Mulheres privadas de liberdade no sistema prisional

Interface entre saúde mental, serviços sociais e vulnerabilidade

Palavras-chave: Prisões, Saúde, Saúde mental, Vulnerabilidade, Direitos humanos

Resumo

O artigo analisa, a partir da perspectiva de uma Equipe de Atenção Básica prisional (EABp), como o ambiente prisional afeta a saúde da população feminina privada de liberdade e quais as principais necessidades em saúde identificadas a partir do cotidiano de trabalho desta equipe. Através de uma pesquisa qualitativa, realizaram-se reuniões de grupo focal com a participação de 10 profissionais de uma EABp implantada em um presido feminino no Sul do Brasil. Por meio da análise temática evidenciou-se que o ambiente prisional pode tanto produzir quanto desencadear ou agravar os problemas de saúde dessa população. A escassa oferta de serviços sociais voltados à educação, ao desporto, ao lazer e à área ocupacional afetam as condições de vida nesse local. São atividades primordiais para a redução dos danos decorrentes do confinamento, pois funcionam como protetoras e promotoras da saúde no cárcere. Tal condição denuncia a fragilidade organizacional e o pouco envolvimento dos órgãos gestores na defesa e garantia dos direitos de cidadania das mulheres presas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Águida Luana Veriato Schultz, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

Doutoranda em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);

Míriam Thais Guterres Dias, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS); professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Renata Maria Dotta, Fundação Escola do Ministério Público (FMP), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre. (UFCSPA); professora da Faculdade de Direito da Fundação Escola do Ministério Público, Porto Alegre (FMP).

Referências

ADORNO, Sérgio; SALLA, Fernando. Criminalidade organizada nas prisões e os ataques do PCC. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 61, p. 7-29, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ea/v21n61/a02v2161.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019. https://doi.org/10.1590/S0103-40142007000300002

AGUIRRE, Carlos. Prisons and prisoners in modernising Latin America. In: BROWN, Ian; DIKOTTER, Frank (org). Cultures of Confinement: A History of the Prison in Africa, Asia, and Latin America, Ithaca: Cornell University Press, 2007. p. 14- 54. https://doi.org/10.7591/9781501721267-005

ARAÚJO, Fábio Alves Ferreira Maia de; NAKANO, Tatiana de Cássia; GOUVEIA, Maria Lígia de Aquino. Prevalência de depressão e ansiedade em detentos. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 8, n. 3, p. 381-390, 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/avp/v8n3/v8n3a10.pdf. Acesso em: 02 set. 2019.

AUDI, Celene Aparecida Ferrari et al. Inquérito sobre condições de saúde de mulheres encarceradas. Saúde debate, Rio de Janeiro, v. 40, n. 109, p. 112- 124, Jun. 2016. Disponível em: http:// www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042016000200112&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 19 maio 2019. https://doi.org/10.1590/0103-1104201610909

BATTAGLIA, Claudia et al. Benefits of selected physical exercise programs in detention: a randomized controlled study. International journal of environmental research and public health, Basel, v. 10, n. 11, p. 5683-5696, 2013. Disponível em: http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.806.3071&rep=rep1&type=pdf. Acesso em: 02 abr. 2019. https://doi.org/10.3390/ijerph10115683

BOSCHETTI, Ivanete (org.). Expropriação e direitos no capitalismo. São Paulo: Cortez, 2018.

BUCKALOO, Bobby J.; KRUG, Kevin S.; NELSON, Koury B. Exercise and the lowsecurity inmate: Changes in depression, stress, and anxiety. The Prison Journal, Thousand Oaks, CA, v. 89, n. 3, p. 328-343, 2009. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/0032885509339508. Acesso em: 02 abr. 2019. https://doi.org/10.1177/0032885509339508

BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Editora Vozes Limitada, 2017.

BOURDIEU, Pierre. Meditações pascalinas. Trad. Sérgio Miceli. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

BRASIL. Portaria GM/MS nº 01 de 02 de janeiro de abril de 2014. Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde das Pessoas Privadas de Liberdade no Sistema Prisional (PNAISP), no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília (DF): MS, 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/pri0001_02_01_2014.html. Acesso em: 28 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento Nacional de informações Penitenciárias: INFOPEN. 2. ed. Brasília, DF: DEPEN, 2018. Disponível em: https://www.justica.gov.br/news/mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf. Acesso em: 26 mar. 2019.

