Formação sem fôrma: a singularidade do processo de ser professor da Educação Infantil

Palavras-chave: educação estética, formação de professores, pesquisas narrativas, pesquisas biográficas, pesquisas autobiográficas.

Resumo

Pesquisar sobre a formação docente ganha especial relevância nos tempos que correm. O biênio de 2016 e 2017 trouxe intensas mobilizações sociais em torno do projeto de sociedade que desejamos e o seu modelo democrático que hoje sofre um duro revés. São movimentos que impactam, necessariamente, o campo educacional. Pensar, portanto, a formação de professores, implica impreterivelmente levar em conta as forças e as pressões que esse campo está vivendo e que, ao que tudo parece indicar, continuará sofrendo. Nesse sentido, vale reafirmar com as nossas pesquisas e ações qual o professor que pretendemos formar. Diferente das perspectivas padronizadas que visam criar modelos únicos de ação, como a cultura do apostilamento, pretendemos discutir concepções de formação docente que considerem os sujeitos como autores dos seus processos formativos, pondo em destaque a potência constitutiva da Educação Estética e dos estudos voltados para as pesquisas narrativas e/ou de histórias de vida e (auto)biográficas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michelle Dantas Ferreira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Rio de Janeiro, RJ

Professora de Educação Infantil. Diretora Adjunta no Município do Rio de Janeiro, vinculada à Secretaria Municipal de Educação (SME). Mestranda em Educação na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) e pesquisadora do grupo Frestas (Formação e Ressignificação do Educador: Saberes, Troca, Arte e Sentidos), vinculado ao Núcleo Infância, Natureza e Arte (NINA) na mesma Universidade.

Adrianne Ogêda Guedes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Rio de Janeiro, RJ

Professora Associada à Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), atuando na graduação dos cursos de Pedagogia presencial e a distância e no Programa de Pós-Graduação em Educação – Mestrado/ PPGEDU da Unirio. Coordenadora do grupo Frestas (Formação e Ressignificação do Educador: Saberes, Troca, Arte e Sentidos), vinculado ao Núcleo Infância, Natureza e Arte (NINA) da mesma Universidade.

Referências

Alvarado-Prada, L. E. (2005). Pesquisa coletiva como um caminho na formação e professores. In Anais do 3° Encontro de Pesquisas em Educação da Universidade de Uberaba (pp. 626-637). Uberaba, MG.

André, M. (Org.). (2012). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores (Série Práticas Pedagógicas, 12a ed.). Campinas, SP: Papirus.

Arroyo, M. (2012). Corpos precarizados que interrogam nossa ética profissional. In M. R. Silva & M.

Arroyo (Orgs.). Corpo-infância: exercícios tensos de ser criança; por outras pedagogias dos corpos (pp. 23-54). Petrópolis, RJ: Vozes.

Benjamin, W. (1987). Obras escolhidas I: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense.

Chaves, I. (2000). A pesquisa narrativa: uma forma de evocar imagens da vida de professores. Revista Educação em Debate, 1(39), 86-93.

Duarte-Junior, J. F. (2000). O sentido dos sentidos: a educação (do) sensível (Tese de Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Duarte-Junior, J. F. (2010). A montanha e o vídeo-game: escritos sobre a educação. São Paulo, SP: Papirus.

Galeano, E. (1994). Palavras Andantes. Porto Alegre, RS: L&PM.

Josso, M. C. (2004). Experiências de Vida e Formação (J. Claudino & J. Ferreira, Trad.). São Paulo, SP: Cortez.

Kramer, S. (2008a). Histórias de formação: as entrevistas, seu contexto e procedimentos. In S. Kramer (Org.). Profissionais de educação infantil: gestão e formação (pp. 22-36). São Paulo, SP: Ática.

Kramer, S. (2008b). Na gestão da educação infantil, nós temos meninas no lugar de professoras? In S.

Kramer (Org.). Profissionais de educação infantil: gestão e formação (pp. 121-129). São Paulo, SP: Ática.

Kramer, S., Corsino, P., & Nunes, M. F. R. (2008a). Educar e cuidar: muito além da rima. In S. Kramer (Org.). Profissionais de educação infantil: gestão e formação (pp. 55-86). São Paulo, SP: Ática.

