A complementaridade de pais e de profissionais na avaliação em Intervenção Precoce

Palavras-chave: Intervenção Precoce, Avaliação, Pais, Profissionais, Transtorno do Espectro do Autismo

Resumo

O estudo teve por objetivo analisar a convergência entre pais e profissionais relativamente à avaliação da área da interação social em crianças com TEA, entre 3 e 6 anos, apoiadas pelo sistema de intervenção precoce em Portugal. A metodologia é de natureza quantitativa correlacional e a amostra foi constituída por 128 crianças com TEA. Os resultados concluem que os pais avaliam mais positivamente, a dimensão da interação social, comparativamente com os profissionais; a variável idade influenciou a avaliação de pais e de profissionais, verificando-se uma relação positiva entre as competências e o avanço da idade das crianças; as variáveis formação inicial, anos de experiência dos profissionais no apoio a crianças com TEA, nível educacional e profissional dos pais não influenciaram os resultados ao nível da interação social. A investigação sugere a importância da intervenção precoce, priorizando as relações de colaboração entre pais e profissionais no processo de avaliação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula da Silva Pereira, Instituto de Educação da Universidade do Minho (IE-UM), Braga

Doutora em Educação Especial pela Universidade do Minho (UM, Braga, Portugal), investigadora do Centro de Investigação em Educação (CIEd), Professora do Departamento de Psicologia da Educação e Educação Especial do Instituto de Educação da Universidade do Minho, Braga, Portugal.

Andréa Perosa Saigh Jurdi, Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), São Paulo, SP

Pós Doutorada em Estudos da Criança pelo Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM, Braga, Portugal), Professora Associada do Curso de Terapia Ocupacional e do Departamento Saúde, Educação e Sociedade da Universidade Federal de São Paulo, Brasil.

Helena Isabel Silva Reis, Instituto Politécnico de Leiria (IPL), Leiria

Doutorada em Estudos da Criança pelo Instituto de Educação da Universidade do Minho (UM, Braga, Portugal), Professora na Escola Superior de Saúde de Leiria (ESSLei) no Politécnico de Leiria, Leiria, Portugal.

Referências

Ameida, L., & Freire, T. (2008). Metodologia da Investigação em Psicologia da Educação. Braga: Psiquilíbrios Edições.

Bagnato, S. (2007) Authentic assessment for early childhood intervention: Best practices. New York: The Guilford Press.

Bagnato, S., & Levan, R. (2007). Can professionals “Test without Tests” for authentic assessment?. In S. Bagnato (Ed.), Authentic Assessment for Early Childhood Intervention (pp. 98-116). New York: The Guildford Press.

Braz, F., & Salomão, N. (2002). A fala dirigida a meninos e meninas: Um estudo sobre o input materno e suas variações. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15(2), 333-344. https://doi.org/10.1590/S0102-79722002000200011.

Butt, L., & Caplan, B. (2010). The Rehabilitation Team. In R. Frank, M. Rosenthal & B. Caplan (Eds.), Handbook of Rehabilitation Psychology (pp. 451-457). Washington: American Psychological Association. https://doi.org/10.1037/15972-032.

Cartmill, C., Soklaridis, S., & Cassidy, D. (2011). Transdisciplinary teamwork: The experience of clinicians at a functional restoration program. Journal of Occupational Rehabilitation, 21(1), 1-8. https://doi.org/10.1007/s10926-010-9247-3.

Division for Early Childhood. (2014). DEC recommended practices in early intervention/early childhood special education 2014. http://www.dec-sped.org/recommendedpractices.

Dunst, C. (2000). Revisiting “rethinking early intervention. Topics in Early Childhood Special Education. 20(2), 95-104. https://doi.org/10.1177/027112140002000205.

Dunst, C. J. (2007). Early intervention for infants and toddlers with developmental disabilities. In Odom, S. L., Homer, R. H., Snell, M., & Blacher J. (Eds.), Handbook of developmental disabilities (pp. 161-180).

New York: Guilford Press.

Dunst, C., & Bruder, M.B. (2002). Valued outcomes of service coordination, early intervention and natural environments. Exceptional Children, 68(3), 361-375. https://doi.org/10.1177/001440290206800305.

Dunst, C., Raab, M., Trivette, C., & Swanson, J. (2012). Oportunidades de aprendizagem para a criança no quotidiano da comunidade. In R. Macwilliam (Ed.), Trabalhar com as famílias de crianças com necessidades especiais (pp. 73-96). Porto: Porto Editora.

Dunst, C., Trivette, C., & Deal, A. (1988). Enabling and Empowering Families: principles and guidelines for practice. Cambridge, MA: Brookline Books.

Dunst, C., Bruder, M.B., & Espe-Sherwindt, M. (2014). Family Capacity-Building in Early Childhood Intervention: Do Context and Setting Matter?. School Community Journal. 24(1), 37-48.

Filipe, C. (2012). Autismo – conceitos, mitos e preconceitos. Lisboa: Verbo.

Grisham-Brown, J., & Pretti-Frontckzak (2011). Assessing Young Children in Inclusive Settings: the blended practices approach. Baltimore: Paul Brooks.

Hortal, C., Bravo, A., Mitja, S., & Soler, J. (2011). Alumnado com transtorno del espectro autista.. Barcelona: Editorial GRAÓ.

King, M., & Bearmen, P. (2011). Socioeconomic status and the increased prevalence of autism in California. Americam Sociological Review, 76(2), 320-346. https://doi.org/10.1177/0003122411399389.

Lima, C., & Levy, P. (2012). A causa do autismo: Investigação etiopatogénica. In C.B. Lima (Ed.), Perturbações do Espectro do Autismo- manual prático de intervenção (pp. 13-22). Lisboa: LIDEL.

Lopes, R.C., Vivian, A., Oliveira, D., Silva, C., & Piccinni, C.A. (2009). Quando eles crescem, eles voam: Percepções e sentimentos maternos frente ao desenvolvimento infantil aos 18-20 meses. Psicologia em Estudo, 14(2), 221-232. https://doi.org/10.1590/S1413-73722009000200002.

Lyra, M.C., & Moura, M.L.(2000). Desenvolvimento na interação social e no contexto histórico-cultural: adequação entre perspectiva teórica e metodologia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 13(2), 62-71. https://doi.org/10.1590/S0102-79722000000200002.

Macy, M., Bagnato, S., Macy, R., & Salaway, J. (2015). Conventional tests and testing for early intervention eligibility. Is there an evidence base? Infants & Young Children, 28(2), 182-204. https://doi.org/10.1097/IYC.0000000000000032.

Magalhães, S., Pereira, A.P. (2013). A Avaliação do Desenvolvimento em Intervenção Precoce: perceções das famílias portuguesas. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxia e Educacion, 21(1), 149-164.

Mcwilliam, R. (2010). Routines-based Early Intervention. Baltimore, MD: Paul H. Brooks Publishing Co.

Mcwilliam, P. (2003). Repensar a avaliação da criança. In P. Mcwilliam, P. Winton, & E. Crais (Eds.), Estratégias Práticas para a Intervenção Precoce Centrada na Família (pp. 65-79). Porto: Porto Editora.

Oliveira, E., Frizzo, G., & Marin, A. (2000). Atitudes maternas diferenciais para meninos e meninas de quatro e cinco anos. Psicologia: Reflexão e Crítica, 13(3), 363-371. https://doi.org/10.1590/S0102-79722000000300005.

Paasche, L., Gorrill, L., & Storm, B. (2010). Crianças com Necessidades Especiais em Contextos de Educação de Infância. Porto: Porto Editora.

Pacheco, J., & Silveira, L. (2008). Estilos e práticas educativas parentais: análise da relação desses construtos sob a perspectiva dos adolescentes. Psicologia, 39(1), 66-73.

Paynter, J., Scott, J., Beamish, W., Duhig, M., & Heussler, H. (2012). A Pilot study of the effects of an australian centre-based early intervention program for children with autism. Open Pediatric Medicine Journal, 6, 7-14. https://doi.org/10.2174/1874309901206010007.

Pereira, A.P., & Serrano, A.M. (2014). Early Intervention in Portugal: Study of professionals perceptions. Journal of Family Social Work, 17(3), 263-282. https://doi.org/10.1080/10522158.2013.865426.

Pimentel, J. (2004). Avaliação de programas de intervenção precoce. Análise Psicológica, 1(XXII), 43-54.

Reis, H., Pereira, A.P., & Almeida, L. (2013). Construção e validação de um instrumento de avaliação do perfil desenvolvimental de crianças com perturbação do espectro do autismo. Revista Brasileira de Educação Especial, 19(2),183-194. https://doi.org/10.1590/S1413-65382013000200004.

Reis, H., Pereira, A.P., & Almeida, L. (2018). Intervention Effects on Communication Skills and Sensory Regulation on Children with ASD. Journal of Occupational Therapy, Schools, & Early Intervention,11(3), 346-359. https://doi.org/10.1080/19411243.2018.1455552.

Scmidt, C. (2012). O autismo: Uma análise do filme. Revista Brasileira Educação Especial, 18(2), 179-194. https://doi.org/10.1590/S1413-65382012000200002.

Serrano, A. M., & Pereira, A. P. (2011). Parâmetros Recomendados para a Qualidade da Avaliação em Intervenção Precoce. Revista Educação Especial, 24(40), 63-180.

Siegel, B. (2008). O Mundo da Criança com Autismo: Compreender e tratar perturbações do espectro do autismo. Porto: Porto Editora.

Swanson, J., Raab, & M., Dunst, C. (2011). Strengthening Family Capacity to Provide Young Children Everyday Natural Learning Opportunities. Journal of Early Childhood Research, 9(1), 66-80. https://doi.org/10.1177/1476718X10368588.

Publicado
2020-05-25
Como Citar
Pereira, A. P. da S., Jurdi, A. P. S., & Silva Reis, H. I. (2020). A complementaridade de pais e de profissionais na avaliação em Intervenção Precoce. Educação, 43(1), e35318. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.1.35318
Seção
Outros Temas