BRASIL. Conselho Nacional de Justiça. Regras de Bangkok: regras das Nações Unidas para o tratamento de mulheres presas e medidas não privativas de liberdade para mulheres infratoras. Brasília: CNJ, 2016. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/uploads/2019/09/cd8bc11ffdcbc397c32eecdc40afbb74.pdf. Acesso em: 22 mar. 2019.

BRAUN, Virginia; CLARKE, Victoria. Using thematic analysis in psychology. Qualitative research in psychology, London, v. 3, n. 2, p. 77-101, 2006. Disponível em: https://uwe-repository.worktribe.com/output/1043060. Acesso em: 16 jun. 2019. https://doi.org/10.1191/1478088706qp063oa

BREILH, Jaime. Las tres ‘S’de la determinación de la vida: 10 tesis hacia una visión crítica de la determinación social de la vida y la salud. In: NOGUEIRA, Roberto Passos. Determinação social da saúde e reforma sanitária. Rio de Janeiro: CEBES; 2010. p. 87-125.

CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa. Clínica e saúde coletiva compartilhadas: teoria Paidéia e reformulação ampliada do trabalho em saúde. In: CAMPOS, Gastão Wagner de Sousa et al. (org.). Tratado de saúde coletiva. São Paulo: Hucitec, 2009. p. 41-80.

CANAZARO, Daniela; ARGIMON, Irani Iracema de Lima. Características, sintomas depressivos e fatores associados em mulheres encarceradas no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, São Paulo, v. 26, p. 1323-1333, 2010. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csp/2010.v26n7/1323-1333/es/. Acesso em 18 ago. 2019. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2010000700011

CONSTANTINO, Patricia; ASSIS, Simone Gonçalves de; PINTO, Liana Wernersbach. O impacto da prisão na saúde mental dos presos do estado do Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 7, p. 2089-2100, 2016. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/csc/2016.v21n7/2089-2100/pt/. Acesso em: 23 out. 2019. https://doi.org/10.1590/1413-81232015217.01222016

DIAS, Camila Caldeira Nunes; DARKE, Sasha. From Dispersed to Monopolized Violence: Expansion and Consolidation of the Primeiro Comando da Capital’s Hegemony in São Paulo’s Prisons. Crime, Law and Social Change, [s. l.], v. 63, n. 5, 2015. Disponível em: https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2810767. Acesso em 18 ago. 2019. https://doi.org/10.1007/s10611-015-9578-2

DIAS, Miriam Thais Guterres. Os profissionais na intersetorialidade para a atenção à saúde e a proteção social: uma revisão narrativa. Sociedade em Debate. (Pelotas), v. 24, n. 1, p. 2 2-40, jan./abr. 2018.

DIUANA, Vilma et al. Saúde em prisões: representações e práticas dos agentes de segurança penitenciária no Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de saúde pública, São Paulo, v. 24, n. 8, p. 1887-1896, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v24n8/17.pdf. Acesso em: 07 mar. 2019. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000800017

ELWOOD, Ruth Martin et al. Incarcerated women develop a nutrition and fitness program: participatory research. International journal of prisoner health, Melbourne, v. 9, n. 3, p. 142-150, 2013. Disponível em: https://www.emerald.com/insight/content/doi/10.1108/IJPH-03-2013-0015/full/html. Acesso em: 02 abr. 2019. https://doi.org/10.1108/IJPH-03-2013-0015

FAZEL, Seena; SEEWALD, Katharina. Severe mental illness in 33,588 prisoners worldwide: systematic review and meta-regression analysis. The British Journal of Psychiatry, London, v. 200, n. 5, p. 364-373, 2012. Disponível em: https://www.cambridge.org/core/journals/the-british-journal-of-psychiatry. Acesso em: 23 set. 2019. https://doi.org/10.1192/bjp.bp.111.096370

