Discurso romanesco e discurso de memórias

Leitura de A república dos sonhos e de Coração andarilho

Palavras-chave: Discurso romanesco, discurso memorialístico, Nélida Piñon.

Resumo

A leitura de Coração Andarilho, lançado em 2009, evoca a leitura do romance A república dos sonhos, obra de 1984. Na memória do leitor, o paralelismo pode parecer muito marcado. A Nélida memorialista traz à lembrança a personagem escritora Breta. Em que medida a experiência de vida de Nélida é aproveitada na construção de Breta pode ser, do ponto de vista factual, uma curiosidade, mas não é uma questão literária. O que se intentará apreender nesta abordagem é como funciona a constituição discursiva romanesca e a memorialista. As relações estabelecidas com o referencial não são da mesma ordem. O discurso ficcional e o discurso memorialístico serão examinados, buscando semelhanças e diferenças, no intuito de apreender os recursos que permitem criar a verdade ficcional. O aporte teórico mais consistente é buscado em Ricoeur, seja quanto à reciprocidade entre narratividade e temporalidade (1994), seja quanto ao modo de funcionamento da memória e da imaginação (2007).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marilene Weinhardt, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR.

Doutora em Letras pela USP (1994), professora titular aposentada de Literatura Brasileira - UFPR, professora sênior do Programa de Pós-Graduação em Letras – UFPR, bolsista Produtividade em Pesquisa 1D (CNPq). Foi presidente da ABRALIC (gestão 2009-2011) e é líder do Grupo de Pesquisa (CNPq) “Estudos sobre ficção histórica no Brasil”. Além de artigos em periódicos especializados e capítulos de livros, versando particularmente sobre ficção histórica brasileira contemporânea, publicou: O Suplemento Literário d’O Estado de S. Paulo – 1956-67. Subsídios para a história da crítica literária no Brasil (Brasília: INL, 1987); Mesmos crimes, outros discursos? Algumas narrativas sobre o Contestado (Curitiba: Editora da UFPR, 2000).

Referências

MAURA, Antonio. A viagem pela Península Ibérica. Entrevista com Nélida Piñon. Revista de Estudios Brasileños. Madrid, v. 3, n. 4, p. 161-170, 2016/1. Disponível em: http://revistas.usal.es/index.php/2386-4540/article/view/reb201634161169/18920 Acesso em: 10 maio 2018. https://doi.org/10.14201/reb201634161170

MUSSA, Alberto. A emersão de Atlântida. In: PIÑON, Nélida. A república dos sonhos. Edição comemorativa 30 anos. Rio de Janeiro: Record, 2015. p. 7-26.

PIÑON, Nélida. A república dos sonhos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1984.

PIÑON, Nélida. A república dos sonhos. Edição comemorativa 30 anos. Rio de Janeiro: Record, 2015.

PIÑON, Nélida. Coração andarilho. 2. ed. Rio de Janeiro: Record, 2013.

PIÑON, Nélida. Livro das horas. Rio de Janeiro: Record, 2012.

PIÑON, Nélida. Vozes do deserto. Rio de Janeiro: Record, 2004.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François, Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2007.

RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. Trad. Constança Marcondes Cesar. Campinas, SP: Papirus, 1994. v. 1.

Publicado
2020-08-31
Como Citar
Weinhardt, M. (2020). Discurso romanesco e discurso de memórias: Leitura de A república dos sonhos e de Coração andarilho. Letras De Hoje, 55(2), e36551. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2020.2.36551
Seção
Seção Livre