As possibilidades de proteção ao trade dress

  • Vinicius de Almeida Xavier PUCRS
Palavras-chave: Trade dress. Concorrência desleal. Propriedade intelectual. Marcas. Direito autoral. Propriedade industrial.

Resumo

Diante do competitivo cenário concorrencial em que se encontram as empresas, é fundamental que o empresário utilize elementos gráfico-visuais, conhecidos como trade dress, como diferencial para atrair clientes e para se destacar em relação aos seus concorrentes. Esse conjunto-imagem agrega uma significação secundária à marca. A aplicação do trade dress pode se dar na embalagem, na forma do produto ou até mesmo no estabelecimento comercial. A problemática se encontra quando essa aparência visual se destaca como fator de sucesso e gerador de lucros para o empresário e chama a atenção dos imitadores que estabelecem um comércio parasita, pegando carona na identidade visual do titular. A legislação não contempla um dispositivo específico de proteção ao trade dress e, na maioria das vezes, o instituto é tratado em juízo à luz da repressão à concorrência desleal. Contudo, provar a concorrência fraudulenta não é tarefa fácil. Com o estudo apresentado neste trabalho, o empresário encontra meios acessíveis de proteção no Brasil, em especial no que diz respeito à aparência visual de produtos e à configuração arquitetônica de estabelecimentos comerciais, pelo intermédio das disposições constantes no Direito do Autor e da Propriedade Industrial.

Biografia do Autor

Vinicius de Almeida Xavier, PUCRS
Artigo desenvolvido com abrangência nas áreas de Trade Dress, Concorrência desleal, Propriedade intelectual, Marcas, Direito autoral, Propriedade industrial.

Referências

AAKER, David A.; JOACHIMSTHALER, Erich. Como construir marcas líderes. Porto Alegre: Bookman, 2007.

ANDRADE, Gustavo Piva de. O trade dress e a proteção da identidade visual de produtos e serviços. Revista da ABPI, Rio de Janeiro, n. 112, maio-jun. 2011.

AUDY, Jorge Luis Nicolas. A interação Universidade-Empresa na área de TI e a Gestão da Propriedade Intelectual: O caso do Parque Tecnológico da PUCRS (Tecnopuc). In: Propriedade intelectual: o caminho para o desenvolvimento. São Paulo: Microsoft Brasil, 2005.

BARBOSA, Denis Borges. Uma introdução à propriedade intelectual. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2003.

BARBOSA, Denis Borges. O fator semiológico na construção do signo marcário. Rio de Janeiro: UERJ, 2006. Tese (Doutorado em Direito) – Faculdade de Direito, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2006.

BARBOSA, Denis Borges. Revistando o tema da significação secundária. 2011. Disponível em: <http://www.denisbarbosa.addr.com/arquivos/200/propriedade/trade_dress.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2012.

BITTAR FILHO, Carlos Alberto. Tutela dos direitos da perso-

nalidade e dos direitos autorais nas atividades empresariais. 2. ed. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2002.

BITTAR FILHO, Carlos Alberto. A concorrência desleal e a confusão entre produtos. Revista dos Tribunais, 2003. v. 550.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constitui%C3%A7ao.htm>. Acesso em: 30 abr. 2012.

BRASIL. Código Civil Brasileiro. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm>. Acesso em: 30 abr. 2012.

BRASIL. Convenção da União de Paris para Proteção da Propriedade Industrial, de 20 de março de 1883, promulgada no Brasil pela DAI – Divisão de Atos Internacionais. Decreto

n. 75.572, de 8 de Abril de 1975. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br/menu-esquerdo/patente/pasta_legislacao/convencao_paris_ html>. Acesso em: 8 mar. 2012.

BRASIL. Instituto Nacional de Propriedade Industrial – INPI. Disponível em: <http://www.inpi.gov.br>. Acesso em: 21 abr. 2011.

BRASIL. Lei n. 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade intelectual. In: Diário Oficial da União, Brasília, 15 maio 1996.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. REsp 899.839/RJ, Rel. Ministro MASSAMI UYEDA, terceira turma, julgado em 17 ago. 2010, DJe, 1 out. 2010.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. Súmula n. 227: A pessoa jurídica pode sofrer dano moral. 08/09/1999 – DJ 20.10.1999.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. REsp 1207952/AM, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, 4ª Turma, julgado em 23 ago. 2011, DJe 01/02/2012.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. REsp 198.609-ES, Rel. Min. Barros Monteiro, julgado em 11 maio 2004.

