A apropriação do sistema de escrita alfabética por crianças que apresentam deficiência intelectual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.41334

Palavras-chave:

apropriação do sistema de escrita alfabética, níveis psicogenéticos da escrita, software educativo, deficiência intelectual

Resumo

Neste artigo, apresentamos os resultados de uma pesquisa que analisou, a partir de escritas espontâneas com e sem figuras, a apropriação do sistema de escrita alfabética por crianças com deficiência intelectual na fase inicial da alfabetização. No estudo, oito crianças participaram de uma avaliação inicial e final do nível psicogenético da escrita. Verificamos, em ambas as situações, uma frequência importante de variados subníveis de escrita, na produção de uma mesma criança, tanto na condição com figura como na sem figura. Observamos que não ocorreu efeito positivo da testagem com figura sobre a evolução do nível conceitual de escrita das crianças. Pelo contrário, na condição com figuras, identificamos menor percentual de notações do nível alfabético, acompanhada de uma ampliação de escritas “Outras”, cujas características não foram contempladas na teoria da psicogênese da língua escrita, como descrita por Ferreiro e Teberosky (1979). Concluímos que nem sempre a diversificação dos subníveis nas diferentes situações de testagem revelou uma evolução conceitual da escrita. Ademais, havia uma relação entre o grau de dificuldade de escrita e o resultado desse registro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriana Leite Limaverde Gomes, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, CE, Brasil.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza, CE, Brasil. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em Fortaleza, CE, Brasil. Pós-doutorado na área da Educação e linguagem pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife, PE, Brasil. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará, em Fortaleza, CE, Brasil especializado, formação do professor.

Artur Gomes de Morais, Universidade Federal de Pernambuco (UFP), Recife, PE, Brasil.

Doutor em Psicologia pela Universidade de Barcelona, em Barcelona na Espanha. Pós-doutorado na Universidade de Barcelona, no INRP, em Paris, França. Pós-doutorado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, MG, Brasil. Professor titular do Centro de Educação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife, PE, Brasil. Bolsista de produtividade CNPq.

Referências

Alves, J. G., Rocha, R. S. M, & Campos, K. P. B. (2010). Deficiência mental e estigma social: enfrentamentos possíveis. In R. V. de Figueiredo, L. Bonetti, & J.-R. Poulin (Orgs.), Novas Luzes sobre a Inclusão Escolar (v. 1, pp. 175-212). UFC.

Alves-Martins, M., & Mendes, A. Q. (1987). Evolução das conceptualizações infantis sobre a escrita. Análise Psicológica, 5, 499-508.

American Association on Intellectual and Developmental Disabilities. (2010). Intellectual disability: definition, classification, and systems of supports. AAIDD.

Anache, A. A., & Resende, D. A. R. (2016). Caracterização da avaliação da aprendizagem nas salas de recursos multifuncionais para alunos com deficiência intelectual. Revista Brasileira de Educação, 21(66), 569-591. https://doi.org/10.1590/S1413-24782016216630

Aragão, S. S. A., & Morais, A. G. (2020). Como crianças alfabetizadas com o método fônico resolvem tarefas que avaliam a consciência fonêmica? Educação em Revista, 36, 1-37. https://doi.org/10.1590/0102-4698223345

Araújo, E. M. C. de. (2009). Informática como instrumento de intervenção psicopedagógica em crianças com Síndrome de Down [Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Ciências Econômicas da Bahia]. WEBARTIGOS. https://www.webartigos.com/artigos/informatica-como-instrumento-de-intervencao-psicopedagocia-em-criancas-com-sindrome-de-down/32361

Azevedo, S. S. (2012). Relação entre a compreensão da escrita alfabética e o conhecimento das letras entre alfabetizandos adultos. Revista da Associação de Leitura do Brasil, 30(58), 215-222.

Barros, F. J. O. de. (2017). O desenvolvimento da escrita de sujeitos com Deficiência Intelectual por meio do Software SCLALA Web [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará]. Repositório Institucional da UFC. https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/24232

Bez, M. R., Zamperetti, B. F., Polo, L. F., & Passerino, L. M. (2013). Dispositivo móvel SCALA: Desenvolvimento técnico e metodológico [Artigo apresentado]. Congresso Brasileiro de Comunicação Alternativa, Gramado, Rio Grande do Sul, Brasil.

Ferreiro, E. (1985). Reflexões sobre alfabetização. Cortez.

Ferreiro, E. (1990). A escrita....antes das letras. In H. Sinclair (Ed.), A produção de notações na criança: linguagem, número, ritmos e melodia (1. ed., pp. 19-70). Cortez, Autores Associados.

Ferreiro, E. (2013). El ingreso a la escritura ya las culturas de lo escrito. Siglo XXI.

Ferreiro, E., & Gómez Palacio, M. (1982). Análisis de las pertubaciones en el proceso de aprendizaje de la lecto-escritura: Fasc. 2. Evolución de la escritura durante el primer año escolar. Dirección General de Eucación Especial.

Ferreiro, E., & Teberosky, A. (1979). Los sistemas de escritura em el desarollo del niño. Siglo XXI.

Figueiredo, R. V. (2017). Relatório de pesquisa elaborado para o CNPq. Universidade Federal do Ceará.

Gibson, E. J., & Levin, H. (1975). The Psychology of Reading. MIT Press.