FREUDENBERG, Nicholas; HELLER, Daliah. A review of opportunities to improve the health of people involved in the criminal justice system in the United States. Annual review of public health, Palo Alto, v. 37, p. 313-333, 2016. Disponível em: http://www.annualreviews.org/doi/abs/10.1146/annurev-publhealth-032315-021420. Acesso em: 27 ago. 2019. https://doi.org/10.1146/annurev-publhealth-032315-021420

FUNCIA, Francisco Rózsa. Subfinanciamento e orçamento federal do SUS: referências preliminares para a alocação adicional de recursos. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24 n. 12, p. 4405-4415, Dec. 2019. Epub Nov 25, 2019. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232019001204405. Acesso em: 27 ago. 2019 https://doi.org/10.1590/1413-812320182412.25892019

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. 7. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

GOIFMAN, Kiko. Valetes em slow motion: a morte do tempo na prisão: imagens e textos. Campinas: Unicamp, 1998.

GUNTER, Tracy D. et al. Frequency of mental and addictive disorders among 320 men and women entering the Iowa prison system: use of the MINI-Plus. Journal of the American Academy of Psychiatry and the Law Online, Bloomfield Ct, v. 36, n. 1, p. 27-34, 2008. Disponível em: http://jaapl.org/content/jaapl/36/1/27.full.pdf. Acesso em: 08 mar. 2019.

HUMAN RIGHTS WATCH. The State Let Evil Take Over The Prison Crisis in the Brazilian State of Pernambuco. Brazil Events of 2015. New York, NY: Human Rights Watch, 2016. Disponível em: https://www.hrw.org/report/2015/10/19/state-let-evil-take-over/prison-crisis-brazilian-state-pernambuco. Acesso em: 07 jan. 2019.

LAMB, H. Richard; WEINBERGER, Linda E.; GROSS, Bruce H. Community treatment of severely mentally ill offenders under the jurisdiction of the criminal justice system: A review. Psychiatric services, Washington, US, v. 50, n. 7, p. 907-913, 1999. Disponível em: https://ps.psychiatryonline.org/doi/abs/10.1176/ps.50.7.907. Acesso em: 08 ago. 2019. https://doi.org/10.1176/ps.50.7.907

LAURELL, Asa Cristina. A saúde-doença como processo social. Rev. Mex. Cienc. Pol. Soc, México, v. 84, p. 131-157, 1976. Disponível em: https://www3.fmb.unesp.br/sete/pluginfile.php/20541/mod_page/content/4/saudedoenca.pdf. Acesso em: 15 mar. 2019.

LEITE, Maynar Patricia Vorga. No limite: a invenção de si no espaço prescrito e proscrito da prisão, 2012. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social e Institucional) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

MANNOCCI, Alice et al. The relationship between physical activity and quality of life in prisoners: a pilot study. Journal of Preventive Medicine and Hygiene, Parma, IT, v. 56, n. 4, p. 172-175, 2015. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4753818/. Acesso em: 02 abr. 2019.

MATTHEWS, Roger. Pagando el tiempo: una introducción a la sociología del encarcelamiento. Barcelona: Bellaterra, 2003.

MEDEIROS, Roberto Henrique Amorim de. Uma noção de matriciamento que merece ser resgatada para o encontro colaborativo entre equipes de saúde e serviços no SUS. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 25, p. 1165-1184, 2015. Disponível em: https://www.scielosp.org/article/physis/2015.v25n4/1165-1184/pt/. Acesso em: 15 jul.2019.

MICHEL, Laurent. Drug use in prisons: strategies for harm reduction (ANRS-PRIDE Program). Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 7, p. 2081- 2088, July 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n7/1413-8123-csc-21-07-2081.pdf. Acesso em: 19 set. 2019. https://doi.org/10.1590/1413-81232015217.28442015

MINAYO, Maria Cecília de Souza; RIBEIRO, Adalgisa Peixoto. Condições de saúde dos presos do Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 7, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v21n7/1413-8123-csc-21-07-2031.pdf. Acesso em: 26 mar. 2017. https://doi.org/10.1590/1413-81232015217.08552016

NELSON, Meredith et al. The Effects of Moderate Physical Activity on Offenders in a Rehabilitative Program. Journal of Correctional Education, [s. l.], v. 57, n. 4, p. 276, 2006. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/23282802?seq=1. Acesso em: 02 abr. 2019.

