Theodor Adorno e as tendências fascistas na democracia

Palavras-chave: Theodor Adorno, Fascismo, Capitalismo tardio, Democracia de massa, Ressentimento

Resumo

A partir da reconstrução de aspectos da teoria social de Theodor Adorno, o objetivo deste artigo é uma interpretação de sua crítica à mecânica de sedução fascista em democracias. Se elementos de continuidade entre o nazifascismo e o imediato pós-guerra nos países centrais já foram ressaltados em Dialética do esclarecimento, Adorno aprofunda suas reflexões sobre condições objetivas e os pressupostos subjetivos que mantinham o fascismo como uma tendência imanente nas chamadas décadas de ouro do capitalismo. Mais do que uma tradicional historiografia das ideias, o propósito deste artigo é também sublinhar contribuições que as interpretações do frankfurtiano podem trazer ao debate sobre a ascensão de líderes e movimentos de direita radical contemporâneos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caio Vasconcellos, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Uberaba, SP, Brasil.

Doutor e mestre em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, SP, Brasil. Professor na Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), em Uberaba, MG, Brasil.

Referências

Adorno, Theodor. 2019. Estudos sobre a personalidade autoritária. São Paulo: Editora Unesp.

Adorno, Theodor. 1975. The psychological technique of Martin Luther Thomas’ radio addresses. In Theodor W.

Adorno. Soziologische Schriften II, organizado por Rolf Tiedemann, 15-141. Frankfurt am Main: Suhrkamp Verlag.

Adorno, Theodor. 2011. O que significa elaborar o passado. In Educação e Emancipação, organizado por Theodor Adorno, 29-50. São Paulo: Paz e Terra.

Adorno, Theodor e Max Horkheimer. 1985. Dialética do esclarecimento. Fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor.

Apostolidis, Paul. 2000. Stations of the cross. Adorno and christian right radio. Durham and London: Duke University Press.

Brown, Wendy. 2019. Nas ruínas do neoliberalismo. A ascensão da política antidemocrática no ocidente. São Paulo: Editora Politeia.

Carone, Iray. 2002. Fascismo on the air. Lua Nova: Revista de Cultura e Política 55–56: 195-216. https://doi.org/10.1590/S0102-64452002000100009.

Cohn, Gabriel. 1998. Esclarecimento e ofuscação: Adorno & Horkheimer hoje. Lua Nova: Revista de Cultura e Política 43: 5-25. https://doi.org/10.1590/S0102-64451998000100002.

Fassin, Éric. 2019. Populismo e ressentimento em tempos neoliberais. Rio de Janeiro: Eduerj.

Hochschild, Arlie. 2018. Strangers in their own land. New York: The New Press.

Honneth, Axel. 1993. The critical of oower. Massachusetts: The MIT Press.

Traverso, Enzo. 2019. The new faces of fascism. Populism and the far right. London and New York: Verso.

Vasconcellos, Caio. 2019. De Adorno a Marx: política e fetichismo. Sociologias 21 (52): 220-239. https://doi.org/10.1590/15174522-91328.

Weber, Max. 1997. A psicologia social das religiões mundiais. In Ensaios de Sociologia, organizado por Hans Gerth e Charles Wright Mills, 309-346. Rio de Janeiro: LTC Editora.

Publicado
2022-05-16
Como Citar
Vasconcellos, C. (2022). Theodor Adorno e as tendências fascistas na democracia. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 22, e41422. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2022.1.41422
Seção
Dossiê: Teorias críticas sobre o autoritarismo