Escrita: tecer e esculpir o texto

Palavras-chave: Escrita. Processo de escrita. Reformulação. Operações. Escolha.

Resumo

As palavras de um texto não se encontram pré-determinadas. Quem escreve realiza escolhas entre as possibilidades disponibilizadas pela língua. O desenvolvimento linguístico traz consigo o alargamento de recursos lexicais, sintáticos, semânticos e textuais. Esse desenvolvimento traça um caminho mais direto para o texto ou ativa em maior grau a consideração de escolhas e decisões por parte do sujeito, enquanto escreve? O presente estudo analisou a evolução das componentes de formulação e reformulação no processo de escrita de alunos do ensino básico português. Os dados provêm da interação entre alunos de diferentes anos (do 2º ao 8º), organizados em pequenos grupos, para escreverem um texto colaborativamente. A análise incidiu sobre as operações de formulação/reformulação realizadas. Os resultados mostram um alargamento das possibilidades consideradas, ao longo do processo de construção do texto, dos anos iniciais para os anos mais avançados. Esse movimento alerta para a necessidade de reforçar a capacidade de reescrita e reformulação na aprendizagem da escrita.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Barbeiro, Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, Instituto Politécnico de Leiria, Leiria

Doutor em Educação, Metodologia de Ensino do Português e agregado em Ciências da Educação – Literacias e Ensino do Português, pela Universidade do Minho, Portugal. Escola Superior de Educação e Ciências Sociais (ESECS). Instituto Politécnico de Leiria, Leiria, Portugal.

Referências

ALAMARGOT, Denis; FAYOL, Michel. Modelling the development of written composition. In: BEARD, Roger; MYHILL, Debra; RILEY, Jenny; NYSTRAND, Martin (org.). Handbook of Writing Development. London: Sage, 2009. p. 23-47. https://doi.org/10.4135/9780857021069.n3

BARBEIRO, Luís. Escrita: Construir a aprendizagem. Braga: Universidade do Minho, 2003.

BARBEIRO, Luís. Os alunos e a expressão escrita. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1999.

BARBEIRO, Luís. Profundidade do processo de escrita. Educação & Comunicação, São Paulo, v. 5, p. 64-76, 2001.

BARBEIRO, Luís. What Happens when I Write? Pupils’ Writing about Writing. Reading and Writing: An Interdisciplinary Journal, [s. l.], v. 24, n. 7, p. 813-834, 2011. https://doi.org/10.1007/s11145-010-9226-2

BARTHES, Roland. Image-Music-Text. From work to text. London: Fontana, 1977. p. 155-164.

BEREITER, Carl, Scardamalia, Marlene. The Psychology of Written Composition. Hillsdale, New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1987.

BERNINGER, Virginia W.; SWANSON, H. Lee, Modifying Hayes and Flower’s model of skilled writing to explain beginning and developing writing. In: BUTTERFIELD, Earl C.; CARLSON, Jerry (org.). Children’s writing: Toward a process theory of the development of skilled writing. London: JAI Press, 1994, p. 57-81.

BRITTON, James. Shaping at the point of the utterance. In: YOUNG, Richard; LIU, Yameng (org.). Landmark essays on rhetorical invention in writing. New York: Routledge, 1994. p. 147-152.

CALIL, Eduardo. O sentido das palavras e como eles se relacionam com o texto em curso: estudo sobre comentários semânticos feitos por uma díade de alunas de 7 anos de idade. Alfa, Araraquara, v. 60, n. 3, p. 531-555, 2016. https://doi.org/10.1590/1981-5794-1612-4

CHENOWETH, N. Ann, HAYES, John Richard. The Inner Voice in Writing. Written Communication, [s. l.], v. 20, n. 1, p. 99-118, 2003. https://doi.org/10.1177/0741088303253572

GARCIA-DEBANC, Claudine. Intérêts des modèles du processus rédactionnel pour une pédagogie de l’écriture. Pratiques, Metz, v. 49, p. 29-56, 1986. https://doi.org/10.3406/prati.1986.2449

HAYES, John Richard. A new framework for understanding cognition and affect in writing. In: LEVY, C. M.; RANDALL, S. (org.). The science of writing: theories, methods, individual differences, and applications. Mahwah, NJ: Erlbaum, 1996, p. 1-27.

