A escrevivência de Conceição Evaristo como estratégia político-discursiva de resistência

Uma leitura da tessitura poético-corporal-negra em “Olhos d’água”

Palavras-chave: Escrevivência, Conceição Evaristo, Literatura afro-brasileira, Corpos negros, Resistência

Resumo

Este artigo se propõe a analisar a poética de Conceição Evaristo - escrevivência - como performance de uma corporalidade negra, marcada por traumas e cicatrizes herdados de uma cultura de colonização escravocrata. Objetivamos mostrar como a escrevivência opera uma contranarrativa em face de uma história monocultural e monorracional, alterando a perspectiva e o protagonismo das experiências e memórias narradas. Para tanto, adotamos como referente literário desta abordagem a obra “Olhos d’água”, cuja leitura e análise permitem concluir que a escrevivência é uma estratégia político-discursiva de resistência e promove a desconstrução de imagens e alteração dos lugares reservados aos corpos negros, sob perspectivas epistemicidas e eurocêntricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Pereira Queiroz Pimenta Ferreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Belo Horizonte, MG, Brasil

Doutora em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), em Belo Horizonte, MG, Brasil; mestre em Filosofia Social e Política pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil; bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), bem como em Direito, pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), em Belo Horizonte, MG, Brasil; professora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Luísa Consentino de Araújo, Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), Piracicaba, SP, Brasil.

Bacharel em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP), em Piracicaba, SP, Brasil.

Maria Luiza Simplicio Rodrigues, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Graduanda em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Yanca Abreu Câmara, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), em Belo Horizonte, MG, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Silvio. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de história: edição crítica. Organização e tradução Adalberto Müller e Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Alameda, 2020. E-book. Disponível em: https://ler.amazon.com.br/?asin=B08KYG44CT. Acesso em: 19 mar. 2021.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis e Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

DIAS, Luciana de Oliveira. Reflexos no Abebé de Oxum: por uma narrativa mítica insubmissa e uma pedagogia transgressora. Articulando e Construindo Saberes, Goiânia, v. 5, 20 out. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5216/racs.v5i.63860. Acesso em: 12 mar. 2021.

DUARTE, Eduardo de Assis. Escrevivência, Quilombismo e a tradição da escrita afrodiaspórica. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (org.). Escrevivência: a escrita de nós. Reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020. p. 74-94.

DUARTE, Eduardo de Assis. Por um conceito de literatura afro-brasileira. Rassegna iberistica, Veneza, v. 37, n. 102, p. 259-279, dez. 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14277/2037-6588/29p. Acesso em: 5 dez. 2020

EVARISTO, Conceição. Gênero e etnia: uma escre(vivência) de dupla face. In: MOREIRA, Nadilza Martins de Barros; SCHNEIDER, Liane (org.). Mulheres no mundo: etnia, marginalidade, diáspora. João Pessoa: Idéia: Editora Universitária UFPB, 2005. Livro não paginado.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 13, n. 25, p. 17-31, jul./dez. 2009. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/scripta/article/view/4365/4510. Acesso em: 5 dez. 2020.

EVARISTO, Conceição. Literatura negra: uma voz quilombola na literatura brasileira. In: PEREIRA, Edimilson de Almeida (org.). Um tigre na floresta de signos: estudos sobre poesia e demandas sociais no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2010a. Livro não paginado.

EVARISTO, Conceição. Conceição Evaristo por Conceição Evaristo. In: DUARTE, Constância Lima (org.). Escritoras mineiras: poesia, ficção, memória. Belo Horizonte: FELE/UFMG, 2010b. p. 11-17.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2017.

EVARISTO, Conceição. Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (org.). Escrevivência: a escrita de nós. Reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020a. p. 48-54.

EVARISTO, Conceição. A escrevivência e seus subtextos. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (org.). Escrevivência: a escrita de nós. Reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020b. p. 26-46.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Escrevivência: sentidos em construção. In: DUARTE, Constância Lima; NUNES, Isabella Rosado (org.). Escrevivência: a escrita de nós. Reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte, 2020. p. 58-73.

GOMES, Heloisa Toller. “Minha mãe sempre costurou a vida com fios de ferro”. In: EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2017. p. 9-11.

GONZALEZ, Lélia. A mulher negra na sociedade brasileira: Uma abordagem político-econômica. In: GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organização Flavia Rios e Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020a. p. 49-64.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. In: GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Organização Flavia Rios e Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020b. p. 75-93.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Organização e revisão técnica Arthur Ituassu. Tradução de Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: PUC-Rio: Apicuri, 2016.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Tradução de Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MELO, Alfredo Cesar B. de. O texto e o pacto: estratégias discursivas em Casa-grande & senzala para pactuar a democracia racial. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, v. 1, n. 77, p. 108-125, 2020. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rieb/article/view/178745. Acesso em: 7 dez. 2020.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

RAMOS, Guerreiro. Patologia Social do “Branco” Brasileiro. In: RAMOS, Guerreiro. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1995. p. 215-240. REPRESENTAR. In: Michaelis, Dicionário Brasileiro da Língua Portuguesa. São Paulo, 2021. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/representar. Acesso em: 13 mar. 2021.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

RODRIGUES, João Carlos. O negro brasileiro e o cinema. Rio de Janeiro: Pallas, 2006.

RUFINO, Luiz. Pedagogia das encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019.

SANTANA, Roseli Gomes. A imagem do negro nas artes visuais do Brasil: Virada de paradigma, desafios e conquistas no ensino de história e cultura afro-brasileira. Sinergia, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 123-133, 31 dez. 2017. Disponível em: https://ojs.ifsp.edu.br/index.php/sinergia/article/view/305. Acesso em: 14 mar. 2021.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Decolonial, des-outrização: imaginando uma política pós-nacional e instituidora de novas subjetividades. In: DUARTE, Luisa (org.). 21ª Bienal de Arte Contemporânea Sesc_Videobrasil: Comunidades Imaginadas – Leituras. São Paulo: Sesc: Associação Cultural Videobrasil, 2019. p. 20-44.

SELIGMANN-SILVA, Márcio. Narrar o trauma: a questão dos testemunhos de catástrofes históricas. Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 65-82, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-56652008000100005. Acesso em: 10 dez. 2020.

WERNECK, Jurema. Introdução. In: EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas, 2017. p. 13-14

Publicado
2021-11-09
Como Citar
Ferreira, L. P. Q. P., Araújo, L. C. de ., Rodrigues, M. L. S. ., & Câmara, Y. A. (2021). A escrevivência de Conceição Evaristo como estratégia político-discursiva de resistência: Uma leitura da tessitura poético-corporal-negra em “Olhos d’água”. Letras De Hoje, 56(2), 251-261. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2021.2.40482
Seção
O Conto Brasileiro Contemporâneo de Autoria Feminina