Pistas dos processos de decodificação que levam à compreensão da leitura

Palavras-chave: Leitura em voz alta. Compreensão leitora. Diagnóstico.

Resumo

A fluência em leitura em voz alta pode repercutir nos resultados de avaliações em larga escala que avaliam a proficiência na compreensão em leitura. Experiências internacionais sugerem que o diagnóstico dos processos de decodificação com automaticidade possibilita o desenvolvimento dos processos de compreensão, solução que pode ser adotada no sistema educacional brasileiro. O objetivo deste texto é apresentar uma proposta de diagnóstico de perfil de leitor quanto à compreensão a partir do controle da fluência em leitura em voz alta, considerando as pistas de processos de automaticidade na decodificação que levam à compreensão da leitura. Seguimos o método Curriculum-Based Measurement (DENO, 2003) para a avaliação da fluência em leitura em voz alta e testamos o instrumento com estudantes de 6º e 9º ano de escolas públicas de Sergipe.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Pereira Gomes Machado, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Professora na Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, Brasil.

Raquel Meister Ko. Freitag, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professora na Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, Brasil

Referências

ABREU, Kátia Nazareth Moura et al. O teste de Cloze como instrumento de medida da proficiência em leitura: fatores linguísticos e não linguísticos. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 25, n. 3, p. 1767-1799, 2017. https://doi.org/10.17851/2237-2083.25.3.1767-1799

ALMEIDA, Ayane Nararela Santos; FREITAG, Raquel Meister Ko. Análise do diagnóstico do desempenho em leitura: Provinha Brasil vs. fluência em leitura oral. Signo, Santa Cruz do Sul, v. 37, n. 63, p. 98-110, 2012.

ALMEIDA, Vanessa Borges. Pausas preenchidas e domínios prosódicos: evidências para a validação do descritor fluência em um teste de proficiência oral em língua estrangeira. ALFA: Revista de Linguística, São Paulo, v. 53, n. 1, p. 167-193, 2009.

ALVES, Luciana Mendonça; REIS, César Augusto da Conceição; PINHEIRO, Ângela Maria Vieira; CAPELLINI, Simone Aparecida. Aspectos prosódicos temporais da leitura de escolares com dislexia do desenvolvimento. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 197-204, 2009. https://doi.org/10.1590/S1516-

AQUINO, Maria de Fátima de Souza. Uma proposta de tipologia de erros de leitura: análise sociolinguística e cognitiva. 2011, 156 p. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa. 2011.

BISOL, Leda. Os constituintes prosódicos. In: BISOL, Leda (org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. Porto Alegre: EdiPUCRS, p. 243-255, 1996.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Parábola, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Brasil no PISA 2015: análises e reflexões sobre o desempenho dos estudantes brasileiros. São Paulo: Fundação Santillana, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ensino Fundamental: Terceiro e Quartos Ciclos: Língua Portuguesa. Brasília: SEF, 1998.

CASTANHEIRA, António José Alexandre. Avaliação da fluência da leitura oral em alunos do 5º ano de escolaridade. 2011, 49 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade de Lisboa, Lisboa, 2011.

COELHO, Joana Rita Quaresma. Estimulação da fluência oral: proposta de actividades e estudo exploratório. 2010, 54 p. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010.

COLLUS, Jorge André Rocha Alves Soveral. Impacto da fluência de leitura e da metacompreensão na compreensão da leitura. 2015, 28 p. Dissertação (Mestrado Integrado em Psicologia) – Universidade do Minho, Braga, 2015.

COLTHEART, Max; RASTLE, Kathleen; PERRY; Conrad; LANGDON, Robyn; ZIEGLER, Johannes. DRC: a dual route cascaded model of visual word recognition and reading aloud. Psychological review, v. 108, n. 1, p. 204, 2001. https://doi.org/10.1037//0033-295X.108.1.204

COLTHEART, Max. Modelando a leitura: a abordagem da dupla rota. In: SNOWLING, Margaret J.; HULME, Charles (org.). A Ciência da Leitura. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 24-41.

DEHAENE, Stanislas. Os neurônios da leitura. Porto Alegre: Penso, 2012.

