Os efeitos do ensino de estratégias cognitivas, metacognitivas e de navegação para a leitura hipertextual em LI: um estudo de caso

Palavras-chave: Hipertexto. Estratégias de leitura. Língua inglesa.

Resumo

Este artigo tem por objetivo investigar os eventuais efeitos da instrução de estratégias cognitivas, metacognitivas e de navegação para a realização de tarefas automonitoradas de leitura hipertextual em língua inglesa, bem como observar as percepções dos aprendizes em relação às suas experiências de leitura hipertextual a partir da aplicação de estratégias cognitivas, metacognitivas e de navegação. Para construir um arcabouço teórico, nos apoiamos nos estudos sobre a leitura hipertextual, assim como em pesquisas sobre estratégias cognitivas, metacognitivas e de navegação (COSCARELLI, 2012; 2016; KONISHI, 2003; LEVY, 2004; O’MALLEY; CHAMOT, 1990; SOLÉ, 1998, entre outros). Participaram deste estudo de caso oito aprendizes do 3º ano do Ensino Médio integrado ao técnico de um Instituto Federal do interior de Goiás, Brasil. Para a geração de dados, utilizamos um questionário, narrativas de aprendizagem escritas pelos participantes, respostas às tarefas e a transcrição de uma entrevista realizada ao final da execução de todas as tarefas. De um modo geral, os participantes demonstram ter aprendido as estratégias trabalhadas e alcançado uma compreensão melhor do hipertexto a partir do uso desses recursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Franco Tiraboschi, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Mestra em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás. Doutoranda na Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Francisco José Quaresma de Figueiredo, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO

Doutor em Linguística Aplicada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Docente e diretor de Relações Internacionais na Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Referências

ANDERSON, Neil J. Scrolling, clicking, and reading English: online reading strategies in a second/foreign language. The Reading Matrix, [s. l.], v. 3. n. 3, p. 1-33, Nov. 2003. Disponível em: http://www.readingmatrix.com/articles/anderson/article.pdf. Acesso em: 20 set. 2018.

AZMUDDIN, Ruhil Amal; NOR, Nor Fariza Mohd; HAMAT, Afendi. Metacognitive online reading and navigational strategies by science and technology university students. GEMA Online® Journal of Language Studies, [s. l.], v. 17, n. 3, p. 18-36, Aug. 2017. Disponível em: http://doi.org/10.17576/gema-2017-1703-02. Acesso em: 15 dez. 2018.

https://doi.org/10.17576/gema-2017-1703-02

BRAGA, Denise Bertóli. Aprendizagem reflexiva de leitura em língua estrangeira: Questões relativas à construção de materiais digitais para acesso independente. Revista Latinoamericana de Tecnología Educativa – RELATEC, Badajoz, v. 9, n. 2, p. 63-76, 2010. Disponível em: https://relatec.unex.es/article/view/621. Acesso em: 15 set. 2012.

BURIN, Debora I. et al. Navigation and comprehension of digital expository texts: hypertext structure, previous domain knowledge, and working memory capacity. Electronic Journal of Research in Educational Psychology, Almería, v. 13, n. 37, p. 529-550, 2015. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14204/ejrep.37.14136. Acesso em: 25 jul. 2018. https://doi.org/10.14204/ejrep.37.14136

CONKLIN, Jeff. Hypertext: an introduction and survey. IEEE Computer, [s. l.], v. 20, n. 9, p. 17-41, Sept. 1987. https://doi.org/10.1109/MC.1987.1663693

COSCARELLI, Carla Viana (org.). Hipertextos na teoria e na prática. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

COSCARELLI, Carla Viana. Navegar e ler: na rota do aprender. In: COSCARELLI, Carla Viana (org.). Tecnologias para aprender. São Paulo: Parábola Editorial, 2016. p. 61-80.

COSCARELLI, Carla Viana. O ensino da leitura: uma perspectiva psicolinguística. Boletim da ABRALIN, Maceió, v. 19, p. 163-174, 1996.

