Coordenar os tempos e espaços do trabalho pedagógico remoto, em contexto disruptivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.42009

Palavras-chave:

coordenação pedagógica, ensino remoto, pandemia COVID-19

Resumo

A crise sanitária ocasionada pela pandemia de COVID-19 trouxe à tona novas formas de ser, estar e vivenciar as dinâmicas sociais. O presente texto configura-se como um relato de experiência sobre o desafio de coordenar o trabalho pedagógico em um cenário disruptivo. A organização do trabalho pedagógico remoto visualizou a todo o tempo, a dinâmica entre os sujeitos do processo educativo – estudantes, professores e família – como centralidade estruturante da narrativa. Esta é contada pela ótica do coordenador pedagógico, tateando o desconhecido, coordenando ações descentradas, envolvendo sujeitos, tempos e espaços virtualizados, no desafio de delinear o processo educativo – um processo essencialmente de presenças em interação no mundo – como um processo de presenças digitalmente conectadas, em uma relação de ressignificação das possibilidades de mediação educativa cibernética para o desenvolvimento humano; e das possibilidades de produção de meios mais potentes e mais humanizados, pelo ser humano que pôde construir novos significados para sua atuação e sua forma de estar no mundo, atravessando uma pandemia, à espera de novos tempos e espaços.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália Queiroz de Oliveira Souto, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil; Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF), Brasília, DF, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil. Doutoranda em Psicologia do Desenvolvimento e Escolar na Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil. Professora da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal (SEEDF), em Brasília, DF, Brasil.

Fabrícia Teixeira Borges, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, Brasil.

Doutora e mestre em Psicologia pela Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil. Docente da UnB no Instituto de Psicologia (IP). Orienta mestrado e doutorado no Programa de Psicologia do Desenvolvimento e Escolar (PGPDE) da Universidade de Brasília, em Brasília, DF, Brasil. Líder do grupo de pesquisa Del`Artes e vice-líder do GT da Anpepp Psicologia, Arte e Estética. 

Referências

Aires, L. (2003). Do silêncio à polifonia: Contributos da teoria sociocultural para a educação online. Discursos [Em linha]: perspectivas em educação, 1, 23-35. http://hdl.handle.net/10400.2/146

Bailenson, J. N. (2021). Nonverbal overload: A theoretical argument for the causes of Zoom fatigue. Technology, Mind, and Behavior, 1(3), 1-13. https://doi.org/10.1037/tmb0000030

Bakhtin, M. (2011). Estética da Criação Verbal (6. ed). Martins Fontes.

Bruner, J. (2002). Atos de Significação. Artmed.

Bruner, J. (2003). La fábrica de historias. Derecho, literatura, vida. Fondo de Cultura Económica de Argentina.

Ferreiro, E., & Teberosky, A. (1999). Psicogênese da língua escrita (1. ed). Artmed.

Freire, P. (2019). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa (68. ed). Paz e Terra.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. W. (2011). Entrevista Narrativa. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Eds.), Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (9. ed, p. 520). Editora Vozes.

Morin, E. (2010). Ciência com consciência (14. ed). Bertrand Brasil.

Prado, N., & Borges, F. T. (2017). Narrativa e identidade de professores de AEE: conflitos e sentimentos. In F. T. Borges, S. B. Barbato, & A. B. F. Sobrinho (Eds.), Experiências Inovadoras: Formação de professores, transmídia e criatividade (1st ed., pp. 51-72). UFPE.

Pires, V. L., & Tamanini-Adames, F. A. (2010). Desenvolvimento do conceito bakhtiniano de polifonia. Estudos Semióticos, 6(2), 66-76. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2010.49272

Saviani, D. (2019). Pedagogia histórico-crítica, quadragésimo ano: novas aproximações. Autores Associados. https://plataforma.bvirtual.com.br/Leitor/Publicacao/185627/epub/0

Saviani, D., & Galvão, A. C. (2021, Janeiro). Educação na pandemia: a falácia do “ensino” remoto. Universidade e Sociedade, 1(67), 36-49. https://issuu.com/andessn/docs/revista_us_67_web

Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. (2014). Orientação Pedagógica: Projeto político pedagógico e coordenação pedagógica nas escolas. http://www.cre.se.df.gov.br/ascom/documentos/orientacao_pedagoggica_projeto_politico_pedagogico.pdf

Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. (2020a). Gestão estratégica para o retorno das atividades pedagógicas do Distrito: plano de retorno das aulas da rede pública. https://agenciabrasilia.df.gov.br/wp-conteudo/uploads/2020/05/gestao_estrategica_realizacao_atividades_pedagogicas_nao_presenciais.pdf

Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. (2020b). Orientações à rede pública de ensino para o registro das atividades pedagógicas não presenciais. https://cdn.sinprodf.org.br/portal/uploads/2020/07/10222558/Orientações-à-rede-pública-de-ensino-para-o-registro-das-atividades-pedagógicas-não-presenciais_VF.pdf

Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. (2020c). Portaria No 133/2020 Dispõe sobre os critérios para atuação dos profissionais em exercício nas unidades escolares da rede pública de ensino do Distrito Federal, nas atividades educacionais não presenciais, no período de pandemia pelo coronavírus. https://cdn.sinprodf.org.br/portal/uploads/2020/06/04152002/portaria-no-133-de-03-de-junho-de-2020.pdf

Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. (2021). Orientações à Rede Pública de Ensino para o Registro das Atividades Pedagógicas Remotas e Presenciais (2. ed. atualizada).

Silva, C. C. da, & Borges, F. T. (2018). Análise Temática Dialógica como método de análise de dados verbais em pesquisas qualitativas. Linhas Críticas, 23(51), 245-267. https://doi.org/10.26512/lc.v23i51.8221

Zabala, A. (2010). A Prática Educativa: Como ensinar. Artmed.

Zabala, A., Bassedas, E., Arnau, L., Colomer, T., Camps, A., Perrenoud, P., Huguet, T., Solé, I., Bonafé, J. M., Brighouse, T., & Woods, D. (2016). Didática Geral (1. ed.). Penso.

Zabalza, M. A. (2008). Diários de aula: um instrumento de pesquisa e desenvolvimento profissional (1. ed). Artmed.

Downloads

Publicado

2022-11-03

Como Citar

Souto, N. Q. de O., & Borges, F. T. (2022). Coordenar os tempos e espaços do trabalho pedagógico remoto, em contexto disruptivo. Educação, 45(1), e42009. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.42009