Autonomia e responsabilidade

Trajetórias no processo de tornar-se professora

Palavras-chave: autonomia, formação de professores, educação centrada em estudantes

Resumo

A partir das reflexões de duas formandas de Pedagogia acerca de uma experiência de prática pedagógica vivenciada em uma disciplina no primeiro semestre do curso, discute-se acerca da construção da autonomia e da responsabilidade no meio acadêmico. Entendendo que se fazia necessário despertar em estudantes o interesse pelo aprendizado, a docente pautou-se em Carl Rogers para elaborar a disciplina de modo a promover um ambiente onde estudantes fossem conscientes e ativos no processo de construção de conhecimentos. Especificamente no tocante à formação de professores, entende-se que é ainda mais vital que exista e se amplie esse tipo de experiência ao longo da graduação, tanto com vistas a uma formação de mais envolvimento e qualidade quanto no fomento de novas práticas pedagógicas na educação básica por meio da atuação de estudantes que se tornam docentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Crespo Lopes, Charles University, em Praga, República Tcheca.

Doutora na área de Desenvolvimento Humano e Educação (UnB), em Brasília, DF, Brasil; psicóloga pela Universidade Federal de Santa Catarian (UFSC), em Florianópolis, SC, Brasil; pedagoga pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Pesquisadora de Pós-doutorado na Faculdade de Educação da Charles University, em Praga, República Tcheca.

Suzana Maria do Nascimento Magalhães, Universidade de Brasília (UnB) Brasília, DF, Brasil.

Graduada em Pedagogia pela Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil.

Ana Luísa Lopes Lima Moura, Secretaria de Educação do Distrito Federal, Brasília, DF, Brasil.

Graduada em Pedagogia pela Universidade Federal de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil; professora temporária da Secretaria de Educação do Distrito Federal, em Brasília, DF, Brasil.

Lucia Helena Cavasin Zabotto Pulino, Universidade de Brasília (UnB) Brasília, DF, Brasil.

Doutora em Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas, SP, Brasil; professora associada do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília (UnB), em Brasília, DF, Brasil

Referências

Alhija, F. N. (2017) Teaching in higher education: Good teaching through students’ lens. Studies in Educational Evaluation, 54, 4-12. http://dx.doi.org/10.1016/j.stueduc.2016.10.006

Alves, R. (2011). A escola com que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir. Papirus.

Borochovicius, E., & Tortella, J. (2014). Aprendizagem Baseada em Problemas: um método de ensinoaprendizagem e suas práticas educativas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas e Educação, 22(83), 263-294. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-40362014000200002

Carvalho, T. R., Pinheiro, P. O., & Guedes, N. C. (2013). A importância do coletivo na construção do projeto político pedagógico. Anais do XI Congresso Nacional de Educação, Curitiba, 3094-3103 http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2013/7630_4871.pdf

Caliari, K. V., Zilber, M. A., & Perez, G. (2017). Tecnologias da Informação e Comunicação como Inovação no Ensino Superior Presencial: Uma Análise das Variáveis que influenciam na sua Adoção. Revista de Gestão, 24(3), 247-255. https://doi.org/10.1016/j.rege.2017.05.003

Ferreira, J. L., Carpim, L., & Behrens, M. A. (2013). O professor universitário construindo conhecimentos inovadores para uma prática complexa, colaborativa e dialógica. Revista Diálogo Educacional, 13(38), 69-84. http://dx.doi.org/10.7213/rde.v13i38.7829

Fragelli, T. & Fragelli R. (2016). Método trezentos: uma experiência de aplicação na área da saúde. Educação: Ciência e Saúde, 3(1), 1-10. http://dx.doi.org/10.20438/ecs.v3i1.59

Fragelli, R. & Fragelli, T. (2017a) Trezentos: a dimensão humana do método. Educar em Revista, 63, 253-265. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.46800

Fragelli, R. & Fragelli, T. (2017b) Summaê: um espaço criativo para aprendizagem. Revista Diálogo Educacional, 17(52), 409-430. http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.17.052.DS05.