DENO, Stanley L. Developments in curriculum-based measurement. The Journal of Special Education, New York, n. 37, v. 3. p. 184-192, 2003. https://doi.org/10.1177/00224669030370030801

EFKLIDES, Anastasia. Metacognition: Defining its facets and levels of functioning in relation to self-regulation and co-regulation. European Psychologist, London, v. 13, n. 4, p. 277-287, 2008. https://doi.org/10.1027/1016-9040.13.4.277

EHRI, Linnea C. O desenvolvimento da leitura imediata de palavras: fases e estudos. In: SNOWLING, Margaret J.; HULME, Charles (org.). A ciência da leitura. Porto Alegre: Penso Editora, 2013. p. 153-172.

FREITAG, Raquel Meister Ko; PINHEIRO, Bruno Felipe Marques; SILVA, Lucas Santos. Análise variacionista de pausas preenchidas em fronteiras de constituintes. In:

FREITAG, Raquel Meister Ko, LUCENTE, Luciana (org.). Prosódia da fala. São Paulo: Blucher, 2017, p. 117-132. https://doi.org/10.5151/9788580392593-07

FREITAG, Raquel Meister Ko; SÁ, José Júnior de Santana. Leitura em voz alta: variação linguística e o sucesso na aprendizagem inicial da leitura. No prelo (2019).

FRITH, Uta. Beneath the surface of developmental dyslexia. Surface dyslexia, [s. l.], v. 32, n.1, p. 301-330, 1985. https://doi.org/10.4324/9781315108346-18

FUCHS, Lynn S.; FUCHS, Douglas; HOSP, Michelle K. Oral reading fluency as an indicator of reading competence: A theoretical, empirical, and historical analysis. Scientific studies of reading, London, v. 5, p.3, p. 239-256, 2001. https://doi.org/10.1207/S1532799XSSR0503_3

GOODMAN, Kenneth S. Reading: a psycholinguistic guessing game. Journal of the Reading Specialist, London, v. 6, n. 4, p. 126-135, 1967. https://doi.org/10.1080/19388076709556976

HASBROUCK, Jan; TINDAL, Gerald A. Oral reading fluency norms: A valuable assessment tool for reading teachers. The Reading Teacher, Newark, Del., US: v. 59, n. 7, p. 636-644, 2006. https://doi.org/10.1598/RT.59.7.3

KOMENO, Eliana Matiko; ÁVILA, Clara Regina Brandão de; CINTRA, Isa de Pádua; SCHOEN, Teresa Helena. Velocidade de leitura e desempenho escolar na última série do ensino fundamental. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 32, n. 3, p. 437-447, 2015. https://doi.org/10.1590/0103-166X2015000300009

LABERGE, David; SAMUELS, S. Jay. Toward a theory of automatic information processing in reading. Cognitive psychology, New York, v. 6, n. 2, p. 293-323, 1974. https://doi.org/10.1016/0010-0285(74)90015-2

LABOV, William. Sociolinguistics patterns. Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 1972.

LOGAN, Gordon D. Automaticity and reading: Perspectives from the instance theory of automatization. Reading & Writing Quarterly: Overcoming Learning Difficulties, London, v. 13, n. 2, p. 123-146, 1997. https://doi.org/10.1080/1057356970130203

MACHADO, Alessandra Pereira Gomes. Variação linguística e leitura: fenômenos variáveis da fala na leitura em voz alta. A Cor das Letras, Feira de Santana, BA, v. 19, n. 4, p. 196-218, 2018a. https://doi.org/10.13102/cl.v19i4Especial.2867

MACHADO, Alessandra Pereira Gomes. Fluência em leitura oral e compreensão em leitura: automaticidade na decodificação para a compreensão leitora. 2018, 209 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão. 2018b.

MORAIS, José; LEITE, Isabel; KOLINSKY, Régine. Entre a pré-leitura e a leitura hábil: Condições e patamares da aprendizagem. In: MALUF, Maria Regina; CARDOSOMARTINS, Cláudia (org.). Alfabetização no século XXI: Como se aprende a ler e a escrever. São Paulo: Penso, 2013, p. 17-48.

MORAIS, José. A arte de ler. São Paulo: EdUNESP, 1996.

MOUTINHO, Michaell Gadelha. A Precisão na Fluência em Leitura Oral: avaliando a leitura de alunos do 6º ano do ensino fundamental. 2015, 112 p. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Pará, Belém. 2015.

