Não sou/ não curto: sentidos midiatizados de masculinidade, feminilidade e classe social nos discursos de apresentação do aplicativo Grindr

  • Rafael Grohmann Universidade de São Paulo / Faculdade Cásper Líbero / FIAM-FAAM - Centro Universitário
Palavras-chave: midiatização, tecnologia, identidade

Resumo

O artigo se propõe a compreender os discursos de apresentação (ou “perfis”) de usuários do aplicativo Grindr, utilizado principalmente por gays do sexo masculino com finalidade de relacionamento. O que nos interessa saber é: quais os perfis para ser um “sujeito de sucesso” no Grindr e como circulam os sentidos de masculinidade, feminilidade e classe social nos discursos e como esses sentidos revelam hegemonias e resistências circulantes na sociedade? Para tanto, o texto abordará as tecnologias como um lugar de hegemonias, distinções e embates, bem como a midiatização das identidades culturais e os cenários das sociabilidades nas metrópoles contemporâneas. Os usuários, em sua maioria, apresentam em seus perfis, enunciados com os dizeres “não sou” ou “não curto”, expressando discursivamente sua identidade a partir da negação do “outro”, colocado como inferior.

Biografia do Autor

Rafael Grohmann, Universidade de São Paulo / Faculdade Cásper Líbero / FIAM-FAAM - Centro Universitário

Doutorando em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo - USP. Professor dos cursos de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero e do FIAM-FAAM – Centro Universitário. Membro do Centro de Pesquisas em Comunicação e Trabalho (CPCT-ECA/USP) e do Grupo de Pesquisa Teorias e Processos da Comunicação (FCL). Coordenador do Grupo de Pesquisa “Jornalismo, Mercado de Trabalho e Novas Linguagens” (FIAM-FAAM / CNPq). E-mail: [email protected]

Referências

Agamben, G. O que é um dispositivo? In: O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó/SC: Argos, 2009, p. 25-54.

Aidar Prado, J. L. Convocações Biopolíticas dos Dispositivos Comunicacionais. São Paulo: Educ, 2013.

ANDREJEVIC, M. Tornando-se drones: vigilância móvel e sensoriamento remoto. Revista Parágrafo. V. 1, n. 3, jan/jun 2015.

Bagno, M. Preconceito Linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Ed. Loyola, 1999.

BAKHTIN, M./ VOLOCHINOV. Marxismo e Filosofia da Linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. São Paulo: Hucitec, 2010.

Bauman, Z. Globalização. Rio de Janeiro: Zahar, 1999.

PMCid:PMC28186

Bauman, Z. Amor Líquido. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

Blikstein, I. Kaspar Hauser ou a fabricação da realidade. São Paulo: Cultrix, 2003.

Boltanski, L.; Chiapello, È. O Novo Espírito do Capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

Bourdieu, P. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007.

Bourdieu, P. A Dominação Masculina. Rio de Janeiro: BestBolso, 2014.

Butler, J. Imitation and Gender Insubordination. In: ABELOVE, H.; BARALE, M.; HALPERIN, D. The Lesbian and Gay Studies Reader. New York: Routledge, 1993.

Carvalho, C. A. Jornalismo, Homofobia e Relações de Gênero. Curitiba: Appris, 2012.

CASAQUI, V. Por uma teoria da publicização: transformações no processo publicitário. Significação. São Paulo, n. 36, 2011, p. 131-151.

Couldry, N.; Hepp, A. Conceptualizing mediatization: contexts, traditions, arguments. Communication Theory, v. 23, Issue 3, 2013, p. 191-201. http://dx.doi.org/10.1111/comt.12019

Downing, J. Mídia Radical: rebeldia nas comunicações e movimentos sociais. São Paulo: Ed. SENAC, 2002.

EHRENBERG, A. O Culto da Performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida/SP: Ideias e Letras, 2010.

Enne, A. L. "E daí?", "pronto, falei!", "confesso": artimanhas discursivas de qualificação e desqualificação do gosto e da distinção. In: Congresso Internacional de Comunicação e Consumo (Comunicon) - 2011. São Paulo: Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), 2011, p. 1-14.

Fausto Neto, A. Como as linguagens afetam e são afetadas na circulação? In: BRAGA, José Luiz; FERREIRA, Jairo; FAUSTO NETO, Antonio; GOMES, Pedro Gilberto (org.). 10 Perguntas para a Produção de Conhecimento em Comunicação. São Leopoldo/RS: Ed. Unisinos, 2013, p. 43-64.

