Dossiê 2022.2: Bicentenário da Independência do Brasil (2022)

2021-03-23

Organizadores: Luciano Aronne de Abreu (PUCRS) e João Paulo Avelãs Nunes (Univ. de Coimbra)

O ano de 2022 marca o bicentenário da independência do Brasil, mas esta não será exatamente uma data para se comemorar, mas uma oportunidade para se refletir e fazer um balanço do nosso processo histórico de constituição como nação; dos nossos diferentes regimes e sistemas políticos e suas frequentes ameaças autoritárias; dos limites do nosso desenvolvimento econômico – de suas bases agrárias e do crescimento industrial do país; da desigualdade como padrão recorrente do seu ordenamento social; e da diversidade étnica e cultural do país, em contraponto à nossa recorrente intolerância às diferenças de gênero, raça, sexo e religião.

A esse respeito, deve-se aqui lembrar da lição de Marc Bloch, para quem “a incompreensão do presente nasce fatalmente da ignorância do passado”. Ao mesmo tempo, diz ele, “talvez não seja menos vão esgotar-se em compreender o passado se nada se sabe do presente” (BLOCH, 2001: 65). Em outras palavras, esse é justamente o objetivo do presente dossiê sobre o Bicentenário da Independência do Brasil: olhar para o passado e refletir sobre ele, mas com os pés no presente. Não porque haja qualquer determinação de um sobre o outro, mas porque o presente se constrói a partir das múltiplas experiências que nos chegam do passado, sobretudo da compreensão que podemos ter a respeito delas.

Nesse sentido, serão bem vindos no presente dossiê textos que se proponham a refletir, em perspectiva histórica, sobre o processo de construção política, econômica, social, cultural e identitária da Nação brasileira, suas continuidades e rupturas, convergências e divergências, internas e externas, em relação a si próprio e às demais nações com quem o Brasil mantém (ou manteve) relações diplomáticas.

Encerramento das submissões de artigos e resenhas: 15 de outubro de 2021