OAKHILL, Jane; HARTT, Joanne; SAMOLS, Deborah. Levels of comprehension monitoring and working memory in good and poor comprehenders. Reading and writing, Dordrecht, NL: v. 18, n. 7-9, p. 657-686, 2005. https://doi.org/10.1007/s11145-005-3355-z

OLIVEIRA, Elisangela R.; AMARAL, Shirlene Betrice G.; PICANÇO, Gessiane. Velocidade e precisão na leitura oral: identificando alunos fluentes. Nonada: Letras em Revista, Porto Alegre, v. 2, n. 21, p. 1-13, 2013.

OLIVEIRA, Elisangela Ribeiro de. A Estratégia da Velocidade na Fluência em Leitura Oral: um diagnóstico em seis escolas da região metropolitana de Belém. 2015, 90 p. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Pará, Belém 2015.

OLIVEIRA, Miguel. Pausing strategies as means of information processing in spontaneous narratives. In: SPEECH PROSODY 2002: INTERNATIONAL

CONFERENCE. 2002. [Proceedings] […]. [S. l.: s. n., [2002?].

PERFETTI, Charles; LANDI, Nicole; OAKHILL, Jane. A aquisição da habilidade de compreensão da leitura. In: SNOWLING, Margaret J.; HULME, Charles (Org.). A Ciência da Leitura. Porto Alegre: Penso, 2013, p. 245-265 https://doi.org/10.1080/10888438.2013.827687

PERFETTI, Charles; STAFURA, Joseph. Word knowledge in a theory of reading comprehension. Scientific Studies of Reading, London, v. 18, n. 1, p. 22-37, 2014.

PICANÇO, Gessiane Lobato; VANSILER, Nair. A prosódia e a leitura fluente. Gragoatá, Niterói, v. 19, n. 36, p. 157-174, 2014.

PINHEIRO, Bruno Felipe Marques, et al. Processos fonológicos que passam da fala para a leitura. In: AZEVEDO, Isabel Cristina Michelan; ROIPHE, Alberto (org.). Leitura, escrita e literatura: interseções e convergências. São Cristóvão: EdUFS, 2017. p. 10-25.

RASINSKI, Timothy V. Commentary: Speed does matter in reading. The Reading Teacher, Newark, Del., US, v. 54, n. 2, p. 146-151, 2000. https://doi.org/10.1598/JAAL.49.1.3

RASINSKI, Timothy. Creating fluent readers. Educational Leadership, Washington, US, v. 61, n. 6, p. 46-51, 2004.

RASINSKI, Timothy V. et al. Is reading fluency a key for successful high school reading? Journal of Adolescent & Adult Literacy, Newark, Del., US, v. 49, n. 1, p. 22-27, 2005.

RASINSKI, Timothy V. et al. The relationship between a silent reading fluency instructional protocol on students’ reading comprehension and achievement in an urban school setting. Reading Psychology, Newark, Del., US, v. 32, n.1, p. 75-97, 2011. https://doi.org/10.1080/02702710903346873

SCARPA, Ester Mirian; FERNANDEZ-SVARTSMAN, Flaviane. A estrutura prosódica das disfluências em português brasileiro. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v. 54, n. 1, p. 25-40, 2012. https://doi.org/10.20396/cel.v54i1.8636969

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Princípios do sistema alfabético do português do Brasil. São Paulo: Contexto, 2003. SIM-SIM, Inês; VIANA, Fernanda Leopoldina. Para a avaliação do desempenho de leitura. Lisboa: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação, 2007.

SMITH, Frank. Understanding reading: A psycholinguistic analysis of reading and learning to read. New York: Routledge, 2004.

TRISTÃO, Flora Saudan Correia. Avaliação da fluência de leitura oral em alunos de 2º ano do 1º ciclo. 2009, 46 p. Dissertação (Mestrado Integrado em Psicologia) – Universidade de Lisboa, Lisboa. 2009.

VANSILER, Nair Daiane de Souza Sauaia. Expressividade oral e fluência em leitura: monitoramento e diagnóstico de cinco escolas estaduais de Belém do Pará. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal do Pará, Belém. 2015.

WITTENBURG, P. et al. Elan: a professional framework for multimodality research. In: LREC. Proceedings […]. [S. l: s. n.], 2006.

Publicado
2019-11-06
Como Citar
Machado, A. P. G., & Freitag, R. M. K. (2019). Pistas dos processos de decodificação que levam à compreensão da leitura. Letras De Hoje, 54(2), 132-145. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.2.32509
Seção
Processamento da decodificação e da compreensão da leitura: