Narrativas digitais e ciberliteratura infantil

Uma experiência-formativa com crianças na segunda infância

Palavras-chave: Narrativas, literatura, cultura digital, experiência, crianças

Resumo

Objetiva discutir a utilização das narrativas literárias digitais como possibilidade para a formação de leitores na segunda infância, tendo como análise os apontamentos e vivências de uma experiência exploratória, realizada com crianças de 05 e 06 anos de idade numa escola de educação infantil. Prioriza os achados, os sentimentos e interlocuções das crianças com o uso de dispositivos digitais de acesso a literatura, destacando suas potencialidades enquanto recurso capaz de ampliar os repertórios de linguagens, estimulando e ampliando as experiências relacionadas às aprendizagens infantis, com destaque para funções cognitivas, tais como: imaginação, abstração, curiosidade, atenção e criação, necessárias a essa fase de desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andrea Karla Ferreira Nunes, Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), SE, Brasil; professora titular do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Tiradentes (UNIT), em Aracaju, SE, Brasil. Líder do Grupo de Pesquisa Educação, Tecnologias e Contemporaneidade (GPETEC).

 
Vinicius Silva Santos, Universidade do Estado da Bahia (UNEB/Campus VIII), Paulo Afonso, BA, Brasil.

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), SE, Brasil; professor Assistente da Universidade do Estado da Bahia (UNEB/Campus VIII/), em Paulo Afonso, BA, Brasil. Membro líder do Grupo
de Pesquisa em Formação de Professores, Educação e Contemporaneidade (FORPEC) da UNEB/CNPq.

 
Jacques Fernandes Santos, Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, SE, Brasil.

Mestre em Gestão do Desenvolvimento Local Sustentável pela Universidade de Pernambuco (UPE/FCAP),
PE, Brasil; professor do Instituto Federal de Alagoas (IFAL), Campus Santana do Ipanema, AL, Brasil. Membro do Grupo de Pesquisa Educação, Tecnologias e Contemporaneidade (GPETEC/UNIT/CNPq).

 
Camila Gomes Santos da Silva, Universidade do Estado da Bahia (UNEB/Campus VIII), Paulo Afonso, BA, Brasil.

Graduada em Pedagogia na Universidade do Estado da Bahia (UNEB/Campus VIII), em Paulo Afonso, BA,
Brasil. Possui cursos de LIBRAS e atuação na Educação de Surdos na modalidade EJA. Membro do Grupo de
Pesquisa em Formação de Professores, Educação e Contemporaneidade (FORPEC) da UNEB/CNPq.

 

Referências

Alves, N. (2007). As múltiplas formas de narrar a escola. Revista Currículo Sem Fronteiras, 7(2), 5-7.

Barros, M. (2016). Poesia Completa. Leya.

Chartier, R. (1994). Do códex à tela: as trajetórias do escrito. In Chartier, R., A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII (pp. 95-111). UnB.

Greenfield, P. M. (1988). O desenvolvimento do raciocínio na era da eletrônica: os efeitos da TV, computadores e

videogames (tradução de Cecília Bonamine). Summus.

Lago, M. P, & Mozzer, G. N. S. (2014). A dimensão simbólica da virtualidade na composição do espaço criativo e interativo da criança. In S. Lucena, Cultura digital, jogos eletrônicos e educação (pp. 12-16). EDUFBA.

Larrosa, J. (2017). Pedagogia Profana: danças, piruetas e máscaras (ed. rev. e ampl.). Autêntica.

Levin, E. (2007). Rumo a uma infância virtual?: a imagem corporal sem corpo. Vozes.

Lévy, P. (2014). A Inteligência Coletiva: por uma Antropologia do Ciberespaço (9. ed., tradução de Luiz Paulo Rouanet). Edições Loyola.

Lucena, S. (2016). Culturas digitais e tecnologias móveis na educação. Educar em Revista, (59), 277-290.

Prado, A. L., Laudares, E. M. de A., Viegas, P. P. C., & Goulart, I. do C. V. (2017). Narrativas digitais: conceitos e contextos de letramento. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, 12(esp. 2), 1156-1176. https://doi.org/10.21723/riaee.v12.n.esp.2.10286.

Roberto, S. (2015). Pesquisar a experiência: compreender/ mediar saberes experienciais. CRV.

Machado, M. C, & Axt, M. (2014). Entre avatares do virtual e personagens da Literatura: a estética da persona Infantil. In T. M. Hetkowski, D. N. Muller, M. Axt, Cultura Digital e Espaço Escolar: diálogos sobre jogos, imaginário e crianças (pp. 53-80). EDUNEB.

Tânia, M. H, Daniel, N. M., Margaret, A., Martins, V., & Santos, E. (2019). A educação na palma das mãos: a construção da pedagogia da hipermobilidade em uma pesquisa-formação na Cibercultura. In E. Santos, & C. Porto, App-Education: fundamentos, contextos e práticas educativas luso-brasileiras na cibercultura (pp. 31-54). EDUFBA.

Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR – NIC.br. (2017). Pesquisa sobre o uso da Internet por crianças e adolescentes no Brasil: TIC Kids Online Brasil - 2017. http://cetic.br/pt/arquivos/kidsonline/2017/criancas.

Prensky, M. (2019). Educación para mejorar el mundo: Cómo liberar el potencial de los niños del siglo XXI.

Biblioteca Inovação Educativa. Ediciones SM.

Santos, V. S., & Schneider, H. N. (2020). Mediações-lives e Aprendizagens Etnocenológicas por Jovens com os

Dispositivos Digitais, durante a Pandemia da Covid-19.

Revista Brasileira de Informática na Educação - RBIE, 28, 892-908. http://dx.doi.org/10.5753/rbie.2020. Santos, V. S., Santos, J. F., & Schneider, H. N. (2020). Culturas Juvenis, Socialidade e Educação: elementos para (re)pensar a formação humana na cibercultura. Revista Interfaces Científicas - Educação, 10(2), 11-24. https://doi.org/10.17564/2316-3828.2020v10n2p11-24.

Santos, S. V. C. de A., & Lucena, S. (2019). Tecnologias digitais na educação: tecendo novas experiências formativas com professores da educação básica. Revista Série-Estudos, 24(51), 121-141.

Scheibe, C. (2009). Piaget e os Power Rangers: o que as teorias da psicologia do desenvolvimento pode dizer

sobre a crianças e a mídia? In Mazarella, R. S; Alexander, A. (Orgs.), Os jovens e a mídia (pp. 86-98). Artmed.

Schneider, H. N., Santos, V. S., & Santos, J. F. (2020). Cultura Juvenil, Dependência Digital e Contingência Rios Eletrônica (FASETE), 23, 41-54.

Soares, M. (2002). Novas Práticas de Leitura e Escrita: letramento na cibercultura. Educ. Soc., 23(81). https://doi.org/10.1590/S0101-73302002008100008.

Tapscott, D. (2010). A hora da Geração Internet: como os jovens que cresceram usando a internet estão mudando tudo, das empresas aos governos (tradução de Marcelo Lino). Agir Negócios.

Comitê Gestor da Internet no Brasil – CGI. (2016). Tic Kids Online Brasil. Pesquisa sobre o uso da internet

por crianças e adolescentes no Brasil / Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR, São Paulo.

Recuperado em 12 de abril de 2021, de http://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/TIC_KIDS_ONLINE_2016_LivroEletronico.p

Vygotsky, L. S. (2007). A formação Social da Mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores (7. ed., organização de Michael Cole... et al., tradução de José Cipolla Neto, Luís Silveira Menna Barreto e Solange Castro Afeche). Martins Fontes.

Publicado
2021-06-21
Como Citar
Nunes, A. K. F., Santos, V. S., Santos, J. F., & da Silva, C. G. S. (2021). Narrativas digitais e ciberliteratura infantil: Uma experiência-formativa com crianças na segunda infância. Educação, 44(1), e34107. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2021.1.34107
Seção
Outros Temas