“O que o burguês faz lamentando... o fascista faz sorrindo”

Neofascismo, capital internacional, burguesia associada e o Sistema Único de Saúde

Autores

DOI:

https://doi.org/10.15448/1984-7289.2022.1.41512

Palavras-chave:

Neofascismo, Capital Internacional, Neoliberalismo, Marxismo, Saúde Pública

Resumo

Este estudo realiza uma revisão crítica ensaiando dialeticamente a relação entre o capital internacional, o neofascismo e suas repercussões no Brasil, em geral, e na saúde pública, em particular. Neste sentido, este estudo está dividido em três seções. A primeira seção trata do papel da crise do capital como gatilho do fascismo na tradição marxista. A segunda seção aborda como o neofascismo emerge como resposta à dinâmica capitalista na fase neoliberal do capitalismo. E a terceira seção apresenta algumas relações entre a burguesia associada e seus interesses em desfinanciar o Sistema Único de Saúde e aproveitar a pandemia da Covid-19 para encampar o projeto genocida governamental. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Carnut, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), São Paulo, SP, Brasil.

Doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil; mestre em Bioética pela Universidad del Museo Social Argentino, na Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. Professor na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Boffo, Marco, Alfredo Saad-Filho, e Ben Fine. 2019. Neoliberal Capitalism: the authoritarian turn. Socialist Register 55: 312-320.

Boito Júnior, Armando. 2020. Por que caracterizar o bolsonarismo como neofascismo? Crítica Marxista 50: 111-119.

Bravo, Maria Inês S., Elaine J. Pelaez, e Juliana S. B. Menezes. 2020. A Saúde nos governos Temer e Bolsonaro: Lutas e resistências. SER Social 22 (46): 191-209. https://doi.org/10.26512/ser_social.v22i46.25630.

Caldeira Neto, Odilon. 2020. Neofascismo, “Nova República” e a ascensão das direitas no Brasil. Conhecer: Debate entre o Público e o Privado 10 (24): 120-140. https://doi.org/10.32335/2238-0426.2020.10.24.2060.

Carnut, Leonardo. 2020a. Neofascismo como objeto de estudo: contribuições e caminhos para elucidar este fenômeno. Semina. Ciências Sociais e Humanas 41: 81-108. http://dx.doi.org/10.5433/1679-0383.2020v41n1p81.

Carnut, Leonardo. 2020b. SUS e o coronavírus: uma breve análise de conjuntura. Trabalho & Saúde: Revista do Diesat 30: 3-5.

Carnut, Leonardo, e Áquilas Mendes. 2020. Estado, golpe e regime político: o dilema institucionalismo versus historicização na saúde. Izquierdas 49: 3631-3648.

Carnut, Leonardo, Áquilas Mendes e Lúcia D. da S.Guerra. 2020. Coronavirus, Capitalism in crisis and the perversity of public health in Bolsonaro’s Brazil. International Journal of Health Services 50: 1-13. https://doi.org/10.1177/0020731420965137.

Diethelm, Pascal, e Martin Mckee. 2009. Denialism: what is it and how should scientists respond? European Journal of Public Health 19 (1): 2-4. https://doi.org/10.1093/eurpub/ckn139.

Doria, Pedro. 2020. Fascismo à brasileira: como o integralismo maior movimento de extrema-direita da história do país se formou e o que ele ilumina sobre obolsonarismo. São Paulo: Grupo Planeta.

Fernandes, Florestan. 1976. A revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar.

Guamán, Adoración, Sebastián Martín, e Alfons Aragoneses. 2019. Neofascismo. La bestia neoliberal. Espanha: Ediciones Akal.

Konder, Leandro. 2009. Introdução ao fascismo. São Paulo: Expressão Popular.

Marini, Ruy M. 1978. O Estado de contrainsurgência. Cuadernos Políticos 18: 21-29.

Martin, Brian. 2020. Dealing with conspiracy theory attributions. Social Epistemology 34 (5): 409-422. https://doi.org/10.1080/02691728.2020.1748744.

Martín, Rafael D. 2020. Crisis orgánica, dependencia y neofascismo periférico en América Latina. ensayo de presentación e interpretación. Bajo el Volcán: Revista del Posgrado de Sociología. Buap 2 (3): 9-75.

Mascaro, Alysson L. 2020. Prefácio. In Fascismo, escrito por Evguiéni B Pachukanis, 9-24. São Paulo: Boitempo.

Mathias, Gilberto, e Pierre Salama. 1983. O Estado superdesenvolvido: ensaios sobre a intervenção estatal e sobre as formas de dominação no capitalismo contemporâneo. São Paulo: Editora Brasiliense.

Mattos, Marcelo B. 2020. Governo Bolsonaro: neofascismo e autocracia burguesa no Brasil. São Paulo: Usina Editorial.

Mendes, Áquilas e Leonardo Carnut. 2020. A atenção primária à saúde privada do decreto presidencial n. 10.530/2020. Revista Movimento, 28 out 2020. Acessado em 10 fev. 2021, https://movimentorevista.com.br/2020/10/a-atencao-primaria-a-saude-privada-do-decreto-presidencial-no-10-530-2020.

Mendes, Áquilas, e Leonardo Carnut. 2020. Crise do capital, estado e neofascismo: Bolsonaro, saúde pública e atenção primária. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política 57: 174-210.

Pachukanis, Evguiéni B. 2020. Fascismo. São Paulo: Boitempo.

Roberts, Michael. 2016. The long depression: how it happened, why it happened, and what happens next. Chicago: Haymarket Books.

Semeraro, Giovanni. 2019. La restaurazione in Brasile: un fascismo neoliberista. Critica Marxista: analisi e contributi per ripensare la sinistra 1: 31-41.

Downloads

Publicado

2022-11-03

Como Citar

Carnut, L. (2022). “O que o burguês faz lamentando. o fascista faz sorrindo”: Neofascismo, capital internacional, burguesia associada e o Sistema Único de Saúde. Civitas: Revista De Ciências Sociais, 22, e41512. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2022.1.41512