O espiritografista contemporâneo

Um fazer poético tradutório na educação

Palavras-chave: educação, tradução, poética

Resumo

O texto dá a ver um fazer poético tradutório espiritográfico possível na educação contemporânea. Defende que o espiritografista ocupa três lugares funcionais e de auto formação constante – do estudante, do escritor e do educador (EEE) – em laboratório próprio e singular que age através da variação de si. Toma o método espiritográfico como agente capaz de movimentar corpo-espírito-mundo, para realizar processos tradutórios didáticos no espaço da aula. Utiliza-se dos variados procedimentos de escrita do pensador e poeta Paul Valéry e os transforma em processos experimentais e literários que ativam o eu-empírico de um espírito aventureiro que lê e escreve. Mostra e conclui que o professor-pesquisador, ao valer-se dos procedimentos de tal método, dissemina aventuras didáticas do desejo de educar, transcriando por esta via a realidade curricular. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Idalina Krause de Campos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; professora e pesquisadora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em Porto Alegre, RS, Brasil. Pesquisadora na Rede de Pesquisa Escrileituras da Diferença em Filosofia-Educação UFRGS.

Luiz Daniel Rodrigues Dinarte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS.

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS, Brasil; Tradutor e Intérprete de Libras na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS.

Sandra Mara Corazza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, RS.

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS); professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, RS.

Referências

Aslanov, C. (2015) A tradução como manipulação. São Paulo: Perspectiva, Casa Guilherme de Almeida.

Bachelard, G. (1994). O direito de sonhar. (J. A. M. Pessanha, Trad., 3. ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Barthes, R. (2006). O prazer do texto. (J. Guinsburg, Trad.). São Paulo: Perspectiva.

Benjamin, W. (2008) A tarefa do tradutor. (S. K. Lages, Trad.). Belo Horizonte: Fale/UFMG.

Bergson, H. (1999) Matéria e Memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. Tradução (P. Neves, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.

Campos, A. (1984) Paul Valéry: a serpente e o pensar. São Paulo: Brasiliense.

Campos, H. (2013). Transcriação. São Paulo: Perspectiva.

Chevalier, J. (1998) Dicionário de símbolos (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números).

Tradução (V. C. e Silva, Trad., 12. ed.). Rio de Janeiro: José Olympio.

Corazza, S. M. (2010) Introdução ao Método Biografemático. In L. B. da Costa, & T. M. G Fonseca (Org.)., Vidas do Fora: habitantes do silêncio (pp. 85-107). Porto Alegre.

Corazza, S. M. (2012) Método Valéry-Deleuze: um drama na comédia intelectual da educação. Educação & Realidade, 37(3), 1009-1030. https://doi.org/10.1590/S2175-62362012000300016

Corazza, S. M. (2013) Didática-artista da tradução: transcriações. Mutatis Mutandis: Revista Latinoamericana de Traducción, 6(1), 185-200. Acessado em 14 de dezembro de 2015, http://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/.

Corazza, S. M. (2014) Projeto de Pesquisa de Produtividade (CNPq). Didática da Tradução, transcriações do currículo: escrileituras da Diferença (2014-2019). Porto Alegre.

Deleuze, G. (1991) Nietzsche e a Filosofia. (R. Joffily e E. F. Dias, Trad.). São Paulo: Brasiliense.

Deleuze, G. (2006) Diferença e Repetição. (L. Orlandi e R. Machado, Trad.). Rio de Janeiro: Graal.

Derrida, J. (1999) Gramatologia. (M. Shneiderman e R.J. Ribeiro, Trad.). São Paulo: Editora Perspectiva.

Nietzsche, F. W. (1919) Obras Incompletas. (R. R. T. Filho, Trad.). São Paulo: Abril Cultural.

Nietzsche, F. W. (1996) Crepúsculo dos ídolos. Lisboa: Guimarães.

Sontag, S. (2013). A dama do mar. (F. F. de Melo, Trad.). São Paulo: n-1 edições.

Valéry, P. (1996). Eupalinos – Ou o arquiteto. Tradução (O. Reggiani, Trad.). São Paulo: Editora 34.

Valéry, P. (1997). Monsieur Teste. Tradução (C. Murachco, Trad.). São Paulo: Ática.

Valéry, P. (2009) Alfabeto. (T. Tadeu, Trad.). Belo Horizonte: Autêntica.

Valéry, P. (2011). Variedades. Trad. (M. M. Siqueira, Trad.). São Paulo: Iluminuras.

Valéry, P. (2016). Maus pensamentos & outros (P. Câmara, Trad.). Belo Horizonte: Ed. Âyiné.

Publicado
2020-09-01
Como Citar
Krause de Campos, M. I. ., Rodrigues Dinarte, L. D. ., & Corazza, S. M. (2020). O espiritografista contemporâneo: Um fazer poético tradutório na educação. Educação, 43(2), e31718. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.2.31718
Seção
Outros Temas