FIGUEIREDO, Francisco José Quaresma de. A aprendizagem colaborativa de línguas: algumas considerações conceituais e terminológicas. In: FIGUEIREDO, Francisco José Quaresma de (org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. Goiânia: UFG, 2006. p. 11-45.

FITZSIMMONS, Gemma; WEAL, Mark J.; DRIEGHE, Denis. The impact of hyperlinks on reading text. PLoS ONE, [s. l.], v. 14, n. 2, p. 1-20, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0210900. Acesso em: 15 mar. 2019. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0210900

HERRADA-VALVERDE, Gabriel; HERRADA-VALVERDE, Rosário I. Factores que influyen en la comprensión lectora de hipertexto. Ocnos, [s. l.], v. 16, n. 2, p. 7-16, 2017. Disponível em: https://dx.doi.org/10.18239/ocnos_2017.16.2.1287. Acesso em: 15 ago. 2018. https://doi.org/10.18239/ocnos_2017.16.2.1287

KARSENTI, Thierry. Artificial intelligence in education: the urgent need to prepare teachers for tomorrow’s schools. Formation et Profession, v. 27, n. 1, p. 105-111, Mar. 2019. https://doi.org/10.18162/fp.2019.a166

KLEIMAN, Angela. Texto e leitor: aspectos cognitivos da leitura. 9. ed. Campinas: Pontes, 2004.

KONISHI, Masae. Strategies for reading hypertext by Japanese ESL learners. The Reading Matrix, [s. l.], v. 3, n. 3, p. 97-119, Nov. 2003. Disponível em: http://www.readingmatrix.com/articles/konishi/article.pdf. Acesso em: 18 set. 2014.

LEE, Icy. Supporting greater autonomy in language learning. ELT Journal, [s. l.], v. 52, n. 4, p. 282-290, 1998. https://doi.org/10.1093/elt/52.4.282

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo: 34, 2004.

MADRID LÓPEZ, Rafael Inácio. Hacia un modelo de comprensión del hipertexto: el papel de las estrategias de lectura y la carga cognitiva. 2010. Tese (Doutorado) – Universidad de Granada, Granada, 2010. Disponível em: http://digibug.ugr.es/bitstream/10481/5584/1/18811255.pdf. Acesso em: 17 jul. 2018.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos S. (org.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido.2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

NUNES, Maria Brito Corrêa. Visão sócio-interacional de leitura. Oficina de leitura instrumental: planejamento e elaboração de materiais. Rio de Janeiro: IPEL-PUC-Rio, 2005. Publicação em CD-ROM.

O’MALLEY, J. Michael.; CHAMOT, Anna Uhl. Learning strategies in second language acquisition. New York: Cambridge University Press, 1990. https://doi.org/10.1017/CBO9781139524490

OXFORD, Rebecca. Language learning strategies: what every teacher should know. New York: Newbury House, 1990.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. Autonomia e complexidade. Linguagem e Ensino, Pelotas, v. 9, n. 1, p. 77-127, jan./jun. 2006.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Tradução de Claúdia

Schilling. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SOUZA, Adriana Gradi Fiori et al. Leitura em língua inglesa: uma abordagem instrumental. São Paulo: Disal, 2005.

TIRABOSCHI, Fernanda Franco. Instruções de estratégias de leitura hipertextual em língua inglesa: um estudo com aprendizes da educação tecnológica em ambiente virtual de aprendizagem. 2015. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística) – Programa de Pós-Graduação em letras e Linguística, Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2015.

ZANELLA, Larissa W.; VALENTINI, Nadia C. Como funciona a memória de trabalho? Influências na aprendizagem de crianças com dificuldades de aprendizagem e crianças com desordem coordenativa desenvolvimental. Medicina, Ribeirão Preto, v. 49, n. 2, p. 160-174, 2016.

Publicado
2019-11-06
Como Citar
Tiraboschi, F. F., & de Figueiredo, F. J. Q. (2019). Os efeitos do ensino de estratégias cognitivas, metacognitivas e de navegação para a leitura hipertextual em LI: um estudo de caso. Letras De Hoje, 54(2), 284-295. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.2.32392
Seção
Processamento da decodificação e da compreensão da leitura: