Políticas para pessoa com deficiência e as contribuições de Freire e Montessori

Palavras-chave: Pessoas com Deficiência, Pedagogia Montessoriana, Pedagogia Freireana.

Resumo

A temática central deste artigo versa sobre o atendimento das Pessoas com Deficiência, busca-se deste modo inferir sobre algumas contribuições históricas a partir da pedagogia proposta por Paulo Freire e Maria Montessori. Apesar de em estudos preliminares Freire não ter tratado diretamente sobre o tema pessoa com deficiência, traz em suas obras um vasto material que dividiu barreiras entre a educação para poucos e a sua democratização. Freire (2013, p. 47) defende que a Educação é um processo em que o sujeito deve apreender através da sua vivência, não se evolui recebendo conhecimentos prontos, ou seja: “ensinar não é transferir conhecimentos, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção”. Deste modo, permite-se estabelecer uma relação entre a pedagogia de Paulo Freire e a política educacional para as pessoas com deficiência, pois ambas desejam que todas as pessoas da sociedade tenham acesso à política de educação. Já a pedagogia proposta por Maria Montessori está inter-relacionada com a inclusão das pessoas com deficiência, uma vez que seus estudos inicialmente voltaram-se para a educação de crianças com deficiência intelectual.

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jocenir de Oliveira Silva, Universidade Federal do Pampa (Unipampa), São Borja, RS.

Doutor em Serviço Social (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Professor Adjunto da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), no Curso de Serviço Social, em São Borja, RS, Brasil. Componente do Grupo de Pesquisa em Políticas Sociais, Questão Social e Relações de Exploração/Opressão.

Idilia Fernandes, Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades no Rio Grande do Sul (FADERS), Porto Alegre, RS

Doutora em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), em Porto Alegre, RS, Brasil. Assistente Social da Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para Pessoas com Deficiência e com Altas Habilidades no Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, RS.

Luísa Righi Fonseca, Universidade Federal do Pampa (Unipampa), São Borja, RS.

Mestre em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Pampa (Unipampa), em São Borja, RS, Brasil. Assistente Social, especialista em Política de Assistência Social - SUAS pelo Centro Universitário Internacional,
em São Borja, RS, Brasil. Componente do Grupo de Pesquisa em Políticas Sociais, Questão Social e Relações de Exploração/Opressão.

Referências

ANTUNES, Mitsuko Aparecida Makino. O embrião do espírito. In: Viver mente e cérebro. Coleção Memória da Pedagogia Montessori. São Paulo: Duetto Editorial, 2005.

ARIES, Philippe. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zehar, 1981.

BRANDÃO, E.P. Por que não falar em educação inclusiva? In: 25ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd). Caxambu, 2002. Disponível em: http://www.anped.org.br/reunioes/25/texced25.htm Acesso em: 22 de março de 2015.

BRASIL. Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência; Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília: Corde, 2007.

CARDOSO, Marilene da Silva. Educação Inclusiva e diversidade: uma práxis educativa junto a alunos com necessidades especiais. Porto Alegre: Redes Editora, 2008.

DOREA, Gumercindo R. F. Paulo Freire e a educação para todos. 2008. Disponível em: http://www.paulofreire.org/twiki/pub/FPF2008/TrabalhoGumercindoRochaDorea Filho/Proposta_de_trabalho_para_o_forum_paulo_freire_Guga_Dorea_LATINUS.doc. Acesso em: 22 de março de 2015.

FERNANDES, Idília. Relações sociais no convívio com as diferenças e deficiências numa perspectiva histórica. In: LIPPO, Humberto (Org). Sociologia da acessibilidade política das diferenças. Canoas: Ed. ULBRA, 2012.

FLETCHER, Agnes. Ideias práticas em apoio ao Dia Internacional das Pessoas com Deficiência: 3 de dezembro. Traduzido por Romeu Kazumi Sassaki. São Paulo: Prodef/Apade, 1996.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. Saberes necessários à prática educativa. 46ª ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 56ª ed. Rev. e atual. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

GOFFMAN. Ervin. Estigma. Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. Tradução Mathias Lambert. Digitalização 2004. Data da publicação 1891.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. Tradução de Dante Moreira Leite. 7ª edição. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

LOBO, Lilia. Ferreira. Os Infames da História: a instituição das deficiências no Brasil. 1997. 2 Vol. Tese (Doutorado) Departamento de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro 1997.

LUIZ. Danuta Estrufika Cantoia. Rupturas moleculares emancipatórias: A potencialidade da prática do Serviço Social. Tese de Doutorado. PUCSP. 2012.

KALAKUN, Jacqueline. Pessoas com Deficiência. In: OLIVEIRA, Jairo da Luz. (Org.). Políticas Sociais Específicas. 01ed. Canoas: ULBRA, 2010, v. 01, p. 01-144.

KRUPPA, Sonia M. Portella. Sociologia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon/Senac, 2003.

MENDES, Enicéia G. Integração escolar: reflexões sobre a experiência de Santa Catarina. InterAção, Brasília, v.5, n.12, 1994.

MISÉS, R. A criança com deficiência mental: uma abordagem dinâmica. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.

MONTESSORI, Maria. Pedagogia Científica. São Paulo: Flamboyant, 1965.

NICOLAU, Marieta Lúcia Machado. A formação de Maria Montessori. In: Viver mente e cérebro. Coleção Memória da Pedagogia Montessori. São Paulo: Duetto Editorial, p. 6 – 15, 2005.

PEREIRA, Potyara. Política Social. Temas & questões. 2ed. São Paulo: Editora Cortez, 2009.

RUBIO, Claudia Grau. Educación especial: De la integración a la escuela inclusiva. Valencia: Promolibro, 1998.

SASSAKI. Romeu Kazumi. Inclusão. Construindo uma sociedade para todos. 8ª ed. Rio de Janeiro, RJ: WVA, 1997.

SASSAKI, Romeu Kazumi. Atualizações semânticas na inclusão de pessoas: Deficiência mental ou intelectual? Doença ou transtorno mental? Revista Nacional de Reabilitação, ano IX, nº 43, mar./abr. 2005, p. 9-10.

SOARES, Leonardo Humberto. Descobertas arqueológicas no Iraque ajudam a decifrar a evolução da espécie humana. In: Revista NetHistoria, para compreender, registrar e formar.

STAINBACK, Susan; STAINBACK, Willian. Inclusão: Um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas 1999.

TEZZARI, Mauren Lúcia. Educação Especial e Ação Docente: da medicina à educação. 2009. Tese (Doutorado) – UFRGS, 2009.

WERNECK, Claudia. Muito prazer, eu existo. 4.ed. Rio de Janeiro: WVA, 1995.

ZITKOSKI, Jaime. A Pedagogia freireana e suas bases filosóficas. In: Ghiggi, Gomercindo; SILVEIRA, Fabiane; PITANO, Sandro. Leituras de Paulo Freire: contribuições para o debate pedagógico contemporâneo. Pelotas, Seiva: 2007. p. 229-248.

Publicado
2020-05-26
Como Citar
de Oliveira Silva, J., Fernandes, I., & Righi Fonseca, L. (2020). Políticas para pessoa com deficiência e as contribuições de Freire e Montessori. Textos & Contextos (Porto Alegre), 19(1), e36611. https://doi.org/10.15448/1677-9509.2020.1.36611
Seção
Artigos e Ensaios