Kramer, S., Corsino, P., & Nunes, M. F. R. (2008b). Formação de profissionais da educação infantil: um desafio para as políticas municipais. In S. Kramer (Org.). Profissionais de educação infantil: gestão e formação (pp. 16-36). São Paulo, SP: Ática.

Kramer, S., Nunes, M. F. R., & Carvalho, M. C. (Orgs.). (2013). Educação Infantil: formação e responsabilidade. Campinas, SP: Papirus.

Larrosa, J. (1998). Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. Porto Alegre, RS: Contrabando. Larrosa, J. (2014). Tremores: escritos sobre experiência. Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Loponte, L. G. (2011). Arte e inquietudes estéticas para a educação. In M. C. P. Passos, & R. M. Ribes (Orgs). Educação: experiência estética (pp. 30-51). Rio de Janeiro, RJ: Nau.

Longarezi, A. M. (2013). Pesquisa-formação: um olhar para a sua constituição conceitual e política. Revista Contrapontos, 13(3), 214-225. https://doi.org/10.14210/contrapontos.v13n3.p214-225

Morin, E. (2007). O método 6: ética. Porto Alegre, RS: Sulina.

Mussi, A. de A., & Almeida, E. C. dos S. Profissionalidade docente: uma análise a partir das relações entre os professores e o contexto de trabalho no ensino superior. In Anais da 37a Reunião Nacional da ANPED da Universidade Federal de Santa Catarina (pp. 4-8). Florianópolis, SC. http://37reuniao.anped.org.br/wpcontent/uploads/2015/02/Trabalho-GT08-4324.pdf

Nóvoa, A. (Org.). (1999). Profissão Professor (Coleção Ciências da Educação). Portugal: Porto.

Nóvoa, A. (2009). Para uma formação de professores construída dentro da profissão. Revista de Educación, 350, 203-218. http://www.revistaeducacion.educacion.es/re350/re350_09por.pdf

Ostetto, L. E. (Org.). (2012). Educação Infantil: saberes e fazeres da formação de professores (Coleção Ágere). Campinas, SP: Papirus.

Ostetto, L. E. (2014). Danças Circulares na formação de professores: a inteireza de ser na roda. Florianópolis, SC: Letras Contemporâneas.

Ostetto, L. E. (2016). Formação de consumidores ou criadores? Cultura e arte na Educação Infantil. In M. Reis & R. R. Borges (Orgs.). Educação Infantil: Arte, Cultura e Sociedade. (pp. 315-336). Curitiba, PR: CRV.

Resende, C. (2008). O que pode um corpo? O método Angel Vianna de conscientização do movimento como um instrumento terapêutico. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 18(3), 563-574. https://doi.org/10.1590/S0103-73312008000300011

Sacristán, J. G. (1991). Consciência e ação sobre a prática como libertação profissional dos professores. In A. Nóvoa (Org.). Profissão professor (pp. 63-92). Portugal: Porto.

Schön, D. A. (2000). Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem (R. C. Costa, Trad.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Silva, C. S. B. da. (1999). Curso de pedagogia no Brasil: História e identidade. Campinas, SP: Autores Associados.

Souza, E. C. (2007). História de vida e práticas de formação: escrita de si e cotidiano escolar. In E. C.

Souza (Org.). Histórias de Vida e Formação de Professores. Boletim Salto para o Futuro, mar., 3-7.

Tardif, M. (2014). Saberes docentes e formação profissional (17a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Tardif, M., & Lessard, C. (2014a). O ofício de professor: história, perspectivas e desafios internacionais (L. Magalhães, Trad.; 6. ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Tardif, M., & Lessard, C. (2014b). O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas (J. B. Kreuch, Trad.; 9a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

Trezzi, Cl. (2011). Schiller e Freire: um olhar sobre a educação estética. Revista Eletrônica de Ciências da Educação, 10(1), 68-77.

Woods, P. (1999). Investigar a arte de ensinar. Portugal: Porto.

Publicado
2020-05-25
Como Citar
Ferreira, M. D., & Guedes, A. O. (2020). Formação sem fôrma: a singularidade do processo de ser professor da Educação Infantil. Educação, 43(1), e29757. https://doi.org/10.15448/1981-2582.2020.1.29757
Seção
Outros Temas