A rememoração do Genocídio de Ruanda e seus efeitos no presente democrático

Uma análise a partir da necropolítica midiática

Palavras-chave: Genocídio de Ruanda, Mídia, Necropolítica, Direito internacional, Democracia

Resumo

O presente trabalho possui como objetivo analisar a influência das narrativas disseminadas durante o genocídio de Ruanda (1994) para o presente democrático do país. Assim, o artigo utiliza como metodologia a pesquisa bibliográfica seguida de uma abordagem qualitativa, no intuito, primeiramente, de mapear os acontecimentos que foram causa do episódio e suas consequências, bem como o próprio conceito de genocídio. Posteriormente, será feita uma análise do papel da mídia como vetor de narrativas que instigavam a polarização ao longo do genocídio de Ruanda. E, por fim, será verificado a rememoração de tal episódio do século XX e como os efeitos desse processo inviabilizam o progresso democrático no país. Para tal realização, será utilizado como aporte teórico o conceito de necropolítica de Achile Mbembe.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Júlia dos Santos Acerbi, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Graduanda em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Lays Serpa de Souza de Oliveira e Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Graduanda pela Faculdade Nacional de Direito (UFRJ), no Rio de Janeiro, RJ, Brasil

Tiago Grossi Dornelas, Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Juiz de Fora, MG, Brasil.

Graduando em Direito pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Juiz de Fora, MG, Brasil.

Referências

Araujo, Cintia Ribeiro de. 2012. “O genocídio de Ruanda e a dinâmica da inação estadunidense.” Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas, UNESP/UNICAMP/PUC-SP. http://hdl.handle.net/11449/93738.

Campos, Paula Drumond Rangel 2006. “A norma internacional de genocídio: vícios e virtudes da Convenção de 1948.” Boletim do Núcleo de Direitos Humanos 2: 32-35.

Canêdo, Carlos. 1998. O genocídio como crime internacional. Belo Horizonte: Del Rey.

Cascais, Antônio. 2020. “Ruanda: 20 anos de liderança do “ditador benevolente”. DW, April 17, 2020. https://p.dw.com/p/3b1cH.

Daball, Melanie Cura. 2019. “Ruanda: Há ditadura com Paul Kagame?”. DW, June 28, 2019. https://p.dw.com/p/3LDjn.

Feierstein, Daniel. 2011. El genocidio como práctica social: entre el nazismo y la experiencia argentina. 2. ed. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

Fonseca, Danilo Ferreira da. 2013. “A mídia ruandesa no genocídio de 1994: a relação entre tutsis, Inkotanyis e a Frente Patriótica Ruandesa”. Em Tempo de Histórias (22): 56-77. https://doi.org/10.26512/emtempos.v0i22.19792.

Fonseca, Danilo Ferreira da. 2016. Direitos costumeiros e crimes internacionais: a justiça ruandesa após o genocídio de 1994 – Tribunais Gacaca e Abunzi. Odeere: revista do programa de pós-graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade – UESB, Vitória da Conquista. Acessado em 12 jun. 2021. https://periodicos2.uesb.br/index.php/odeere/article/view/1562/1347.

Foucault, Michel. 1987. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Traduzido por Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes.

Fragoso, Heleno Cláudio. 1973. “Genocídio.” Revista de Direito Penalv. 9/10, (jan./jun.): 27-36.

Hilário, Leomir Cardoso. 2016. “Da biopolítica à necropolítica: variações foucaultianas na periferia do capitalismo.” Sapere Aude 7 (13): 194-210. Human Rights Watch. “Rwanda.” Human Rights Watch. Acessado em 17 mar. 2021. https://www.hrw.org/africa/rwanda.

Karibi-whyte, Adolphus. Appeal Procedures and Practices. In Ngarambe, Alex. 2020. “Parlamento do Ruanda aprova lei que dá mais poderes ao presidente”. DW, July 9, 2020. https://www.dw.com/pt-002/parlamento-do-ruanda-aprova-lei-que-d%C3%A1-mais-poderes-ao-presidente/a-54103730.

United Nations International Residual Mechanism for Criminal Tribunals. 2003. Prosector v. Ferdinand Nahimana, Jean-Bosco Barayagwiza and Hassan Ngeze: Case No. ICTR-99-52-T/Judgement and sentence, dezembro de 2003. United Nations. Acessado em 19 mar. 2021. https://unictr.irmct.org/en/cases/ictr-99-52

Kopp, Juliana Borges. 2010. “Genocídio: raízes sócio- -políticas e previsão legal.” Revista Eletrônica de Direito Internacional, 7: 185-208. Martínez, Horacio Luján. 2009. “El genocidio como práctica social.” Philósophos-Revista de Filosofia 14 (1): 211-218.

Mbembe, Achille. 2016. “Necropolítica.” Artes e Ensaios, no. 32 (março): 123-151. Acessado em 18 mar. 2021. https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993.

McDonald, Gabrielle Kirk. 2000. Substantive and Procedural Aspects of International Criminal Law: The Experience of International and National Courts: Materials Vol. 2. BRILL, Springer.

Organização das Nações Unidas (ONU). 1948. “Convenção para a prevenção e a repressão do crime de genocídio.” Organização das Nações Unidas. Paris, 1948.

Organização das Nações Unidas (ONU). 1993. “Resolução 872 (1993) adotada pelo Conselho de Segurança em sua 3288 reunião, em 5 de outubro de 1993.” Organização das Nações Unidas. Acessado em 18 mar. 2021. https://digitallibrary.un.org/record/197341.

Paula, Luiz Augusto Módolo de. 2019. “Genocídio e o tribunal penal internacional para Ruanda.” Dissertação de Mestrado, Faculdade de Direito, Universidade de São Paulo.

Pinto, Maria Teresa Nogueira. 2011. “Ruanda: Entre a Segurança e a Liberdade.” Relações Internacionais, no. 32 (dezembro): 45-57. Acessado em 18 mar. 2021. http://www.scielo.mec.pt/pdf/ri/n32/n32a04.pdf.

Pollak, Michel. 1989. “Memória, Esquecimento, Silêncio.” Revista de Estudos Históricos 2, no. 3 (junho): 3-15. Acessado em 15 fev. 2021. http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2278/1417.

Souza, Janine Pacheco. 2011. “A convenção para a prevenção e repressão do crime de genocídio (1948).”In Relações Internacionais e Direitos Humanos, organizado por José Blanes Sala, 75-89. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Oficina Universitária.

Tribunal da ONU sentencia três réus por incitar o ódio que levou à tentativa de extermínio étnico em Ruanda, em 1994. Folha de S. Paulo, 4 dez. 2003. Acessado em 12 jun. 2021. https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft0412200301.htm.

Trindade, Antônio Augusto Cançado. 2006. A humanização do Direito Internacional. Belo Horizonte: Editora Del Rey.

Publicado
2021-09-27
Como Citar
Acerbi, J. dos S., Silva, L. S. de S. de O. e, & Dornelas, T. G. (2021). A rememoração do Genocídio de Ruanda e seus efeitos no presente democrático: Uma análise a partir da necropolítica midiática. Conversas & Controvérsias, 8(2), e40431. https://doi.org/10.15448/2178-5694.2021.2.40431
Seção
Dossiê: Crise Sistêmica Internacional e Regimes Democráticos