Primeiras notas sobre o teor testemunhal em Ela e a reclusão

O condenado poderia ser você, de Vera Tereza de Jesus

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1984-7726.2022.1.43221

Palavras-chave:

teor testemunhal, escrita de cárcere, Ela e a reclusão, Vera Tereza de Jesus

Resumo

Partindo do pressuposto de que em toda literatura é possível identificar teor testemunhal (SELIGMANN-SILVA, 2003a), o presente artigo tem o objetivo de explanar as primeiras considerações sobre pesquisa referida ao testemunho na obra Ela e a reclusão: o condenado poderia ser você (1965), de Vera Tereza de Jesus. Ao apresentar a publicação, retomamos pontos importantes acerca do seu contexto de produção (PENTEADO, 2018), tentando compreender alguns elementos ausentes na própria forma material do livro. Além disso, trazemos questões necessárias, ainda que iniciais, sobre a relação entre o teor testemunhal e a narrativa de cárcere de Vera Tereza, partindo de uma problematização do título da obra e de marcas temporais nos enunciados dessa escrita autobiográfica fortemente definida pelas opressões de gênero e pelas violências do Estado brasileiro. Com a reflexão empreendida, concluímos que é possível observar a forma como a narrativa dá forma ao tempo e ao teor testemunhal, imbricando passado, presente e futuro na escrita que é possível à autora. Conforme diz, o texto traz a realidade da sua vida, inscrita no crime, na violência, no desamparo, no abandono, e essa sua realidade é a mesma história de muitas outras pessoas figurada na sua pessoa. Seu texto antecipa todos os escritos referidos como literatura marginal de cárcere, os quais protagonizaram a cena editorial brasileira no início dos anos 2000, ganhando ainda mais relevância por fugir do padrão branco-burguês da época em que foi escrita, em plena ditadura civil-militar; a obra de Vera Tereza se mostra, então, como um acontecimento na historiografia literária brasileira. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Iost Vinhas, Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Pelotas, RS, Brasil.

Doutora em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; mestre em Letras pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel), em Pelotas, RS, Brasil. Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil, e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), em Pelotas, RS, Brasil. 

Referências

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. Campinas: Pontes, 1988.

CORONEL, Luciana Paiva. A escrita contemporânea do cárcere: história e literatura na voz da margem sobre a cidade. Mouseion, Canoas, n. 20, p. 33-43, abr. 2015.

CORONEL, Luciana Paiva. Gênero e encarceramento: as vozes e o silêncio das presidiárias autoras. In: GOMES, Gina Maria (org.). Alteridades em trânsito: estética e representação na narrativa brasileira do século XXI. Porto Alegre: Metamorfose, 2018. p. 222-239.

JESUS, Vera Tereza de. Ela e a reclusão: o condenado poderia ser você. 1. ed. São Paulo: Edições “O Livreiro”, 1965.

JESUS, Vera Tereza de. Ela e a reclusão: o condenado poderia ser você. 2. ed. São Paulo: Edições “O Livreiro”, 1967.

JESUS, Vera Tereza de. Ela e a reclusão: o condenado poderia ser você. 3. ed. São Paulo: Edições “O Livreiro”, [197-].

PENNA, João Camillo. Este corpo, esta dor, esta fome: notas sobre o testemunho hispano-americano. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003. p. 297-350.

PENTEADO, Gilmar. A árvore Carolina Maria de Jesus: uma literatura vista de longe. Estudos de literatura brasileira contemporânea, Brasília, n. 49, p. 19-32, set./dez., 2016.

PENTEADO, Gilmar. Estética da vida no limite: autenticidade, ponto de vista interno, testemunho e valor literário em Quarto de despejo. 2018. 356 f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018.

RIBAS, João Carvalhal. Memorial. São Paulo: USP, 1969.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Introdução. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003a. p. 7-44.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. O testemunho: entre a ficção e o “real”. In: SELIGMANN-SILVA, Márcio (org.). História, memória, literatura: o testemunho na era das catástrofes. Campinas: Editora da UNICAMP, 2003b. p. 371-386.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

TRAJANO, Gih. Quem saberia perder. São Paulo: Selin Trovoar, 2021.

WACQUANT, Loïc. As prisões da miséria. Tradução de André Telles. 2. ed. ampl. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

Downloads

Publicado

2022-11-17

Como Citar

Vinhas, L. I. (2022). Primeiras notas sobre o teor testemunhal em Ela e a reclusão: O condenado poderia ser você, de Vera Tereza de Jesus. Letras De Hoje, 57(1), e43221. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2022.1.43221

Edição

Seção

DOSSIÊ LITERATURA – LITERATURA DO CONFINAMENTO