Música como problema de formação (Bildung)

Espinosa, corpo e afecções

Palavras-chave: Música, Corpo, Afecções, Formação.

Resumo

O ensaio discute sobre música como problema de formação (Bildung) desde Espinosa. O recurso interpretativo toma como ponto de partida a Ética (1677). Se relacionam ética, estética e epistemologia na retomada da relação entre sensível e inteligível no contexto da filosofia monista. Retoma-se a posição de Espinosa no âmbito da crítica ao dualismo platônico-cartesiano; seguido da reconstrução interpretativa de três partes do texto da Ética: parte um (Deus), dois (A natureza e a Origem da Mente) e três (A Origem e a Natureza dos Afetos); e, por fim, a interpretação de dimensões formativo-musicais a partir do filósofo em estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raimundo Rajobac, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS); professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em Porto Alegre, RS, Brasil.

Fernando Ferminio Garcia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS, Brasil

Bacharel em Piano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

BOLLE, Willi. A idéia de formação na modernidade. IN: GHIRALDELLI JR., Paulo (org.) Infância, escola e modernidade. Curitiba: Editora da Universidade do Paraná, 1997.

CHAUÍ, Marilena. Fidelidade infiel: Espinosa comentador dos princípios da filosofia de Descartes. Analytica, v. 3, n. 1, 1998. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/analytica/article/view/421. Acesso: 14 Jun. 2019.

CHAUÍ, Marilena. Política em Espinosa. São Paulo: Cia das Letras, 2003.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro, Editora 34. 1992.

DELEUZE, Gilles. Espinosa e os signos. Portugal: Rés Editora, 1970.

DELEUZE, Gilles. Espinosa, filosofia prática. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, Gilles.; Parnet, Claire. Diálogos. Trad: José Gabriel Cunha. Lisboa: Relógio d’água, 2004.

DESCARTES, Rene. Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

ESPINOZA, Benedictus. Ética. Trad. Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2007.

ESPINOZA, Benedictus. Princípios da Filosofia de René Descartes Demonstrados à Maneira dos Geômetras. Trad: Homero Santiago. In: DESCARTES, R. Meditações Metafísicas. São Paulo: Martins Fontes, 2005, pp. 135-146.

ESPINOZA, Benedictus. Tratado teológico-político. Trad: Diogo Pires Aurélio. São Paulo: Marins Fontes, 2003.

FLICKINGER, Hans-Georg. A caminho de uma pedagogia hermenêutica. Campinas: Autores Associados, 2010.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método. Trad: Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes, 2007.

HARDT, M. Gilles Deleuze – Um aprendizado em filosofia. Trad: Sueli Cavendish. São Paulo: Editora 34, 1996.

HERMANN, Nadja. À procura de vestígios da formação. In: Sobre a filosofia e educação: racionalidade, diversidade e formação. Passo Fundo: Upfeditora, 2009.

HERMANN, Nadja. O enlace entre corpo, ética e estética. Rev. Bras. Educ. [online], vol. 23, Set. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782018230051. Acesso: 20 jun. 2019.

KOLLER, Hans-Christoph. Bildung and Radical Plurality: towards a redefinition of Bildung with reference to J.F. Lyotard. Educational Philosophy and Theory, vol. 35, n. 2, p. 155-65, 2003. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1111/1469-5812.00016. Acesso: 14 Abr. 2019.

MÖLLMANN, Andrea Dorothee Stephan. O legado da Bildung. Porto Alegre, 2010. Tese (doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 2010.

NIETZSCHE. F. Carta sobre Espinosa. Trad. Homero Santiago. Cadernos Espinosanos. n. 16, 2007. Disponível emhttp://www.revistas.usp.br/espinosanos/article/viewFile/89306/92183. Acesso: 20/02/2017.

NOGUEIRA, Daniel. Spinosa e a arte. Revista Conatus. v. 4. n. 8. Dez, 2010. Disponível em: http://www.seer.uece.br/?journal=Conatus&page=article&op=view&path%5B%5D=1782. Acesso: 29 de abr. 2019.

OLIVEIRA, Fernando Bonadia. O lugar da educação na filosofia de Espinosa. 2008. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/251810>. Acesso: 12 de mar. 2019.

PLATÃO. A República. Trad: Maria Helena da Rocha Pereira. 8. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1995.

RAJOBAC, Raimundo. Bildung enquanto formação estética no jovem Nietzsche. Porto Alegre: Edipucrs, 2013.

REICHENBACH, Roland. Beyond Sovereignty: The twofold subversion of Bildung. Educational Philosophy and Theory, vol. 35, n. 2, p. 201-9, 2003. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/pdf/10.1111/1469-5812.00019. Acesso: 15 abr. 2019.

WEBER, José Fernandes. Formação (Bildung), educação e experimentação em Nietzsche. Londrina: Eduel, 2011.

Publicado
2020-11-26
Como Citar
Rajobac, R., & Garcia, F. F. (2020). Música como problema de formação (Bildung): Espinosa, corpo e afecções. Educação, 43(2), e35973. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.2.35973
Seção
Dossiê: Formação em Movimento