Guedes, J. V., Silva, A. M., & Garcia, L. T. (2017). Projeto político-pedagógico na perspectiva da educação em direitos humanos: um ensaio teórico. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 98(250), 580-595. http://dx.doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.98i250.2991

Hounsell, D., & Mccune, V. (2002). Teaching-Learning Environments in Undergraduate Biology: Initial Perspectives and Findings Occasional Report 2. Economic and Social Research Council. http://www.etl.tla.ed.ac.uk

Körkkö, M., Kyro-Ämmälä, O., & Turunen, T. (2016). Professional development through reflection in teacher education. Teaching and Teacher Education, 55, 198-206. http://dx.doi.org/10.1016/j.tate.2016.01.014

Lamers, J. M.., Santos, B. S., & Toassi, R. F. (2017). Retenção e evasão no ensino superior público: Estudo de caso em um curso noturno de odontologia. Educação em Revista, 33, 1-26. https://dx.doi.org/10.1590/01024698154730

López, M. (2017). European Higher Education AreaDriven Educational Innovation. Procedia - Social and Behavioral, 237, 1505-1512. http://doi.org/10.1016/j.sbspro.2017.02.237

Mccune, V., & Entwistle, N. (2011). Cultivating the disposition to understand in 21st century university education. Learning and Individual Diferences, 21(3), 303-310. http://doi.org/10.1016/j.lindif.2010.11.017

Neill, A. S. (1980). Liberdade sem medo. Instituição Brasileira de Difusão Cultural.

Nordal, E., Isoski, T., & Todorovski, B. (2015). Overview on Student-centred learning in Higher Education in Europe: Research Study. European Student´s Union. https://www.esu-online.org/?publication=overview-on-studentcentred-learning-in-higher-education-in-europe

Pacheco, J. (2014). Escola da Ponte: Formação e Transformação da Educação. Editora Vozes.

Pinho, A., Dourado, L., Aurélio, R., & Bastos, A. (2015). A transição do ensino médio para a universidade: um estudo qualitativo sobre os fatores que influenciam este processo e suas possíveis consequências comportamentais. Revista de Psicologia, 6(1), 33-47. http://www.periodicos.ufc.br/psicologiaufc/article/view/1691/1482

Pulino, L. H. (2017). Narrativas, infância e educação: reflexões e perspectivas. Linhas Críticas, 23(51), 412-427. https://doi.org/10.26512/lc.v23i51.8240

Renninger, K. A., & Hidi, S. (2016). The power of interest for motivation and learning. Routledge.

Ribeiro, M., Mussi, A., & Farias, I. (2014). Práticas pedagógicas inovadoras no contexto da Educação Superior. In M. Lima, M Cavalcante, J. Sales, & I. Farias (Eds.), Didática e Prática de Ensino na relação com a Escola (pp. 412-430). Editora da Universidade Estadual do Ceará, http://uece.br/endipe2014/index.php/

Rogers, C. (1983). Um jeito de ser. EPU.

Rogers, C. (1986). Liberdade de aprender em nossa década. Artes Médicas.

Rogers, C. (1997). Tornar-se pessoa. Martins Fontes

Sandall, L., Mamo, M., Speth, C., Lee, D., Kettler, T. (2014). Student Perception of Metacognitive Activities in EntryLevel Science Courses. Natural Sciences Education, 43(1), 25-32. http://doi.org/10.4195/nse2013.06.0021

Publicado
2021-09-16
Como Citar
Lopes, J. C. ., Magalhães, S. M. do N. ., Moura, A. L. L. L. ., & Pulino, L. H. C. Z. . (2021). Autonomia e responsabilidade: Trajetórias no processo de tornar-se professora. Educação, 44(2), e33183. https://doi.org/10.15448/1987-2582.2021.2.33183
Seção
Outros Temas