Gomes, A. L. L. (2001). Leitores com síndrome de Down: a voz que vem do coração [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará]. Repositório Institucional da UFC. https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/2302

Gomes, A. L. L. (2018). Relatório de pesquisa elaborado para o CNPq. Universidade Federal do Ceará.

Gomes, C. M., & Morais, A. G. (2014). Psicogênese da Escrita sob Exame: reanálise do percurso evolutivo vivido por crianças desde a hipótese pré-silábica ao domínio da escrita alfabética [Apresentação de artigo]. 22o Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Inhelder, B. (1963). Le diagnostic du raisonnement chez les débiles mentaux. Éditions Delachaux & Niestlé.

Jaffré, J.-P., & David, J. (1993). Genèse de l’écriture et acquisition de l’écrit. Etudes de linguistique appliquée, 91, 112-127.

Kagohara, D. M. (2011). Three students with developmental disabilities learn to operate an iPod to access age-appropriate Entertainment Videos. Journal of Behavioral Education, 20, 33-43. https://doi.org/10.1007/s10864-010-9115-4

Luria, A. R., Vinogradov, O. S. (1974). Particularités des réflexes d’orientation chez les oligophrènes. In A. R. Luria (Ed.), L’enfant retardé mental (pp. 119-129). Édouard Privas Éditeur.

Mesquita, G. (2015). O processo de alfabetização de uma criança com deficiência intelectual no 1º ano do ensino fundamental [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Espírito Santo]. Repositório Institucional da UFES. https://biblioteca.ufes.br/biblioteca-digital-de-teses-e-dissertacoes-bdtd

Morais, A. G. (2012). Sistema de Escrita Alfabética. Melhoramentos.

Morais, A. G. (2019). Consciência fonológica na educação infantil e no ciclo de alfabetização. Autêntica.

Oliveira, E. L., & Morais, A. G. (2014). Psicogênese da Escrita sob Exame: efeitos de diferentes formas de avaliação sobre os conhecimentos que as crianças revelam a respeito da escrita alfabética. [Apresentação de artigo]. 22o Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Pernambuco, Brasil.

Oliveira, N. S. de. (2017). Revisão e reescrita de textos produzidos por meio do sistema Scala web por alunos com deficiência intelectual incluídos em sala de aula comum [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Ceará]. Repositório da UFC. https://repositorio.ufc.br/handle/riufc/2302

Paour, J-L. (1988). Retard mental et aides cognitives. In J.-P. Caverni, C. Bastien, P. Mendelshon, & G. Thiberghien (Eds.), Psychologie cognitive: modèles et méthodes (1. ed., pp. 191-216). Les presses de l’Université de Grenoble.

Pedro, K. M., & Chacon, M. C. M. (2013). Softwares educativos para alunos com Deficiência Intelectual: estratégias utilizadas. Revista Brasileira Educação Especial, 19(2), 195-210. https://doi.org/10.1590/S1413-65382013000200005

Pletsch, M. D. (2009). A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisa. Educar em Revista, 33, 143-156. https://doi.org/10.1590/S0104-40602009000100010

Pontecorvo, C., & Zucchermaglio, C. (1988). Modes of differentiation in children’s writing construction. European Journal of Psychology of Education, 3(4), 371-384. https://doi.org/10.1007/BF03172661

Poppovic, A. M. (1977). Programa Alfa: um currículo de orientação cognitiva para as primeiras séries do 1º grau inclusive crianças culturalmente marginalizadas visando ao processo ensino-aprendizagem. Cadernos de Pesquisa, 21, 41-46.

Rossato, S. P. M., & Leonardo, N. S. T. (2011). A deficiência intelectual na concepção de educadores da Educação Especial: contribuições da psicologia histórico cultural. Revista Brasileira de Educação Especial, 17(1), 71-86. https://doi.org/10.1590/S1413-65382011000100006

Schipper, C. M. de, & Vestena, C. L. B. (2016). Características do raciocínio do aluno deficiente intelectual à luz da Epistemologia Genética. Psicologia Escolar e Educacional, 20(1), 79-88. https://doi.org/10.1590/2175-353920150201931

Soares, M. (1998). Alfabetização e letramento. Contexto.

Teberosky, A. L. C. (1987). Psicopedagogia da Língua Escrita. Trajetória Cultural-Editora da UNICAMP.

Vieira, M. C., Conforto, D., & Santarosa, L. M. C. (2015). Tecnologia móvel: qual, para quem, para quê? A percepção de professores e estudantes 357 em iniciativas [Apresentação de artigo]. 20º Congresso Internacional de Informática Educativa - TISE, Santiago, Chile.

Vives, E. E., Pérez, D. C. L., Carmona, C. A. D., García, A. L. R., Álvarez, L. R., & Suarez, E. R. P. (2017). Cómo fomentar la integración de niños con discapacidad intelectual a través del juego? Diseño de un kit. Horizonte Sanitario, 16(2), 121-126. https://doi.org/10.19136/hs.a16n2.1497

Vygotsky, L. S. (1997). Obras Escogidas. V fundamentos de defectologia. Visor.

Downloads

Publicado

2022-11-21

Como Citar

Gomes, A. L. L., & Morais, A. G. de. (2022). A apropriação do sistema de escrita alfabética por crianças que apresentam deficiência intelectual. Educação, 45(1), e41334. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.41334