A relação entre o neoliberalismo e o paradigma da qualidade da educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.39548

Palavras-chave:

neoliberalismo, América Latina, qualidade, educação

Resumo

Os padrões de qualidade permeiam boa parte das discussões acerca da educação há algumas décadas. Este artigo analisa a constituição do conceito de qualidade, relacionando-o a gênese e ao desenvolvimento do neoliberalismo. Por meio de pesquisa bibliográfica, abordamos o conceito de neoliberalismo e seu desdobramento na América Latina, especialmente no campo educacional. Constatamos que as práticas mercadológicas vinculadas à competitividade e à qualidade, de origem neoliberal, perpassam as discussões e as práticas educacionais, assumindo a forma de um paradigma. Destacamos a capacidade neoliberal de imposição de um léxico que orienta práticas e políticas educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula de Souza Santos, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil. Graduada em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil. Integrante do Grupo de Pesquisa Educação a Distância e Tecnologias Educacionais – GPEaDTEC.

Raquel Nagase, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil. Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), em Maringá, PR, Brasil. Doutoranda na mesma instituição, na linha de Políticas e Gestão em Educação.

Maria Luisa Furlan Costa, Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, PR, Brasil.

Doutora em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), em Araraquara, SP, Brasil; mestre em Educação (UEM), em Maringá, PR, Brasil; graduada em História pela mesma instituição. Professora associada do Departamento de Fundamentos da Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UEM. Professora do Programa de Mestrado Profissional em Educação Inclusiva.

Referências

Afonso, A. J. (2013, abril/junho). Mudanças no Estado‐avaliador: comparativismo internacional e teoria da modernização revisitada. Revista Brasileira de Educação, 18(53) 267‐284. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782013000200002&script=sci_abstract&tlng=pt

Ball, S. J. (2010, maio/agosto). Performatividades e fabricações na economia educacional: ruma a uma sociedade performativa. Educação & Realidade, 35, 37-55.

Basso, J. D., & Bezerra Neto, L. (2014, abril 22). As influências do neoliberalismo na educação brasileira: algumas considerações. Revista Itinerarius Reflectionis, 10(1), 1-15. https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/29044

Bobbitt, J. F. (2004). O currículo. Didática.

Bresser Pereira, L. C. (1999). Reflexões sobre a reforma gerencial brasileira de 1995. Revista do Serviço Público, 50(4), 5-29.

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal (Mariana Echalar, Trad.). Boitempo.

Enguita, M. F. (1994). O discurso da qualidade e a qualidade do discurso. In T. T. da Silva, & P. A. A. Gentili (Orgs.), Neoliberalismo, qualidade total e educação (2a ed., pp. 93-110). Vozes.

Friedman, M. (1984). Capitalismo e liberdade. Abril Cultural.

Galbraith, J. K. (1992). La cultura de la satisfacción. Emece.

Gentili, P. A. A. (1994) O discurso da “qualidade” como nova retórica conservadora no campo educacional. In T. T. da Silva, & P. A. A. Gentili. (Orgs.), Neoliberalismo, qualidade total e educação (2a ed., pp. 111-177). Vozes.

Gentili, P. A. A. (1996). Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In T. T. da Silva, & P. A. A. Gentili (Orgs.), Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo (pp. 9-49). CNTE.

Harvey, D. (2008). O neoliberalismo: história e implicações (Adail Sobral & Maria Stela Gonçalves, Trad.). Edições Loyola.

Hayek, F. A. V. (1985). Desemprego e política monetária. José Olympio; Instituto Liberal. (Obra original publicada em 1979).

Hood, C. (1991, spring). A public management for all seasons? Public Administration, 9, 3-19.

Iriarte, G. (1995). Neoliberalismo, si o no? (2a ed., João Paixão Netto, Trad.). Paulinas.

Kuhn, T. S. (1991). A estrutura das revoluções científicas. Perspectiva.

Moraes, R. C. (2001). Neoliberalismo: de onde vem, para onde vai? Editora SENAC.

Peroni, V. (2003). Política educacional e papel do Estado: no Brasil dos anos 1990. Xamã.

Ricardo, D. (1996). Princípios de economia política e tributação (Coleção Os Economistas). Nova Cultural. (Obra original publicada em 1823).

Sandroni, P. (org.) (1999). Novíssimo dicionário de economia. EDITORA BEST SELLER.

Smith, A. (1996). A riqueza das nações investigação sobre sua natureza e suas causas (Coleção Os Economistas, Vol. 1). Nova Cultural. (Obra original publicada em 1776).

Wolf, P. J. W., & Oliveira, G. C. (2016, dezembro). Os estados de bem-estar social da Europa Ocidental: tipologias, evidências e vulnerabilidades. Economia e Sociedade, 25(3), 661-694. http://www.scielo.br/pdf/ecos/v25n3/1982-3533-ecos-25-03-00661.pdf

Downloads

Publicado

2022-11-03

Como Citar

Santos, A. P. de S., Nagase, R., & Costa, M. L. F. (2022). A relação entre o neoliberalismo e o paradigma da qualidade da educação. Educação, 45(1), e39548. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.39548