Digitalização e dataficação da vida

Palavras-chave: Digitalização da vida, Dataficação da vida, Cibercultura

Resumo

A digitalização e a dataficação são faces de um amplo e pervasivo processo de modelagem que reduz a complexidade e a contingência da vida a códigos e dados. O conjunto de trabalhos que aqui reunimos analisam a sua emergência contemporânea e apontam para agendas de pesquisa que exaltam a sua crítica na pesquisa social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Segata, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil.

Doutor em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil; professor adjunto do Departamento de Antropologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil.

Theophilos Rifiotis, Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil.

Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, SP, Brasil; professor titular do Departamento de Antropologia da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Florianópolis, SC, Brasil.

Referências

Carvalho, Paulo Sérgio. 2000. Interação entre humanos e computadores: uma introdução. São Paulo: Educ.

Castells, Manuel. 2000. A sociedade em rede, vol. 1. São Paulo: Paz e Terra.

Escobar, Arturo. 2016a. Comentário. In Políticas etnográficas no campo da cibercultura, organizado por Jean Segata e Theophilos Rifiotis, s. p. Brasília: ABA Publicações.

Escobar, Arturo. 2016b. Bem-vindos à Cyberia: notas para uma antropologia da cibercultura. In Políticas etnográficas no campo da cibercultura, organizado por Jean Segata e Theophilos Rifiotis, 21-66. Brasília: ABA Publicações.

Haraway, Donna. 2000. Manifesto Ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano, organizado por Tomaz Tadeu, 33-118. Belo Horizonte: Autêntica.

Hine, Christine. 2020. A internet 3E: uma internet incorporada, corporificada e cotidiana. Cadernos de Campo 29 (2): e181370. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i2pe181370.

Latour, Bruno. 1994a. Une sociologie sans objets? Remarques sur l’interobjectivité. Sociologie du travail 34 (4): 587-607. https://doi.org/10.3406/sotra.1994.2196.

Latour, Bruno. 1994b. Jamais fomos modernos: ensaios de antropologia simétrica. São Paulo: Editora 34.

Lévy, Pierre. 2003. A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço, 4. ed. São Paulo: Loyola.

Rifiotis, Theophilos. 2010. Antropologia do ciberespaço: questões teórico-metodológicas sobre pesquisa de campo e modelos de sociabilidade. In Antropologia do ciberespaço, organizado por Theophilos Rifiotis et al., 15-28. Florianópolis: Editora UFSC.

Rifiotis, Theophilos. 2016. Etnografia no ciberespaço como “repovoamento” e explicação. In Políticas etnográficas no campo da cibercultura, organizado por Jean Segata e Theophilos Rifiotis, 129-152. Brasília: ABA Publicações.

Segata, Jean. 2016. Dos cibernautas às redes. In Políticas etnográficas no campo da cibercultura, organizado por Jean Segata e Theophilos Rifiotis, 91-114. Brasília: ABA Publicações.

Segata, Jean. 2017. O Aedes aegypti e o digital. Horizontes Antropológicos 23 (48): 19-48. https://doi.org/10.1590/s0104-71832017000200002.

Segata, Jean. 2020a. Covid-19, biossegurança e antropologia. Horizontes Antropológicos 26 (57): 275-313. https://doi.org/10.1590/s0104-71832020000200010.

Segata, Jean. 2020b. A pandemia e o digital. Revista Todavia 7: 7-15.

Solagna, Fabrício. 2020. 30 anos de governança da Internet no Brasil: coalizões e ideias em disputa pela rede, Tese em sociologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Porto Alegre, RS, Brasil.

Trivinho, Eugenio. 2008. Epistemologia em ruínas: a implosão da teoria da comunicação na experiência do cyberspace. Revista Famecos 3 (5): 73-81. https://doi.org/10.15448/1980-3729.1996.5.2950.

Publicado
2021-08-24
Como Citar
Segata, J., & Rifiotis, T. (2021). Digitalização e dataficação da vida. Civitas - Revista De Ciências Sociais, 21(2), 186-192. https://doi.org/10.15448/1984-7289.2021.2.40987