BRASIL. Superior Tribunal de Justiça. RE 5.232 – 2ª Turma – DJ 11.10.1949, p. 3.262.

BRASIL. <http://epocanegocios.globo.com/Revista/Common/ 0,,EMI160465-16363,00-O+QUE+E+TRADE+DRESS.html>. Acesso em: 12 maio 2012.

BRASIL. <http://solteagravata.com/2012/01/19/caso-louboutin-vs-ysl%E2%80%93-a-guerra-das-cores-na-u-s-court/>. Acesso em: 30 abr. 2012.

BRASIL. <http://www.conjur.com.br/2011-fev-09/tj-sp-nao-aceita-tese-concorrencia-desleal-acao-bombril>. Acesso em 10 de maio de 2012.

CARVALHO, Patrícia Luciane de. Trade dress: a proteção ao con-

junto informativo do Banco Itaú S.A. Revista da ABPI, n. 114, 2011.

CERQUEIRA, João da Gama. Tratado de Direito Industrial, v. 2. Rio de Janeiro: Forense, 1946.

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA. <http://newsandinsight.thomsonreuters.com/ uploadedFiles/Reuters_Content/2012/01_-_January/louboutinvysl--lawprofamicus.pdf>. Acesso em: 22 abr. 2012.

KOTLER, Philip. Marketing de A a Z. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

LEVIGARD, Daniela de Almeida; SILVA, Nilson Ferreira. A proteção das marcas de alto renome no Brasil. Revista da ABPI, Rio de Janeiro, n. 86, jan.-fev. 2007.

MANARA, Cecília. A proteção jurídica do “trade dress” ou “conjunto-imagem”. Propriedade Intelectual em perspectiva. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2008.

MANZONI JR. Ralphe. As marcas mais valiosas do Brasil em 2012. Isto É dinheiro, n. 760, 27 abr. 2012. Disponível em: <http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/82403_AS+MARCAS+MAIS+VALIOSAS+DO+BRASIL+EM+2012>. Acesso em: 2 maio 2012.

MENDONÇA, Carvalho de. Tratado de direito comercial brasileiro. 5. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1955. v. V, parte I.

NEGRÃO, Ricardo. Manual de direito comercial e de empresa.

ed. São Paulo: Saraiva, 2003. v. 1.

PERRIER, Raymond. “Interbrand’s World’s Most Valuable Brands”, relatório de junho de 1999, patrocinado pela Interbrand e pelo Citigroup, 1999.

PIMENTA, Eduardo; PIMENTA, Rui Caldas. Dos crimes contra a propriedade intelectual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2005.

SANTOS, J. L. et al. Ativos intangíveis: fonte de vantagem competitiva. ConTexto, Porto Alegre, v. 6, n. 10, 2006.

SILVEIRA, Newton. A propriedade intelectual e a nova lei de propriedade industrial (Lei n. 9.279, de 14-5-1996). São Paulo: Saraiva, 1996.

SILVEIRA, Newton. Direito de autor no desenho industrial. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1982.

SILVEIRA, Newton. Marcas: signo do empresário a título originário e a título derivado. Disponível em: <http://www.newmarc.com.br/novo/index.asp? p=artigos.asp>. Acesso em: 1 abr. 2011.

SOARES, José Carlos Tinoco. Tratado da propriedade intelectual: marcas e congêneres. São Paulo, Editora Jurídica Brasileira, 2003. v. 1.

SOARES, José Carlos Tinoco. “Concorrência desleal” vs. “trade dress” e/ou “conjunto-imagem”. São Paulo: Ed. do Autor, 2004. 368 p.

SOARES, José Carlos Tinoco. Tratado da propriedade industrial: patentes e seus sucedâneos. São Paulo: Jurídica Brasileira, 1998.

STRUNCK, Gilberto. Como criar identidades visuais para marcas de sucesso:um guia sobre o marketing das marcas e como repre-

sentar graficamente seus valores. Rio de Janeiro, Rio Books, 2001.

TEIXEIRA, Cassiano Ricardo Golos. “Trade Dress”. Curitiba: Faculdades Integradas, 2005. Monografia (Direito da Propriedade Intelectual) – Faculdade de Direito.

TROUT, Jack; RIVKIN, Steve (Col.). Diferenciar ou morrer. Tradução de Eduardo Lassere. São Paulo: Futura, 2000.

VIEIRA, Simone de Freitas. A proteção jurídica do “trade dress” na Justiça. Valor Econômico, 29 set. 2006, Legislação & Tributos.

Publicado
2015-07-29