ROSANVALLON, Pierre. The society of equals. Harvard University Press, 2013.

SANTOS, Maria Mende et al. Transtorno Mental e Prisão. In: TABORDA, José G. V.; ABDALLAFILHO, Elias; CHALUB, Miguel. Psiquiatria Forense. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2016. p. 585-597

SCHULTZ, Águida Luana Veriato. O apoio matricial como metodologia para o trabalho em saúde no sistema prisional: fatores favoráveis, desfavoráveis e contribuições. 2018. Dissertação (Mestrado em Política Social e Serviço Social) – Programa de Pós-Graduação em Política Social e Serviço Social, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível

em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/182009. Acesso em: 12 jan. 2020. https://doi.org/10.18315/argum..v9i2.15380

SCHULTZ, Águida Luana Veriato et al. Saúde no Sistema Prisional: um estudo sobre a legislação brasileira. Argumentum, Marília, SP, v. 9, n. 2, p. 92-107, 2017. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6092501. Acesso em: 12 jan. 2020.

SIMÕES, Katiuska Gloria. Etnografia na Ala Feminina da Cadeia Pública de Cascavel-PR. Ponto Urbe: Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, São Paulo, n. 14, 2014. Disponível em: https://journals.openedition.org/pontourbe/1691. Acesso em: 26 jul. 2017.

UNODC. Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. Regras Mínimas das Nações Unidas para o Tratamento de Reclusos (Regras de Nelson Mandela). Viena: UNODC, 2015. E-book. Disponível em: https://www.unodc.org/documents/justice-and-prison-reform/Nelson_Mandela_Rules-P-ebook.pdf. Acesso em: 22 mar. 2019.

VALENÇA, Mariana Soares; POSSUELO, Lia Gonçalves; CEZAR-VAZ, Marta Regina; SILVA, Pedro Eduardo Almeida da. Tuberculose em presídios brasileiros: uma revisão integrativa da literatura. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 7, p. 2147-2160, July 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413- 81232016000702147 &script=sci_arttext &tln g=en. Acesso em: 23 out. 2019. https://doi.org/10.1590/1413-81232015217.16172015

VARELLA, Drauzio. Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. El sistema penal en los países de América Latina. In: ARAÚJO, J.M. (org.). Sistema Penal para o Terceiro Milênio. Rio de Janeiro: Revan, 1991. p. 221-236.

ZAFFARONI, Eugenio Raúl. Em busca das penas perdidas: a perda de legitimidade do sistema penal. 5. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2001.

WACQUANT, Loïc. As Prisões da Miséria. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editores, 2001.

WACQUANT, Loïc. The militarization of urban marginality: lessons from the Brazilian metropolis. International Political Sociology, Chichester, v. 2, n. 1, p. 56-74, 2008. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.1749-5687.2008.00037.x/abstract. Acesso em: 19 mai. 2019. https://doi.org/10.1111/j.1749-5687.2008.00037.x

WALMSLEY, Roy. World Prison Population List. 41.th ed. London: International Centre for Prison Studies, 2017. Disponível em: http://www.prisonstudies.org/researchpublications. Acesso em: 17 set. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Status paper on prisons, drugs and harm reduction. Copenhagen: WHO Regional Office for Europe, 2005. Disponível em: http://apps.who.int/iris/handle/10665/107641. Acesso em: 22 mar. 2019.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Health in prisons: a WHO guide to the essentials in prison health. Copenhagen: Organization Regional Office for Europe, 2007. Disponível em: http://www.euro.who.int/__data/assets/pdf_file/0009/99018/E90174.pdf. Acesso em: 22 mar. 2019.

Publicado
2020-12-22
Como Citar
Luana Veriato Schultz, Águida ., Guterres Dias, M. T. ., & Dotta, R. M. (2020). Mulheres privadas de liberdade no sistema prisional: Interface entre saúde mental, serviços sociais e vulnerabilidade. Textos & Contextos (Porto Alegre), 19(2), e36887. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2020.2.36887
Seção
Artigos e Ensaios