Precisamos de mais de 50.000 palavras no léxico ortográfico para ler?

Palavras-chave: Decodificação. Leitura. Traços invariantes das letras. Valores dos grafemas no Português Brasileiro escrito. Níveis hierárquicos.

Resumo

Proponho-me explicar o processamento da decodificação na leitura, a partir dos momentos que a precedem (escolha do que ler, da pré-leitura, do momento da fixação, quando os cones abarcam de 3 a 4 letras à esquerda à do centro do olhar e de 7 a 8 à direita, até quando manchas são pulverizadas e depois transformadas em traços invariantes. Ocorre, então, uma convergência, e os traços invariantes tanto da área V4 esquerda, quanto da direita, são enviados para a área occípito-temporal ventral esquerda: é quando tem início o reconhecimento de quais, quantos e como se combinam os traços invariantes que diferenciam uma letra de outra. Enfatizo uma diferença bastante negligenciada nos modelos de processamento da leitura, entre o reconhecimento das letras e o dos grafemas. Demonstro que aquele independe da língua em que o texto foi escrito, enquanto o valor, ou fonema é a razão de ser do grafema, pois ele o representa na escrita. Apresento os valores independentes do contexto grafêmico, que os grafemas do Português Brasileiro (PB) escrito têm, bem como vários casos de previsibilidade dos valores dependentes do contexto grafêmico ou através da metalinguagem e/ou do contexto textual morfossintático e semântico. Procuro falsear a existência de um léxico ortográfico para a decodificação de palavras, como condição para seu reconhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonor Scliar-Cabral, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC

 

Professora Emeritus, Dra, Professora Titular (Aposentada).
Professora colaboradora do Programa de Pós-Graduação em
Linguística da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, Brasil.


 

Referências

BÜHLER, Karl. Teoría del lenguaje. Madri: Revista del Occidente, 1950.

COULTHEART, Max. Modelando a leitura: a abordagem da dupla rota. In: SNOWLING, Margaret J.; HULME, Charles (org.). A ciência da leitura. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 24-4.

DEHAENE-LAMBERTZ, Ghislaine; HERTZ-PANNIER, Lucie; DUBOIS, Jessica; MÉRIAUX, Sebastian; ROCHE, Alexis; SIGMAN, Mariano; DEHAENE, Stanislas. Functional organization of perisylvian activation during presentation of sentences in preverbal infants. PNAS, Washington, DC, v. 103, n. 38, p. 14240-14245, set. 2006. Publicado online: 19 set. 2006. Disponível em: https://www.pnas.org/content/103/38/14240. Acesso em: 30 nov. 2018. https://doi.org/10.1073/pnas.0606302103

DEHAENE, Stanislas. Os neurônios da leitura. Como a ciência explica a nossa capacidade de ler. Consultoria, tradução e supervisão L. Scliar-Cabral. Porto Alegre: Penso, 2012.

DEHAENE, Stanislas. A aprendizagem da leitura modifica as redes corticais da visão e da linguagem verbal. Adaptação de L. Scliar-Cabral. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 48, n. 1, p. 148-152, jan./ mar. 2013.

DE SAUSSURE, Ferdinand de; BALLY, Charles ; SECHEHAYE, Albert; RIEDLINGER, Albert. Cours de linguistique générale. Paris: Payot, 1922.

DING, Nai; MELLONI, Lucia; ZHANG, Hang; TIAN, Xing; POEPPEL, David. Cortical tracking of hierarchical linguistic structures in connected speech. Nature Neuroscience, Rockville Pike, Bethesda MD, EUA, v. 19, n. 1, p. 158-164, jan. 2016. Publicado online: 7 dez. 2015. Disponível em:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4809195/. Acesso em: 30 nov. 2018. https://doi.org/10.1038/nn.4186

FORSTER, Kenneth I.; CHAMBERS, Susan M. Lexical access and naming time. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, Amsterdã, v. 12, n. 6, p. 627-635, 1973. Disponível em: https://doi.org/10.1016/S0022-5371 (73)80042-8. Acesso em: 30 nov. 2018. https://doi.org/10.1016/S0022-5371(73)80042-8

FRIEDERICI, Angela D. Towards a neural basis of auditory sentence processing. Trends in Cognitive Sciences, Amsterdã, v. 6, n. 2, p.78-84, 2000. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/7872392_Friederici_A_D_Towards_a_neural_basis_of_auditory_sentence_processing_Trends_Cogn_Sci_6_78-84. Acesso em: 30 nov. 2018. https://doi.org/10.1016/S1364-6613(00)01839-8

GOUGH, Philip B. One second of reading: postscript. In: SINGER, Harry; RUDDELL, Robert B. (org.), Theoretical models and processes of reading. 3. ed. Newark, DE: International Reading Association, 1985, p. 687-688.

GOUGH, Philip B. One second of reading: a model. Studihippo. Disponível em: https:// study hippo.com/onesecond- of-reading-a-model-by-philip-gough/. Acesso em: 24 nov. 2018.

POEPPEL, David. We do have a grammar in our head. Max- Planck-Gesellschaft, Dec. 8, 2015. Disponível em: https://www.mpg.de/9785401/ internal-grammar. Acesso em: 30 nov./2018. Publicação original: DING, N. et al. Cortical tracking of hierarchical linguistic structures in connected speech. Nature Neuroscience. Rockville Pike, Bethesda MD, EUA, v. 19, n. 1, p. 158-164, jan. 2016. https://doi.org/10.1038/nn.4186

RUDDELL, Robert B.; UNRAU, Norman J. Reading as a meaning-construction process: The reader, the text, and the teacher. In: RUDDELL, R. B.; RUDDELL, M. R.; SINGER, H. (org.). Theoretical models and processes of reading. 4. ed. Newark, DE: International Reading Association, 1994. p. 996-1056.

RUMELHART, David. E. Toward an interactive model of reading. San Diego: Center for Human Information Processing, University of California, 1976.

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Sistema Scliar de Alfabetização: Fundamentos. Florianópolis: Editora Lili, 2013. SMITH, Frank. Understanding reading: A psycholinguistic analysis of reading and learning to read. 7. ed. Mahwah,

New Jersey: Lawrence Erlbaum, 2005.

TAFT, Marcus. Readings and the mental lexicon. Hove, UK: Lawrence Erlbaum, 1983.

VIANA, A. R. G. Ortografia Nacional. Simplificação e uniformização das ortografias portuguesas. Lisboa: Livraria Editora Viúva Tavares Cardoso, 1904.

Publicado
2019-11-06
Como Citar
Scliar-Cabral, L. (2019). Precisamos de mais de 50.000 palavras no léxico ortográfico para ler?. Letras De Hoje, 54(2), 122-131. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.2.34510
Seção
Processamento da decodificação e da compreensão da leitura: