Classes sociais e consumo

Um estudo dos gastos das famílias brasileiras a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares (2017-2018)

Palavras-chave: Classe social, Consumo, Capital cultural, Capital econômico, Orçamentos familiares

Resumo

O objetivo deste artigo é investigar a relação entre classe social e consumo. A partir de uma perspectiva teórica que busca conectar práticas, disposições e classes, o consumo é visto como uma instância empírica privilegiada para a investigação das divisões sociais baseadas em classe. Existem homologias entre as estruturas de gastos das famílias e suas posições sociais? É provável que tais estruturas de gastos variem entre as classes e suas frações em função dos princípios de diferenciação do espaço social. Os dados são extraídos da Pesquisa de Orçamentos Familiares (2017-2018). Além da comparação dos gastos médios relativos das famílias conforme sua posição social, serão utilizadas técnicas exploratórias descritivas, como a Análise Geométrica de Dados. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edison Bertoncelo, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil.

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil. Professor do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas na mesma instituição.

Referências

Almeida, Ana Maria. 2009. As escolas dos dirigentes paulistas: ensino médio, vestibular, desigualdade social. Belo Horizonte: Argvmentvm.

Atkinson, Will. 2017. Class in the new millennium: the structure, homologies and experience of the British social space. Londres: Routledge.

Barbosa, Lívia. 2007. Feijão com arroz e arroz com feijão: o Brasil no prato dos brasileiros. Horizontes Antropológicos 13 (28): 87-116. https://doi.org/10.1590/S0104-71832007000200005.

Bertoncelo, Edison. 2019. Classes Sociais e Alimentação: padrões de consumo alimentar no Brasil contemporâneo. Revista Brasileira de Ciências Sociais 34 (100): 1-28. https://doi.org/10.1590/3410005/2019.

Bourdieu, Pierre. 2008. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk.

Bourdieu, Pierre. 1989. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Charron-Chénier, Raphaël. 2018. Spending bundles: incorporating household expenditures in the sociology of consumption. Socius: Sociological Research for a Dynamic World 4: 1–13. https://doi.org/10.1177/2378023117752834.

Coulangeon, Philippe e Julien Duval. 2015. The Routledge companion to Bourdieu’s ‘Distinction’. Nova Iorque: Routledge.

Crossley, Nick. 2005. Mapping reflexive body techniques: on body modification and maintenance. Body and Society 11 (1): 11-35. https://doi.org/10.1177/1357034X05049848

Díaz-Méndez, Cecilia e Isabel García-Espejo. 2012. Contemporary Food Trends in the homogenization of food expenditure in Spain and UK. Revista Española de Investigaciones Sociologicas 139: 21-44. https://doi.org/10.5477/cis/reis.1 39.21.

Douglas, Mary e Baron Isherwood. 2009. O mundo dos bens: para uma antropologia do consumo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

Greenacre, Michael. 2017. Correspondence analysis in practice. Londres: Chapman & Hall

Halbwachs, Maurice. 1933. L’évolution des besoins dans la classe ouvrière. Paris: Alcan.

Kamakura, Wagner e José Afonso Mazzon. 2016. Critérios de estratificação e comparação de classificadores socioeconômicos no Brasil. Revista de Administração de Empresas 56 (1): 55-70. https://doi.org/10.1590/S0034-759020160106

Le Roux, Brigitte e Henry Rouanet. 2004. Geometric Data Analysis: from Correspondence Analysis to Structured Data Analysis. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers.

Migliorati, Lorenzo. 2015. Maurice Halbwachs: classical Sociology after the classics. Italian Sociological Review 5 (2): 251–272. http://dx.doi.org/10.13136/isr.v5i2.99.

Nogueira, Maria Alice. 2017. Capital cultural. In Vocabulário Bourdieu, organizado por Afrânio Mendes Catani, Maria Alice Nogueira, Ana Paula Hey e Cristina de Medeiros, 103-106. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

Nogueira, Maria Alice. 2004. Favorecimento econômico e excelência escolar: um mito em questão. Revista Brasileira de Educação 26: 133-184. https://doi.org/10.1590/S1413-24782004000200011.

Majima, Shinobu, e Alan Warde. 2008. Elite consumption in Britain, 1961-2004: results of a preliminary investigation. The Sociological Review 56 (1): 210-239. https://doi.org/10.1111/j.1467-954X.2008.00769.x.

Sallum Jr., Brasilio, e Edison Bertoncelo. 2107. Classe social. In Vocabulário Bourdieu, organizado por Afrânio Mendes Catani, Maria Alice Nogueira, Ana Paula Hey e Cristina de Medeiros, 118-122. Belo Horizonte, Autêntica Editora.

Savage, Mike. 2015. Social class in the 21st century. Londres: Pelican Books.

Tomlinson, Mark. 2003. Lifestyle and social class. European Sociological Review 19 (1): 97-111. https://doi.org/10.1093/esr/19.1.97.

Torres Pabón, Giselle. 2019. ¿En qué gastamos para comer y cuánto? Condiciones socioeconómicas y presupuesto para el consumo de alimentos. Revista Colombiana de Sociología 42 (2): 191-228. https://doi.org/10.15446/rcs.v42n2.74809.

Warde, Alan. 2017. Consumption: a sociological analysis. Londres: Palgrave Macmillan.

Publicado
2022-08-16
Como Citar
Bertoncelo, E. (2022). Classes sociais e consumo: Um estudo dos gastos das famílias brasileiras a partir da Pesquisa de Orçamentos Familiares (2017-2018). Civitas: Revista De Ciências Sociais, 22, e41931. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2022.1.41931
Seção
Dossiê: Estratificação no século 21