HAYES, John Richard. Kinds of knowledge-telling: Modeling early writing development. Journal of Writing Research, Antwerpen, v. 3, n. 2, 73-92, 2011. https://doi.org/10.17239/jowr-2011.03.02.1

HAYES, John Richard. Modeling and remodeling writing. Written Communication, [s. l.], v. 29, n. 3, p. 369-388, 2012. https://doi.org/10.1177/0741088312451260

HAYES, John Richard; FLOWER, Linda. Identifying the organization of writing processes. In: GREGG, L. W.; STEINBERG, E. R. (org.). Cognitive processes in writing. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 1980. p. 3-30.

HYLAND, Ken. Methods and methodologies in second language writing research. System, v. 59, p. 116-125, 2016. https://doi.org/10.1016/j.system.2016.05.002

KELLOGG, Ronald. Training writing skills: A cognitive developmental perspective. Journal of Writing Research, Antwerpen, v. 1, n. 1, p. 1–26, 2008. https://doi.org/10.17239/jowr-2008.01.01.1

LOWRY, Paul Benjamin, CURTIS, Aaron, LOWRY, Michelle René. Building a taxonomy and nomenclature of collaborative writing to improve interdisciplinary research and practice. Journal of Business Communication, [s. l.], v. 41, n.1, p. 66-99, 2004. https://doi.org/10.1177/0021943603259363

MORÔCO, João. Análise estatística com o SPSS Statistics. 5. ed. Pero Pinheiro: Report Number, 2011.

O’DONNELL, Michael. A dynamic view of choice in writing: Composition as text evolution. In: FONTAINE, Lise; BARTLETT, Tom, O’GRADY, Gerard (org.) Systemic Functional Linguistics: Exploring choice. Cambridge: Cambridge University Press, 2013, p. 247-266. https://doi.org/10.1017/CBO9781139583077.016

PERL, Sondra, EGENDORF, Arthur (1979). The process of creative discovery: Theory, research, and implications for teaching. In: McQUADE, Donald (org.). Linguistics, stylistics, and the teaching of composition. University of Akron: Studies in Contemporary Language, 1979, p. 121-127.

PINTO, Maria da Graça Castro. A escrita académica: um jogo de forças entre a geração de ideias e a sua concretização. Signos, Santa Cruz, v. 41, p. 53-71, 2016. https://doi.org/10.17058/signo.v1i1.7325

ROSE, David, MARTIN, James Robert. Learning to write, reading to learn: Genre, knowledge and pedagogy in the Sydney School. London: Equinox, 2012.

SANTANA, Inácia. A aprendizagem da escrita: Estudo sobre a revisão cooperada de texto. Porto: Porto Editora, 2007.

SPINILLO, Alina Galvão. “Por que você alterou isso aqui?” As razões que as crianças adotam quando fazem alterações ao revisar seus textos. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 50, n. 1, p. 32-39, 2015. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2015.1.18348

STORCH, Neomy. Collaborative Writing. Product, Process, and Students’ Reflections. Journal of Second Language Writing, [s. l.], v. 14, p. 153-173, 2005. https://doi.org/10.1016/j.jslw.2005.05.002

STURM, Afra. Observing writing processes of struggling adult writers with collaborative writing. Journal of Writing Research, Antwerpen, v. 8, n. 2, 301-344, 2016. https://doi.org/10.17239/jowr-2016.08.02.05

Publicado
2019-11-06
Como Citar
Barbeiro, L. (2019). Escrita: tecer e esculpir o texto. Letras De Hoje, 54(2), 221-230. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2019.2.32354
Seção
Processamento da decodificação e da compreensão da leitura: