Selfie

Espetacularização do eu e pedagogias no Instagram Stories

Palavras-chave: tecnologia educacional, selfie, pedagogias culturais, especularização do eu, instagram stories

Resumo

O artigo apresenta resultados de uma pesquisa e tem como objetivo analisar publicações de selfies de um grupo de jovens no Instagram Stories. O principal argumento é de que esses jovens se valem de performances apropriadas através de pedagogias circulantes para espetacularizar a si nesta rede social. A fundamentação teórica considerou estudos nos campos das pedagogias culturais e da cibercultura aplicada à educação, notoriamente, os conceitos de visibilidade, performance e espetacularização do eu, atrelados às redes sociais digitais e em torno da denominada era da mobilidade, na qual as tecnologias móveis possibilitam a circulação de autorretratos digitais. O método utilizado foi o da pesquisa qualitativa, descritiva e analítica de cunho netnográfico. O artigo conclui que os jovens estudados espetacularizam suas vidas por meio de selfies para manutenção de visibilidade no Instagram Stories e, por conseguinte, evidenciam pedagogias e modos de ser que circulam nesta funcionalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana Dourado França de Souza, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Mestra e Doutoranda em Educação (PGEDU/UFBA), em Salvador, BA, Brasil. Participa do Grupo de Pesquisa Educação, Redes Sociotécnicas e Culturas Digitais (EDUTEC) e do Grupo de Pesquisa Educação Comunicação e Tecnologias (GEC).

Edvaldo Souza Couto, Universidade Federal da Bahia (UFBA), Salvador, BA, Brasil.

Doutor em Educação (FE/UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil. Professor Titular na Faculdade de Educação (FACED/UFBA), em Salvador, BA, Brasil. Líder do Grupo de Pesquisa Educação, Redes Sociotécnicas e Culturas Digitais (EDUTEC) e um dos Coordenadores do Grupo de Pesquisa Educação Comunicação e Tecnologias (GEC). Bolsista em Produtividade e Pesquisa, Pq2, CNPq.

Referências

Amaral, A., Natal, G. & Viana, L. (2008). Netnografia como Aporte Metodológico da Pesquisa em Comunicação Digital. Revista Sessões do Imaginário, 2(20), 34-40. https://revistaseletronicas.pucrfile:///C:/Users/edval/AppData/Local/Temp/4829-Texto%20do%20artigo-15991-1-10-20090312.pdfs.br/ojs/index.php/famecos/article/view/4829

Batista, G. & Rodrigues, R. (2014, setembro). A Construção de Identidade na “Geração Fitness” do Instagram: a representação do eu e do corpo no ciberespaço. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Foz do Iguaçu, Paraná, Brasil, 37. http://www.intercom.org.br/sis/2014/resumos/R9-1378-1.pdf

Camozzato, V. & Costa, M. (2013). Vontade de pedagogia–pluralização das pedagogias e condução de sujeitos. TESTE, 44, 22-44. https://doi.org/10.15210/caduc.v0i44.2737

Cervo, A., Bervian, P. & Silva, R. (1996) Metodologia Científica: para uso dos estudantes universitários. Makron Books.

Couto, E. (2015) Vida privada na esfera pública: narrativas de corpos e sexualidades nas redes sociais digitais. Entreideias, Salvador, 4(1),163-183. https://doi.org/10.9771/2317-1219rf.v4i1.8710

Costa, T. (2016). A beleza em tempos de Serfie: retratos fotográfcos e uma intimidade criada. Conclusão de Curso. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Disponível: http://pantheon.ufrj.br/handle/11422/555

Costa A, M. & Andrade, P. (2015). Na produtiva confluência entre educação e comunicação, as pedagogias culturais contemporâneas. Perspectiva, 33, 843-862. https://doi.org/10.5007/2175-795X.2015v33n2p843

Debord, G. (1997). A Sociedade do Espetáculo: comentários sobre a sociedade do espetáculo. Contraponto. Fernandes, A. (2015). Selfie: A força comunicacional do autorretrato que as redes sociais reinventaram [Dissertação de Mestrado, Universidade do Minho]. http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/40845

Han, B. (2017). Sociedade da transparência. Vozes. Llosa, M. (2013). A Civilização do Espetáculo: uma radiografia do nosso tempo e da nossa cultura. Objetiva.

Minayo, M., Gomes, R. & Delandes, S. (2009). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Vozes.

Montardo, S. (Org.). (2018). #Selfies: subjetividades e tecnologia. Sulina.

Piza, M. (2012) O Fenômeno Instagram: considerações sob a perspectiva tecnológica [Monografia de Graduação, Universidade de Brasília]. http://bdm.unb.br/bitstream/10483/3243/1/2012_MarianaVassalloPiza.pdf

Recuero, R. (2014) Redes sociais na internet. Sulina. Santana, C. & Couto, E. (2017). Estratégias de visibilidade e ações docentes no Twitter. Educação, 42(2), 435-450. http://dx.doi.org/10.5902/198464442255

Sibilia, P. (2019) O show do eu: A intimidade como espetáculo. Nova Fronteira.

Sibilia, P. (2013). A construção de si como um personagem real: autenticidade intimista e declínio da ficção na cultura contemporânea. ECO-Pós, 15(3), 22-46. https://doi.org/10.29146/eco-pos.v15i3.870

Sibilia, P. (2015). Autenticidade e performance: a construção de si como personagem visível. Fronteirasestudos midiáticos, 17(3), 353-364. https://doi.org/10.4013/fem.2015.173.09

Souza, J. & Couto, E. (2020). Felicidade em gif. Pedagogias dos minivídeos em loop no instagram stories. ETD - Educação Temática Digital, 22(4), 931–947. https://doi.org/10.20396/etd.v22i4.8655338

Souza, J. & Couto, E. (2016) Snapchat: viver e aprender em meio a mensagens autodestrutivas. In Couto, E., Porto, C., Santos, E. App-learning: experiências de pesquisa e formação (pp. 81-124). EDUFBA.

Sturm, H. (2013, Dez. 14) Do selfie ao unselfie. A prática do autorretrato nas redes sociais. Jornal Zero Hora. https://gauchazh.clicrbs.com.br/geral/noticia/2013/12/do-selfie-ao-unselfie-a-pratica-doautorretrato-nas-redes-sociais-4364454.html

Veras, M. (2018). Selfie logo existo. Corrupio.

Publicado
2021-12-31
Como Citar
Souza, J. D. F. de, & Couto, E. S. (2021). Selfie: Espetacularização do eu e pedagogias no Instagram Stories. Educação, 44(3), e33202. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2021.3.33202
Seção
Outros Temas