“Eu adoro é esse cacto aqui”

Devires de imagens, de matemática(s) e de pesquisa

Palavras-chave: multiplicidade, anos iniciais, produção de vídeo, atitudes, infância

Resumo

Este artigo é o recorte de uma pesquisa de mestrado, finalizada em 2018, que teve como objetivo analisar externalizações de atitudes em relação à matemática de alunos do 1º ano do ensino fundamental. A pesquisa foi realizada com 22 alunos, com idades entre 6 e 7 anos, de uma escola particular do município de Miranda (MS). Tais externalizações surgiram de vídeos feitos pelos próprios alunos e este artigo discute um dos episódios gerados por essas produções imagéticas. A análise é feita a partir dos pressupostos do Estudo das Atitudes, infância como experiência, multiplicidade e produções com nativos digitais. A partir da(s) matemática(s) produzidas pelos alunos, são problematizados o processo de desformar e a constante teorematização da(s) matemática(s) problematizadoras praticadas na infância. A partir disso, conclui-se que a matemática, única e formadora, acaba por impor atitudes nossas que silenciam as matemáticas desformativas produzidas pelos estudantes, implicando em atitudes cada vez mais iguais da parte deles em relação à disciplina. Espera-se que este estudo dispare novas questões sobre modos de pesquisar na infância, constituições matemática(s) e tecnologias digitais. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Silva de Medeiros, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS, Brasil.

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande, MS, Brasil. Mestra em Educação Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande, MS, Brasil. Licenciada em matemática também pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em Aquidauana, MS, Brasil.

Aparecida Santana de Souza Chiari, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), Campo Grande, MS, Brasil.

Doutora em Educação Matemática pela Universidade Estadual “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), em Rio Claro, SP, Brasil. Mestra em Educação Matemática pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Professora Adjunta do Instituto de Matemática da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), em Campo Grande, MS, Brasil; e credenciada no Programa de Pós-Graduação em Educação Matemática da mesma instituição.

Referências

Barroqueiro, C. H., & Amaral, L. H. (2011). O uso das tecnologias da informação e da comunicação no processo de ensino-aprendizagem dos alunos nativos digitais nas aulas de física e matemática. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 2(2), 123-143. https://doi.org/10.26843/rencima.v2i2.61

Barros, M. de. (1996). Livro sobre nada. (3. ed). Editora Record.

Barros, M. de. (2015). Meu quintal é maior do que o mundo. Editora Objetiva.

Barros, M. de. (2013). Poesia Completa. Leya.

Bogdan, R., & Biklen, Sari. (1994). Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Editora.

Brito, M. R. F. de. (1996). Um estudo sobre as atitudes em relação à matemática em estudantes de 1 e 2 graus. Livre Docência. UNICAMP.

Chisté, B dos S., Leite, C. D. P., & Oliveira, L. P. de. (2015). Devir-criança da Matemática: experimentações em uma pesquisa com imagens e infâncias. Boletim de Educação Matemática, 29(53), 1141-1161. https://doi.org/10.1590/1980-4415v29n53a17

Chisté, B. dos S. (2015). Devir - criança da matemática: experiências educativas infantis imagéticas. [Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho]. https://repositorio.unesp.br/handle/11449/127793.

Clareto, S. M. (2013). Matemática como acontecimento na sala de aula. Anais da Reunião Nacional da ANPED (Sistema Nacional de Educação e Participação Popular: Desafios para as Políticas Educacionais), Brasil, 15 (36). http://36reuniao.anped.org.br/pdfs_trabalhos_aprovados/gt19_trabalhos_pdfs/gt19_3248_texto.pdf

Coutinho, C. P., & Bottentuit Junior, J. B. (2007). Utilização da técnica do brainstorming na introdução de um modelo de e/b-learning numa escola profissional portuguesa: a perspectiva de professores e alunos. Acessado em 14 abr. 2018, em http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/7351

Dornelles, L. V. (2010). Sobre o devir criança ou discursos sobre as infâncias. Anais do V Colóquio Internacional de Filosofia da Educação, Brasil, (5). https://www.ufrgs.br/gein/wp-content/uploads/2016/10/sobre-o-devir crian%C3%A7a-ou-discursos-sobre-as-infancias.pdf

Jódar, F., & Gómez, L. (2002). Devir-Criança: experimentar e explorar outra educação. Educação e Realidade, 27(2), 32-45. https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/25914/15183.

Leite, C. D. P. (2013). Cinema, Educação e Infância: Fronteiras entre Educação e Emancipação. Fermentario: Instituto de Educación, Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación, Universidad de la República, 2(7), 1-14. http://www.fermentario.fhuce.edu.uy/index.php/fermentario/article/view/146/156.

Martinéz-Padrón, Oswaldo. (2008). Actitudes hacia la matemática Sapiens. Revista Universitaria de Investigación, 9(1), 237-256. https://www.redalyc.org/pdf/410/41011135012.pdf.

Medeiros, Amanda Silva de. (2018). Devires de Imagens: atitudes e matemática(s) construídas e praticadas por um grupo de crianças. [Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Campo Grande].

https://posgraduacao.ufms.br/portal/trabalho-arquivos/download/5888.

Scucuglia, R. R. da S. (2014). Narrativas Multimodais: a Imagem dos Matemáticos em Performances Matemáticas Digitais. Bolema. Boletim de Educação Matemática, 28(49), 950-973. http://dx.doi.org/10.1590/1980-4415v28n49a25.

Tamayo-Osorio, C. (2017). A colonialidade do saber: um olhar desde a Educação Matemática. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 10(3), 39-58. https://www.revista.etnomatematica.org/index.php/RevLatEm/article/view/475

Publicado
2022-06-21
Como Citar
Medeiros, A. S. de, & Chiari, A. S. de S. (2022). “Eu adoro é esse cacto aqui”: Devires de imagens, de matemática(s) e de pesquisa. Educação, 45(1), e36541. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2022.1.36541