nobreza da terra na América portuguesa e a cultura política do Antigo Regime. Almanack Braziliense, São Paulo, n. 2, p. 21-34, 2005. https://doi.org/10.11606/issn.1808-8139.v0i2p21-34.

BRAGA, Bernardo. Sentimentos publicos de Pernambuco na morte do Infante D. Duarte: assistindo o Mestre de Campo General de todo o Estado do Brasil Francisco Barreto, Governador das armas desta Capitania, com a camera & mais Nobreza na Igreja de N.S. de Nazareth Quarta feira, seis de Abril de 1650: offerecidos a Magestade de El Rey Dom Joam Quarto de Portugal pello Padre Frey Bernardo de Braga lente de Theologia Dom Abbade de S. Bento de Pernambuco. Que orou nestes sentimentos, Lisboa: por Domingos Lopes Rosa, 1651. Biblioteca Nacional de Lisboa, livro não paginado.

CARDIM, Pedro. Centralização política e Estado na recente historiografia sobre o Portugal do Antigo Regime. Nação e Defesa, Lisboa, n. 87, p. 129-158, 1998.

CARVALHO, António Moniz de. Traduçam de huma breve conclusão e apologia da Justiça del Rey N. Senhor, & dos motivos de sua felice acclamação, que fez em Latim o Doutor Antonio Moniz de Carvalho Dezembargador da Relação do Porto, & Secretario das duas Embaixadas aos Reynos de Suecia, & Dinamarca impressa em a Cidade, & Corte de Esthocolmia do mesmo Reyno de Suecia, Lisboa: por Jorge Rodriguez: a custa de Lourenço de Queirós, Livreiro do Estado de Bragança 1641.

CASTRO, R. C. G. Negatividade e Participação: A influência do Pseudo Dionísio Areopagita em Tomás de Aquino - Teologia, Filosofia e Educação. 2009. 192 f. Tese (Doutorado) - Curso de Educação, Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CORREIA, João de Medeiros. Panegirico a Andre de Alboquerque Ribafria. Com os elogios que a sua morte se fizeram. Escreveo o D. Joam de Medeyros Correa, Lisboa: na officina de Domingos Carneiro 1661. Biblioteca Nacional de Portugal.

CRAESBEECK, Francisco Xavier da Serra. Espelho da nobreza do Reyno de Portugal. Manuscritos Reservados, [17--?], p. 1. Biblioteca Nacional de Portugal.

FRAGOSO, J., GOUVÊA, M. F., BICALHO, M. F. B. Uma leitura do Brasil colonial. Bases da materialidade e da governabilidade no Império, Revista Penélope, [s. l.], n. 23, 2000, p. 67-88, 2000.

HANSEN, João Adolfo. Para ler as cartas do Pe. Antônio Vieira. Teresa (USP), São Paulo, v. 8/9, p. 264-299, 2008. https://doi.org/10.11606/issn.2447-8997.teresa.2008.116740.

HANSEN, João Adolfo. Barroco, neobarroco e outras ruínas. Destiempos, México, v. 14, n. 3, p.169-215, 2008.

HESPANHA, António Manuel A mobilidade social na sociedade de Antigo Regime. Tempo, Niterói, v. 11, n. 21, p. 121-143, 2006. https://doi.org/10.1590/S1413-77042006000200009.

HESPANHA, António Manuel. As estruturas políticas em Portugal na época moderna. In: TENGARRINHA, José (org.). História de Portugal. 2. ed. São Paulo: UNESP, 2001.

HESPANHA, António Manuel. História das Instituições: Épocas Medieval e Moderna. Coimbra: Almedina, 1982.

KANTOROWICZ, Ernst H. Os dois corpos do rei: um estudo sobre teologia política medieval. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

KRAUSE, Thiago Nascimento. De homens da governança à primeira nobreza: vocabulário social e transformações estamentais na Bahia seiscentista. Revista de História, São Paulo, n. 170, p. 201-232, 2014. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9141.v0i170p201-232.

LUZ, Guilherme Amaral. Produção da concórdia: a poética do poder na América portuguesa (sécs. XVI-XVIII). Varia historia, Belo Horizonte v. 23, n. 38, p. 543-560, 2007. https://doi.org/10.1590/S0104-87752007000200017.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. ‘Ethos’ Nobiliárquico no final do Antigo Regime no final do Antigo Regime: poder simbólico, império e imaginário social. Almanack Braziliense, São Paulo, n. 2, p.4-20, 2005. https://doi.org/10.14195/2183-8925_19_11.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. O “ethos” da aristocracia portuguesa sob a dinastia de Bragança: algumas notas sobre a casa e o serviço ao rei. Revista de História das Ideias, Coimbra, v. 19, p. 383-402, 1997.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Os concelhos e as comunidades. In: HESPANHA, António Manuel (Coord.). História de Portugal: o Antigo Regime (1620-1807). Lisboa: Editorial Estampa, 1998. v. 4.

NIETO SORIA, José Manuel. Apología y propaganda de la realeza em los cancioneiros castellanos del siglo XV: Diseño literario de un modelo político. En La España Medieval, Madrid, n. 11, p. 185-221, 1988.

NIETO SORIA, José Manuel. Fundamentos ideológicos del poder real en Castilla (siglos XIII-XVI). Madrid: Eudema, 1988.

PÉCORA, Alcir. Teatro do Sacramento. São Paulo: Ed. Unicamp, 2008.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da argumentação: a Nova Retórica. Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

PRETO, Antônio Gil. Sentimentos Pella morte do Principe Dom Theodosio Demostrados Pella Nobre Cidade de Goa nas Solemnissimas Exequias q lhe Fez em sua Sé Primacial aos 22 de Dezembro de 1654. Goa, 1654, Torre do Tombo.

SÃO TOMÁS, Miguel de. Sermam que prégou o Padre Mestre Fr. Miguel de S. Thomas nas exequias do serenissimo Rey de Portugal D. Affonso VI celebradas na Sé de Portalegre em 9 de Outubro de 1683, Lisboa: na Off. de Miguel Rodrigues, 1735, Biblioteca Nacional de Portugal.

SIERRA, Juan Lopes. Vida o Panegírico fúnebre al senor Affonso de Furtado Castro do Rio Mendonca. In: SCWARTZ, Stuart B.; PÉCORA, Alcir (org.). As Excelências do Governador: O Panegírico Fúnebre a D. Afonso Furtado, de Juan Lopes Sierra (Bahia, 1676). São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

SILVA, Luís da. Oraçam funebre, que disse D. Frey Luis da Sylva no Convento de N. Senhora de Penha de França, nas exequias do Marquez de Tavora, Lisboa: Antonio Rodriguez d’Abreu, 1674, Biblioteca Nacional de Portugal.

SOUZA, Laura de Mello. O Sol e a Sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

VIEIRA, Antônio. Sermões. Quarta parte. Lisboa: Oficina de Miguel Deslandes, 1689.

ZURARA, Gomes Eanes de. Chronica dos feitos do Conde Dom Pedro de Meneses primeiro Capitão que foi na cidade de Cepta, Lisboa, [1651-1700?], Manuscritos Reservados, Biblioteca Nacional de Portugal.

Publicado
2020-08-03
Como Citar
de Carvalho, G. A. (2020). Discursos memoriais lusitanos: representação e instrução das elites (século XVII). Estudos Ibero-Americanos, 46(2), e31082. https://doi.org/10.15448/1980-864X.2020.2.31082
Seção
Seção Livre