Relação icônica entre o protagonista e seu discurso em Quincas Borba

Palavras-chave: Machado de Assis, Quincas Borba, personagem, discurso, iconicidade

Resumo

O artigo analisa a relação icônica que se estabelece entre a personagem Rubião, de Quincas Borba, e seu discurso, partindo do pressuposto de que esse procedimento expõe o processo crítico-reflexivo de Machado de Assis. A opção pela escrita como prática artesanal está manifestada na “Advertência”, que abre Ressurreição, torna-se visível no confronto entre as duas versões de Quincas Borba e ganha expressividade no tratamento conferido ao discurso do protagonista dessa narrativa. Ao explorar as possibilidades da linguagem, Machado confere aos signos verbais a natureza de gestos e neles imprime o poder de reproduzir especularmente o percurso de Rubião. Essa personagem progride de um estado de dispersão, manifestado por um discurso bivocal, até o da integridade na loucura, quando assume a univocidade discursiva. Ao evidenciar sentidos, os procedimentos narrativos compelem o leitor a buscar a intencionalidade do texto e dele migrar para o do contexto social, onde incide a denúncia do escritor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juracy Saraiva, Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS.

Mestrado em Letras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, o doutorado em Teoria da Literatura na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul e o pós-doutorado em Teoria da Literatura na Universidade Estadual de Campinas. É professora e pesquisadora da Universidade Feevale, Coordenadora do Mestrado Profissional em Letras e bolsista de produtividade do CNPq.

Marinês Andrea Kunz, Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS.

Mestrado em Comunicação na Universidade do Vale do Rio dos Sinos e o doutorado em Teoria da Literatura na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. É professora e pesquisadora da Universidade Feevale, atuando em cursos de graduação e de pós-graduação.

Referências

ASSIS, Machado de. “Ressurreição”. In: Obra Completa, (Org. Afrânio Coutinho), Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1986a, vol. I, p. 641- 806.

ASSIS, Machado de. “Quincas Borba”. In: Obra Completa, (Org. Afrânio Coutinho), Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1986b, vol. I, p. 115 - 195.

BAKHTIN, Mikhail. Esthétique et théorie du roman, Paris: Gallimard, s.d.

BAKHTIN Mikhail. Problemas da poética de Dostoiéwski, Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1981.

CAMARA JR, Mattoso. “A coroa de Rubião”. In: CAMARA JR, Mattoso. Ensaios Machadianos. Rio de Janeiro: Acadêmica, 1962, p. 53-61.

CÂNDIDO, Antônio et al. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 1968.

LEMAIRE, Anika. Jacques Lacan: uma introdução. Rio de Janeiro: Campus, 1979.

REIS, Carlos. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Ática, 1988.

Publicado
2020-08-31
Como Citar
Saraiva, J., & Andrea Kunz, M. (2020). Relação icônica entre o protagonista e seu discurso em Quincas Borba. Letras De Hoje, 55(2), e25867. https://doi.org/10.15448/1984-7726.2020.2.25867
Seção
Seção Livre