Fiorin, J. L. Linguagem e Ideologia. São Paulo: Ática, 2007.

PMid:18002064

FOUCAULT, M. História da Sexualidade: vol. I – a vontade de saber. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FUCHS, C. Social Media: a critical introduction. London: Routledge, 2014. http://dx.doi.org/10.1177/0163443713511886

Fuchs, C. Culture and Economy in the Age of Social Media. New York: Routledge, 2015.

García Canclini, N. Diferentes, Desiguais e Desconectados. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2005.

Ginzburg, C. O Queijo e os Vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

Gramsci, A. Cadernos do Cárcere – Vol. 5. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

GROHMANN, R. O que o campo da comunicação tem a dizer sobre classes sociais? Revista Intexto. N. 31, 2014.

Hall, S. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. São Paulo: DP&A, 2006.

HENDERSON, L. Love and Money: queer, class and cultural production. New York: NY Press, 2013. http://dx.doi.org/10.18574/nyu/9780814790571.001.0001

HEPP, A.; KROTZ, F. (org.) Mediatized Worlds: culture and society in a media age. London: Palgrave, 2014. http://dx.doi.org/10.1057/9781137300355

Hjarvard, S. A Midiatização da Cultura e da Sociedade. São Leopoldo/RS: Ed. Unisinos, 2014.

Jenkins, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2008

JENKINS, H. O Selfie de Jenkins. Entrevista concedida a Rafael Grohmann. Revista Parágrafo. V. 1, n. 3, jan/jun 2015.

Jenkins, H.; Green, J.; Ford, S. Cultura da Conexão: criando valor e significado por meio da mídia propagável. São Paulo: Aleph, 2014.

Magalhães, R. O que é imoralidade? São Paulo: Brasiliense, 1991.

Maingueneau, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2008.

MARSIAJ, J. Gays ricos e bichas pobres: desenvolvimento, desigualdade socioeconômica e homossexualidade no Brasil. Cadernos AEL. V. 10, n. 18/19, 2010.

MARTINS FILHO, T. Novas formas de sociabilidade nas metrópoles contemporâneas: uma investigação acerca do uso do Grindr. Revista Parágrafo, n. 2, v. 2, 2014.

Marx, K.; Engels, F. A Ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo, 2010.

Miskolci, R. O Armário Ampliado: notas sobre sociabilidade homoerótica na era da Internet. Gênero, v. 9, n. 2, p. 171-190, 2009.

MORLEY, D. Media, Modernity and Technology: the geography of the new. London: Routledge, 2007. http://dx.doi.org/10.4324/9780203413050

NAYAR, P. K. An Introduction to New Media and Cybercultures. Chicester: Wiley-Blackwell, 2010.

Pinto, A. V. O Conceito de Tecnologia – Volume I. Rio de Janeiro: Contraponto, 2005.

Schlichter, A. Queer at last? Straight intellectuals and the desire for transgression. GLQ: a journal of gay and lesbian studies. V. 4, n. 10, p. 543-564, 2004.

Sedgwick, E. K. Epistemology of the Closet. Hemel Hempstead: Harvester Wheatsheaf, 1991.

Shirky, C. Cultura da Participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

Silverstone, R. Por que estudar a mídia? São Paulo, 2002.

PMCid:PMC339614

Storey, J.; McDonald, K. Media Love: intimacy in mediatized worlds. In: HEPP, A.; KROTZ, F. (org.) Mediatized Worlds: culture and society in a media age. London: Palgrave, 2014. http://dx.doi.org/10.1057/9781137300355.0020 http://dx.doi.org/10.1057/9781137300355_13

TRINDADE, E.; PEREZ, C. Dimensões do consumo midiatizado. In: II Confibercom. Anais do Confibercom. Braga: Universidade do Minho, 2014, p. 1-10. http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-5057.v6i1p1-5 http://dx.doi.org/10.11606/issn.1984-5057.v6i2p147-150

Turkle, S. Alone Together. New York: Basic Books, 2011.

Williams, R. Cultura e Materialismo. São Paulo: Ed. UNESP, 2011

Wolton, D. Internet, e depois? Uma teoria crítica das novas mídias. Porto Alegre: Sulina, 2003.

Wolton, D. Informar Não é Comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010

Žižek, S. O espectro da ideologia. In: ŽIŽEK, Slavoj (org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996, p. 39-50

Publicado
2016-09-21
Seção
Artigos